Publicidade

Diário Liberdade
Segunda, 11 Junho 2018 04:53 Última modificação em Sábado, 16 Junho 2018 21:02

Grande manifestaçom na capital galega rejeita projeto de mina de Touro-Pino

Avalie este item
(3 votos)
País: Galiza / Consumo e meio natural / Fonte: Diário Liberdade

Milhares de pessoas participárom este domingo em Compostela na manifestaçom contra o 'Projeto Touro', iniciativa empresarial com capital galego, chinês e cipriota para umha mina de extraçom de cobre.

Argumentos paisagísticos, de defesa da atividade agrária, ambiental, turística... juntárom várias dezenas de milhares de pessoas, que enchêrom a praça do Obradoiro reclamando à Junta da Galiza a paralisaçom imediata do projeto da mina em Touro.

A poluiçom da água, que ainda se verifica dos projetos mineiros do século passado, é um dos principais temores da populaçom da comarca onde já estám a fazer-se sondagens para umha mega-mina de cobre.

A mobilizaçom de onte multiplicou as anteriores, ultrapassando as previsons da Plataforma Vicinal Mina Touro-O Pino Nom e da Plataforma em Defesa da Ria de Arouça, principais protagonistas da resposta popular contra a tentativa da empresa 'Cobre San Rafael', que leva meses de campanha em defesa do seu negócio, que conta com capital da China e do Chipre, além do que representam várias firmas galegas do setor envolvidas no projeto (Francisco Gómez y Cía. S.L., Minas Metálicas del Noroeste S.L., Explotaciones Gallegas S.L., entre outras).

Instituiçons públicas ao serviço do negócio privado

A Cámara Municipal e as instituiçons autonómicas estám a dar cobertura ao projeto, umha exploraçom a céu aberto em que grandes detonaçons quebrariam as rochas para o seu transporte para serem trituradas e, com umha série de produtos químicos, retirar por flutuaçom o cobre, que iria ser refinado em Huelva (Andaluzia).

A poeira, a poluiçom das águas, a poluiçom sonora (seis grandes explosons diárias), os despejos em duas grandes entulheiras, incluindo produtos tóxicos com sulfuros que em contacto com o ar formariam ácido sulfúrico (drenagem ácida de minas), com grave risco para as águas... 

Seriam 15 anos de atividade e centenas de postos de trabalho (400) que, em opiniom dos setores populares contrários ao projeto, hipotecariam o futuro da comarca dos filhos e netos, pola grave deterioraçom ambiental da zona, para além da exploraçom laboral que trará para o pessoal nom qualificado, que será a maioria.

Por todo o que o projeto significaria em termos de poluiçom, destruiçom e empobrecimento do território, a manifestaçom apontou para o poder político, cúmplice da selvajaria capitalista privada.

Capitalismo desbocado à procura do lucro: os projetos mineiros mais agressivos de céu aberto chegam à Europa

Como pano de fundo, a falta de alternativas produtivas a nível agrário e industrial de carácter público e de aproveitamento das potencialidades da Galiza, com escala, racionalidade ambiental e critério de classe.

A falta de estratégia nacional e de classe entrega aos capitais privados galegos e internacionais os recursos do País, condenando à miséria a maioria na mesma medida que seus negócios engordam com o único critério da lucratividade privada.

A carência de soberania e o poder em maos do capital impede desenhar e aplicar umha estratégia socioeconómica que sirva às necessidades da classe trabalhadora galega e nom aos capitais financeiro e industrial, que investem em diferentes pontos do planeta em aliança com os capitais locais, em funçom, exclusivamente, do lucro rápido de fundos de investimentos internacionais e dos seus servidores burgueses na nossa terra.

O de Touro e do Pino é só mais um exemplo de um fenómeno que se reproduz constantemente em todo o mundo, se bem pom de manifesto como a desindustrializaçom e o empobrecimento da Europa já traz para o nosso continente projetos que até há uns anos eram reservados para o chamado "terceiro mundo".

O bem sucedido precedente de luita do movimento popular em Corcoesto encoraja a vizinhança da área afetada a incrementar a pressom mobilizadora contra o PP e os seus aliados empresariais, até a paralisaçom definitiva desta nova ameaça mineira do capital privado contra a maioria. No entanto, o problema de fundo subsiste: o capitalismo nom pode funcionar doutro jeito e os projetos respondem sempre à imperiosa necessidade de valorizaçom de capitais, sem importar o custo ambiental. O desafio de fundo continua a ser o mesmo: quebrar essa lógica perversa e contrária aos interesses da maioria da humanidade.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar