Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Quinta, 07 Fevereiro 2019 13:55 Última modificação em Quinta, 21 Fevereiro 2019 12:44

Por que o Feminismo Classista?

Avalie este item
(0 votos)
País: Brasil / Mulher e LGBT / Fonte: Coletivo Feminista Classista Ana Montenegro

Nós, feministas, sabemos bem que carregamos pesos a mais nesta sociedade.

As mulheres da classe trabalhadora, principalmente as mulheres negras e a população LGBT fogem do padrão de indivíduo da sociedade burguesa, hétero, branco e detentor de propriedade. Na existência desse padrão – desse modelo a ser seguido, vivenciado, buscado, temos nossa diversidade, nossa individualidade tão nossa e tão universal, tolhida, violentada, censurada. Mas de onde vem esse padrão? O que há por trás dele? Ele pode ser superado apenas com a educação?

Está mais do que em tempo de o movimento feminista, tão importante e necessário a nós brasileiras que vivenciamos a crescente precarização das políticas sociais, o aumento da pobreza e da violência que em todas as suas expressões incide ostensivamente em nós, compreender as relações sociais que fundamentam e determinam a exploração e a opressão que vivenciamos diariamente. Que nossas avós e mães sofreram e que as futuras gerações sofrerão enquanto existir o capitalismo racista hétero-patriarcal.

O feminismo classista é construído por uma consciência coletiva de que teoria e prática não se separam. Jamais. A nossa teoria, materialista, histórica e dialética que, além de ser a única compromissada com a luta da humanidade contra o capital, é a que melhor se aproxima da realidade, complexa e dinâmica que vivemos, deve nortear todas as nossas ações, atividades, diálogos, reflexões, falas... o trabalho de base que precisamos realizar para que as mulheres da cidade e do campo, mães, solteiras, religiosas, jovens, maduras, crianças despertem a consciência de quem são, de seu potencial de enfrentamento e de quem são os reais inimigos das mulheres.

As mulheres precisam da teoria revolucionária para compreender que a propriedade privada, por cuja superação tanto lutamos, é uma relação social que permite a exploração de pessoas por outras pessoas, fundando assim a divisão social de classes. Os que produzem a riqueza e os outros que exploram os produtores e produtoras da riqueza.

As mulheres precisam da teoria revolucionária para compreender que a relação social que funda a sociedade burguesa, essa em que vivemos, é a relação do capital. Isso significa que nessa sociedade perdemos os meios e as possibilidades de produzir nosso sustento, nossa vida. Fomos obrigadas a vir para os centros urbanos vender nossa força de trabalho em indústrias, fábricas, empresas, em troca de um salário sempre insuficiente para comprar e pagar tudo de que precisamos, pois nessa sociedade tudo é mercadoria, nosso alimento, nossas roupas, moradia, saúde, lazer, conhecimento. Precisamos pagar por tudo. O mercado é um grande rei, e nós somos todos súditos que a todo instante precisamos atirar-lhe nossas riquezas sem dó. A condição de trabalhadoras nos torna inimigas dos capitalistas que não hesitarão em promover a barbárie em nossas vidas se isso lhes trouxer riqueza e poder. A condição de trabalhadoras nos torna potencialmente revolucionárias.

As mulheres precisam compreender que existem relações sociais de sexo, que nada mais são do que relações que fundam e mantêm a desigualdade entre homens e mulheres em todas as dimensões da vida. As relações sociais de sexo criam uma divisão sexual do trabalho e do poder em que se constituem atividades legitimadas como femininas e outras como masculinas, sendo essas “femininas” as mais precarizadas e desvalorizadas. Já pensou por que a enfermagem, o serviço social e a pedagogia são profissões majoritariamente femininas? E também de pouca valorização? A divisão sexual do trabalho designa como femininas profissões que sejam reconhecidas socialmente por sua vinculação ao cuidado e à educação que, por consequência, o patriarcado atribui como natural do ser mulher. Sobre nós mulheres recai a responsabilidade pelo cuidado e educação dos filhos que limita nosso tempo e nossas possibilidades de estudo, trabalho, lazer e organização política. Legitima-se uma consciência social de subordinação da mulher ao homem como sua propriedade, tolhendo nossa independência e autonomia. E, ainda, essas relações sociais obstaculizam nossa liberdade sexual, nos impondo a heterossexualidade como única orientação sexual aceita e moral e rejeitando outras identidades de sexo. A condição de ser mulher nessa sociedade nos torna potencialmente revolucionárias.

As mulheres precisam também compreender que existem relações sociais de raça e etnia que fundam e mantêm a desigualdade entre negras/os e brancas/os. Essas relações sociais criam uma divisão racial do trabalho em que se constituem atividades legitimadas como brancas e outras desempenhadas por mulheres negras. Por que a profissão de empregada doméstica é desempenhada majoritariamente por mulheres negras? Por que são as mulheres negras que mais ocupam os trabalhos informais e mais precarizados? Por que os cargos e espaços de poder são majoritariamente ocupados por homens e brancos? O racismo e o colonialismo estruturam a dominação e opressão do povo negro, principalmente das mulheres negras e de periferia. Ainda que vejamos mais produtos para nossos cabelos crespos, mais negras como protagonistas de TV e mais discussões sobre racismo, o sol continua sem brilhar sobre nós. Essas relações possibilitam que as negras sejam as maiores vítimas de feminicídios e violências, sobretudo sexuais, físicas e obstétricas. São as que mais sentem o desemprego e todas as barbáries produzidas pelo capital em nossas vidas. A condição de ser negra nessa sociedade nos torna potencialmente revolucionárias!

As mulheres precisam do feminismo classista para compreender que capitalismo, patriarcado e racismo não se separam. São articulados. Um se estrutura e interage com o outro conformando uma realidade social de exploração, combinando a opressão do sexo, da raça e da classe. O racismo e o patriarcado existem porque existe uma base material, a propriedade privada, que impõe concretamente a exploração. Esses sistemas conformam o modo capitalista de produzir nossa vida e determinam a vida das mulheres marcada pelo trabalho extensivo, intensivo e intermitente, pela violação de direitos, pelas violências domésticas, sexuais, patrimonial, físicas, obstétricas e psicológicas sofridas. Pelo peso da responsabilização pelo cuidado da casa e dos filhos, pela aflição e desespero ao ver as condições de vida cada vez mais difíceis, o pão cada vez mais caro e o emprego cada vez mais distante.

O padrão do ser mulher, branca, doce, resignada não surge do nada. É produto de uma sociabilidade cujo norte é o lucro violento dos que comandam essa terra, oprimindo para isso todos que fogem ao gosto do capital. O que há por trás desse padrão é toda uma organização social destruindo a natureza e transformando toda a nossa riqueza humana, cores, cultos, saberes, culturas, gostos, traços, em desigualdades.

Ainda que a educação seja um elemento imprescindível, ela por si só não tem poder de mudar uma sociedade. A educação, na sociedade burguesa, inclusive não nos permite aprender nem mesmo nossa história e nosso papel como produtores do mundo humano. Não estudamos sobre África e nossa América, não discutimos sobre racismo ou patriarcado, não aprendemos o porquê de nossa condição. Não sabemos por que as mulheres são estupradas e trocadas como mercadorias e nem quando isso começou e não conhecemos nossos direitos. Não aprendemos na escola que devemos lutar contra todo e qualquer ataque à nossa individualidade e humanidade.

Nossa condição só mudará quando nos tornarmos conscientes de tudo o que o capital obstinadamente nos esconde e de como a política de conciliação de classes está fadada ao que é conveniente à burguesia. Quando nos organizarmos nas fileiras da luta por um mundo possível e tão urgente que precisa ser pensado e construído no presente. As mulheres precisam do feminismo classista para enfrentar as tantas e cotidianas agressões do capitalismo racista hétero-patriarcal, enquanto negras, imigrantes, lésbicas, transexuais, mães... trabalhadoras que, como já nos disse a camarada Ana Montenegro – lutando por pão, terra e trabalho, sendo um país que tem isso, almejamos liberdade!

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar