Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Quarta, 03 Outubro 2018 12:29 Última modificação em Domingo, 14 Outubro 2018 16:49

Fascismo e anticomunismo Destaque

Avalie este item
(2 votos)
País: União Europeia / Antifascismo e anti-racismo / Fonte: Resistir

[Albano Nunes] Tal como na década de 30 do século passado, a crise geral do capitalismo traz consigo a emergência do fascismo.

 E tal como então a grande burguesia e o imperialismo apadrinham-no e promovem-no, como têm feito tão frequentemente em países de todos os continentes, da Ucrânia ao Brasil. O capitalismo na sua fase monopolista é inconciliável com a democracia, mesmo com a mais esvaziada das democracias burguesas.

O fascismo é uma criação do capitalismo para intensificar a exploração e salvar o sistema. É a expressão mais terrorista do poder monopolista. O que está a suceder é precisamente aquilo para que o PCP vem de há muito alertando: os sectores mais reaccionários e agressivos da classe dominante jogam cada vez mais no fascismo e na guerra como «saída» para o aprofundamento da crise estrutural do capitalismo. Essa a principal razão para que, com expressões muito diversas, o fascismo esteja a espreitar e a espalhar-se no mundo, da Ucrânia ao Brasil, dos EUA a Israel, de países da União Europeia às mais diversas ditaduras impostas a ferro e fogo pelo imperialismo. É cada vez mais evidente que o fascismo conta com fortíssimas cumplicidades a nível do Estado, onde aliás, como acontece com a administração Trump, já têm inquietante expressão. E o seu crescimento seria impossível sem um tratamento mediático esquizofrénico que tanto esconde como exagera graves manifestações de natureza reaccionária e fascizante, num comportamento ideológico que tende a banalizar o fenómeno em lugar de o combater. A verdade é que a extrema-direita e forças fascistas ocupam já fortes posições em Parlamentos e em governos de vários países da Europa.

A luta contra o fascismo será inconsequente se não identificar o caldo de cultura que o alimenta: as profundas injustiças e desigualdades geradas pelo capitalismo, uma situação social em que a polarização da riqueza atingiu um nível sem precedentes, em que o desemprego, a precariedade e o trabalho sem direitos se generalizam e os salários estagnaram ou retrocederam para níveis anteriores a 2007/2008. Uma situação em que as dificuldades e contradições do sistema de representação liberal burguês favorece a demagogia e uma radicalização de extrema-direita dita «anti-sistema», e em que – como na União Europeia - as ingerências e imposições que espezinham as soberanias nacionais, são exploradas para fomentar o nacionalismo, alimento fundamental do racismo e do fascismo. É realmente verdade que o neoliberalismo, cuja natureza exploradora e predadora não cessa de se acentuar, tem o fascismo inscrito nos seus genes. A sua primeira «experiência» foi no Chile de Pinochet e não faltam estudos bem documentados a demonstrar (vide Avelãs Nunes) que neoliberalismo e democracia (mesmo liberal) são incompatíveis.

O fascismo não é uma fatalidade. Mas é um perigo real que é necessário combater com a maior energia. Um combate em que, como sempre, o PCP está na primeira linha, coerente com a sua longa história de luta pela Liberdade e pela construção da unidade antifascista. Essa a razão por que, a pretexto do voto de princípio dos deputados do PCP no Parlamento Europeu em relação à aplicação do artigo 7.º do Tratado da UE à Hungria, alguns comentadores encartados (vide Público,16.09.18) não hesitam em vomitar o seu ódio, não contra o fascismo mas contra o PCP. Não estamos surpreendidos. Como não nos surpreende o escandaloso tratamento pela comunicação social dominante da nossa ímpar Festa do Avante!. Reacção, fascismo e anticomunismo sempre andaram de mãos dadas. É necessário não o esquecer.

*Este artigo foi publicado no “Avante!” nº 2339, 27.09.2018

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar