Publicidade

Diário Liberdade
Quarta, 11 Julho 2018 16:16 Última modificação em Segunda, 16 Julho 2018 15:38

Haiti vive dias de protesto devido ao aumento no preço dos combustíveis

Avalie este item
(0 votos)
País: Haiti / Laboral/Economia / Fonte: Brasil de Fato

[Laurato Rivara] Apesar da suspensão temporária do aumento anunciada pelo presidente do país, movimentos convocam greve geral.

✍️Inscreva-se no canal do Diário Liberdade no Youtube

O Haiti viveu, nos últimos dois dias, momentos de revolta desencadeados pelo anúncio do aumento do preço dos combustíveis, um aumento entre 38% e 51% no preço da gasolina, do diesel e da querosene. A medida foi anunciada às 16h da sexta-feira (6), em uma coletiva de imprensa organizada pelos ministérios da Economia e Finanças e do Comércio e Indústria. A reação social diante da medida impopular foi imediata, e imediatamente começaram os protestos, que se tornaram massivos. A mobilização teve início na capital do país, Porto Príncipe, e na zona metropolitana. Depois eclodiu em diversos lugares do país, como nas cidades de Les Cayes, Cabo Haitiano, Jeremias, Grande Enseada. A capital do país chegou a ficar totalmente paralisada devido às centenas de barricadas e pneus em queimados, enquanto aconteciam os enfrentamentos nas ruas entre os manifestantes e as forças de segurança. A Polícia Nacional do Haiti, devido à dimensão dos acontecimentos, chegou a aquartelar-se, cedendo o controle das ruas à multidão de manifestantes. Até agora, neste domingo (08) foram confirmadas três mortes e dezenas de feridos devido aos enfrentamentos.

A intensidade das manifestações está relacionada com o aumento geral nos custos do transporte e da alimentação que tal medida produziria. A querosene, por exemplo, é utilizada para iluminar as casas e para cozinhar, em um país onde o fornecimento de gás e energia é muito restrito.

O aumento dos preços se deve a um acordo assinado em fevereiro entre o governo do presidente do país, Jovenel Moïse, do Partido Haitiano Tèt Kale, de direita, e o Fundo Monetário Internacional (FMI) para reduzir os subsídios aos combustíveis. No mesmo acordo, estão outros pontos polêmicos, como a completa privatização da EDH, a estatal de energia do país. Em troca, o FMI se comprometeu a injetar dólares na abatida economia haitiana, dependente crônica da ajuda externa de organizações credoras e ONGs europeias e estadunidenses.

Alguns dias antes, o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) pressionou para que o governo anunciasse os aumentos, oferecendo como contrapartida uma “ajuda” de 40 milhões de dólares para outubro, quando começa o ano novo fiscal no país. Como aconteceu no começo do ano passado no México, durante os protestos contra o aumento no preço da gasolina, conhecido como gasolinazo, novamente o preço dos combustíveis para ser um assunto inegociável para a classe trabalhadora da América Latina e do Caribe. As medidas que o FMI quer implantar agora no Haiti são as mesmas que esta organização financeira implantou na Jordânia, no Oriente Médio, no mês de maio, o que fez eclodir uma rebelião que só terminou com a demissão do Primeiro Ministro do país, Hani Al-Mulki.

Agora, no Haiti, a medida que tinha sido adiada pela oposição direta de organizações de transportadores, do setor público e por movimentos populares rurais e urbanos, foi executada aproveitando as atenções voltadas à Copa do Mundo, evento que desperta muitas paixões na nação caribenha.

No sábado (07), vinte e quatro horas depois do anúncio das novas tarifas, o governo haitiano, inicialmente através da conta do twitter do Primeiro Ministro do país, Jack Guy Lafontant, e depois através anúncio do presidente em rede nacional. No entanto, o conflito continua crescendo, com saques a lojas e supermercados, queima de hotéis, um incêndio provocado em uma emblemática fábrica transnacional de bebidas, novos enfrentamentos e repressões. Com o aumento das tarifas congelado, a demanda que começa a surgir nos protestos é o pedido de renúncia do presidente Jovenel Moïse.

Atualmente, em um clima de incerteza ainda vigente e com setores mobilizados nas ruas de todo o país, o comitê de coordenação das manifestações anunciou uma greve geral para os próximos dias, segunda e terça-feira (9 e 10). O comitê é formado pela Brigada Sindical Anticorrupção, pelo Movimento 22 de Janeiro, pelos partidos e organizações Rasin Kan Pèp La, KOEPA, SAJ/VEYE YO e Rozo. Além da suspensão definitiva do aumento dos combustíveis, as organizações exigem, entre outros pontos, a reincorporação dos trabalhadores de diversas empresas estatais demitidos, o avanço no julgamento dos funcionários do Estado acusados de apropriação ilícita de fundos da Petrocaribe. É esperado que durante a greve geral aconteçam manifestações em frente ao palácio do Governo, no Parque Dessalines, localizado na capital do país, Porto Príncipe.

*Laurato Rivara é jornalista e integrante da Brigada Internacional da Alba Movimentos no Haiti.

Edição: Versão em português: Luiza Mançano

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar