Publicidade

Diário Liberdade
Quarta, 08 Agosto 2018 00:46 Última modificação em Domingo, 12 Agosto 2018 02:40

O curioso caso de Bill Browder

Avalie este item
(0 votos)
País: Estados Unidos / Resenhas / Fonte: Diário Liberdade

[Tom Luongo, Tradução da Vila Vudu] Há poucas semanas, contei a vocês que a primeira Guerra Civil está entre nós, nos EUA.

O que não contei é que a cara dessa Guerra Civil é Bill Browder.

Browder foi responsável pela Lei Magnitsky. Essa lei deu ao governo dos EUA poderes insanos para sancionar indivíduos e empresas, sempre em nome de castigar governos do mal que torturam inocentes.

É coisa de romance de espionagem. Dá nisso, quando se misturam políticas de poder, colusão com mercados e psicopatias.

Se metade do que se diz for verdade, o homem e seus sócios e comparsas merecem destino pior que tudo com que Dante sonhou em seuInferno.

Putin o levou aos tribunais à revelia, acusado de evasão de impostos no valor de $230 milhões. Browder fala do alcance global de Putin, mas homens como Browder é que são os verdadeiros corretores do poder político: modelam políticas, movimentam mercados e destroem vidas humanas por onde passem, em todo o planeta.

Hoje, essa gente tomou por alvo o presidente Trump [nos EUA. No Brasil, o alvo deles é o presidente Lula. Na Venezuela, o presidente Maduro. Na Argentina, a presidenta Cristina. No Equador, o presidente Correa, e por aí vai (NTs)].

Liguemos alguns pontos:

Primeiro, Facebook, para segurar o preço das próprias ações, descobre nova "PROVA" de interferência dos russos nas eleições, e saída da mesma fazenda de criação de trolls de que Robert Mueller falou em fevereiro

Segundo, dois dias depois Lindsay Graham aparece com novo projeto de lei, novinho em folha, para novas sanções "para dar duro em Putin e fazê-lo parar de interferir."

A lei de Graham permitirá:

1) Excluir a Rússia de qualquer venda de dívida soberana [dos EUA];
2) Impedir que a Rússia continue a financiar qualquer projeto de energia em qualquer ponto do mundo; e 
3) A lei passa a exigir aprovação por maioria de 2/3, para qualquer movimento de Trump que vise a retirar os EUA da OTAN.

Tudo isso para impedir que os russos interfiram em eleições?????

O item 3 acima é "curioso".

Trump nunca falou sobre retirar os EUA da OTAN. Assim sendo, por que Lindsay sentou o traseiro num espinheiro desses?

Esse projeto de lei claramente interfere no trabalho exclusivo do presidente, de traçar a política externa dos EUA.

É projeto de lei inconstitucional e, afinal de contas, jamais seria aprovado. 

Graham sabe disso. Mesmo assim, ele e McCain levarão adiante o projeto na comissão.

Há um segundo projeto de lei, que ordena que Trump sancione todas as empresas que trabalham no gasoduto Ramo Norte 2 [ing.Nordstream 2].

Tudo isso porque a Rússia não tem autorização para enriquecer, nem a Europa tem autorização para se livrar do controle pela OTAN.

É o Congresso extrapolando os próprios limites para impor golpe soft contra o presidente eleito dos EUA.

É caso de espionagem. Se não for caso de traição.

Falo de vários desses assuntos nesse vídeo de 6 minutos (ing.) [Dentre outros assuntos, Luongo lembra que se aproximam as eleições de meio de mandato nos EUA e todas essas loucuras golpistas, hoje, têm a ver com essas eleições, para afastar eleitores das urnas ou para desorientar completamente o eleitor. Mais sobre isso, adiante (NTs)].

Browder sabe que Trump o entregará ao Urso Russo, se assim se evitar uma guerra.

Para prosseguir, contudo, temos de ir a Istanbul.

Nada de prisão turca! 

Trump está empurrando Turquia e Alemanha para os braços da Rússia, mediante sanções e tarifas. É contraintuitivo, mas Trump também é. Quebra-se a OTAN não com você cair fora, mas com dar a Turquia e Alemanha todos os motivos para cair fora.

Trate-os como lixo, e eles desejarão a independência.

Hmmm. Turquia congelou patrimônio de diplomatas norte-americanos, depois de os EUA sancionarem a Turquia por não ter devolvido Pastor Brunson, agente da CIA.

Quando foi a última vez que algum país congelou patrimônio de diplomata norte-americano?   E nada menos que um aliado na OTAN?!

Na sequência, a Turquia anunciou a emissão de papeis denominados em yuan, para se distanciar do dólar norte-americano.

Ambas China e Turquia anunciaram que comprarão maior quantidade de petróleo iraniano, depois que as novas sanções entrarem em vigência.

China une-se à Turquia para deter o projeto dos EUA para balcanizar a Síria e os dois países anunciam apoio militar para expulsar os últimos rebeldes que permanecem na província de Idlib.

Se Aleppo foi a Batalha pelo Saliente Sírio [ing. Battle of the Syrian Bulge], Idlib é a Marcha para a Berlin Jihadista.

Nisso, pode haver método na loucura de Trump.

Fim da História

E isso se liga à campanha de Browder para destruir a Rússia. A Rússia é a chave para o futuro da China. Sem Rússia, não há século chinês.

Caras como Browder usam essas instituições pós 2ª Guerra Mundial: FMI, Banco Mundial, OTAN e União Europeia como fontes de 'comércio perfeito' para eles mesmos, e empobrecem países, matam milhões e mantêm o poder.

Não são grandes investidores. São piranhas que ainda se alimentam do cadáver putrefato da União Soviética. Ainda querem só para eles a enorme riqueza mineral e a energia da Rússia.

O objetivo de Trump, para acertar os erros dos negócios mundiais, é destruir a OTAN e a União Europeia. 

O objetivo dos inimigos de Trump é permanecer no poder e fora da cadeia. No caso de Browder, fora da pior masmorra da pior prisão em toda a Rússia.

“Homens” como Lindsay Graham e John McCain estão sempre plantados para proteger a bandidagem, conforme seja necessário.

Mas Trump é vulnerável.

O negócio agora são as eleições de meio de mandato 

Mais sanções sinalizam que as próximas eleições de meio de mandato são a última arma deles contra Trump. Eles alucinam, em desespero. Conhecem os números das pesquisas. Sabem que o mapa do Senado está contra eles.

A taxa de aprovação de Trump já chega a 50%. 

Os hispânicos estão empurrando Trump para além dos 50%.

Trump pode conseguir pelo menos oito assentos no Senado, enquanto McCain, Feinstein e outros estão sendo dispensados do serviço e mandados pastar.

Essa semana a China revelou que manteve um agente no gabinete de Feinstein (DEM-Calif), para enfraquecê-la. 

O Estado Profundo tem de controlar o Congresso, para conseguir o impeachment de Trump. É necessário que o Senado o bloqueie na comissão. 

Quanto a Trump, conta com o apoio popular e dos militares, para resistir ao impeachment.

De hoje até novembro, a Rússia será assunto em tempo integral, do Partido Republicano ao Comitê Nacional Democrata.

Volta o caos 

Por causa disso, os mercados passarão por turbulência. Investidores quererão saber quem está à frente, praticamente de hora em hora. Mas já se veem alguns sinais bem claros.

O dólar está subindo, com o mundo precisando de moeda. Juros estão subindo. O ouro está caindo. As bitcoins danaram-se, danaram-se completamente. Há guerras comerciais no ar. Open interests líquidos de curto prazo para o ouro e papéis do Tesouro dos EUA estão em níveis recorde.

O Banco do Japão está perdendo controle sobre os próprios mercados de ações. O euro sits on support. A China desvaloriza ativamente o yuan.

E Browder começa a entrar em pânico. Até agora, é o sinal mais esquisito, num homem coroado defensor perpétuo de direitos humanos.*******



* Quem é Bill Browder (fala do presidente Vladimir Putin ao presidente Donald Trump, na conferência de imprensa de Helsinki [em transcrição, pela presidência da Rússia, ing., aqui e traduzido no Blog do Alok]:


“Refiro-me ao caso muito comentado, que envolve a empresa Hermitage Capital, de [Bill] Browder. Segundo nossos funcionários de investigação, um grupo de pessoas, associados às empresas de Mr. Browder – que ganharam ilegalmente na Rússia mais de $1,5 bilhão – não pagaram os impostos devidos nem na Rússia nem nos EUA, mas transferiram esse dinheiro para os EUA. Contribuíram com $400 milhões para a campanha eleitoral de Ms Clinton. É informação oficial, incluída nos relatórios de campanha – $400 milhões. OK, foi decisão deles. Poderiam ter feito legalmente. Seja como for, tudo começou com dinheiro ganho ilegalmente. 

Temos motivos para suspeitar que funcionários da inteligência dos EUA apoiaram essas transações ilegais. Esse é só um primeiro passo. Podemos conversar sobre expandir nossa cooperação. Os senhores são bem-vindos. Com certeza os modos de agir estão previstos nos tratados intergovernamentais correspondentes, para esse tipo de questão.” [Fim da citação]

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar