Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Segunda, 04 Março 2019 10:02 Última modificação em Domingo, 17 Março 2019 21:30

CGTP-IN quer combate efectivo às discriminações entre homens e mulheres

Avalie este item
(0 votos)
País: Portugal / Mulher e LGBT, Laboral/Economia / Fonte: Abril Abril

A CGTP-IN afirmou esta quinta-feira que a nova legislação para a igualdade salarial entre homens e mulheres é «insuficiente» e apela ao combate aos baixos salários e ao bloqueio à contratação coletiva.

A posição da Intersindical surge num comunicado de imprensa – intitulado «Mais do que constatar, é preciso eliminar as discriminações salariais entre mulheres e homens» –, emitido ontem a propósito da entrada em vigor da nova legislação.

Para a CGTP-IN, a chamada lei da Igualdade Salarial, que obriga as empresas a ter que justificar as discrepâncias salariais entre homens e mulheres, é «insuficiente», até porque esta só se aplica a empresas com mais de 250 trabalhadores.

Nesse sentido, a central sindical afirma que «importa intervir no combate efectivo às discriminações salariais», visto que em Portugal «as mulheres ganham menos 14,9% que os homens em trabalho igual ou de valor igual, considerando as remunerações base no sector privado e no sector empresarial do Estado, sendo a diferença maior nas empresas privadas (22,6%) do que nas empresas públicas (13,4%)».

A CGTP-IN aponta ainda que «o diferencial salarial sobe para 18,3%», caso sejam considerados «os ganhos mensais, ou seja, o salário base acrescido do pagamento por horas extraordinárias, prémios e subsídios regulares», pois as mulheres ainda são as mais penalizadas pelas ausências «relacionadas com a família».
Mais mulheres a receber salário mínimo nacional

No contexto nacional, a Intersindical assinala ainda que as mulheres «ocupam com maior frequência postos de trabalho em que apenas se recebe o salário mínimo nacional», sendo que, em Outubro de 2017, cerca de «27% das mulheres recebiam o salário mínimo, comparativamente com 17% dos homens».

Com base nisso, a CGTP-IN constata que se o salário mínimo tivesse subido para os 650 euros, em vez dos 600 euros acordado pelo Governo e patrões, a consequência imediata seria «uma redução de 11% na discriminação salarial (salário base) só por esta via».

Por outro lado, a Intersindical afirma que a «situação que não pode ser desligada do bloqueio existente na negociação colectiva», sobre o qual recorde-se o caso das trabalhadoras da limpeza ou da grande distribuição, sobre as quais as associações patronais exigem a retirada de direito para efectuar míseros aumentos.

«É necessário e urgente desbloquear a negociação e a contratação colectiva e garantir o aumento geral e efectivos dos salários, como duas das medidas mais eficazes para a eliminação das discriminações salariais entre homens e mulheres», reitera a CGTP-IN.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar