Publicidade

Diário Liberdade

Por Ilka Oliva Corado

Tradução de Raphael Sanz

“Vamos te entregar mas se algo sai errado te matamos”, me disse o coyote apontando-me uma pistola na têmpora. 

Publicado em Opiniom Própria

Por Ilka Oliva Corado

Tradução de Raphael Sanz

Muitos do grupo vomitaram o pouco de soro que haviam bebido quando viram os restos em estado de decomposição. Outros rezavam e para eles o homem da bíblia lia salmos. Havíamos caminhado o dobro de quilômetros desde que chegamos na linha divisória. Três do grupo desmaiaram por insolação, o que nos obrigou a descansar mais tempo até que se recuperassem. Alguns queriam ficar ali mesmo porque já se consideravam mortos e como acontece sempre e em todos os tempos havidos e por haver somos as mulheres as encarregadas de subir o moral dos homens entregues que a adversidade quebra o espírito; nós que de sexo frágil não temos nada, nem a sombra.

Publicado em Opiniom Própria

Por Ilka Oliva Corado

Tradução de Raphael Sanz

Conseguimos subir o barranco e nos afastamos do lugar. Pensamos que o tormento das emboscadas havia ficado para trás. A fronteira não é como contam por aí e por isso perdem-se tantas vidas em tentativas vãs de atravessá-la aos Estados Unidos. Não se ouvem historias de policiais que atiram em indocumentados quando na verdade essa é uma realidade diária. Mas quem os acusaria? Pior ainda, quem acreditaria na palavra de um indocumentado? Ninguém. Nós não valemos como seres humanos dentro desta nação. Com sorte, seremos mão-de-obra barata com a qual os anglo-saxões se beneficiam e nada mais.

Publicado em Opiniom Própria

Por Ilka Oliva Corado

Tradução de Raphael Sanz

A luz do dia nos deixava descobertos e não podíamos seguir no caminho limpo, sem espinheiros, e assim tivemos que avançar entre cactos e galhos que nos cravaram na pele suas agulhas. Eu usava o gorro e as luvas de montanhista e isso ajudou a diminuir a quantidade de espinhos que entravam na minha pele porque a maioria parava nesses itens. Aos demais, começava a escorrer lentamente o sangue das feridas causadas pelos espetos e grandes espinhos dos cactos adultos.

Publicado em Opiniom Própria

Por Ilka Oliva Corado

Tradução de Raphael Sanz

Junto das luzes e motores acesos das motocicletas e caminhões da Patrulha Fronteiriça escutamos uma chuva de impropérios nessa mescla chamada spanglish. Era de notar que nos esperavam com ânsias para caçar-nos como a animais. Certamente houve mudança de guarda na linha fronteiriça mas mais adiante e com a experiência de sagazes caçadores, outro nutrido grupo de policiais esperava suas presas.

Publicado em Opiniom Própria
Segunda, 29 Mai 2017 21:30

O norte, a emigração iminente

O norte nem sempre são os Estados Unidos, o norte, para os migrantes e desabrigados, é um lugar distante ao qual vão em busca da utopia. Obrigados pelas circunstâncias, essas circunstâncias têm responsáveis: um Estado inoperante, um sistema avassalador por tradução e uma sociedade desumana e insensível.

Publicado em Opiniom Própria

Por Ilka Oliva Corado

Tradução de Raphael Sanz

Quando saltamos a terceira cerca, o coyote a cargo do nosso grupo começou a correr e seguindo suas instruções também corremos nós. Tínhamos de nos afastar da linha divisória o quanto antes fosse possível (e impossível) porque estava por iniciar a caça da Patrulha Fronteiriça.

Publicado em Opiniom Própria

Por Ilka Oliva Corado

Tradução de Raphael Sanz

Não sei quantos quilômetros de distância há entre Água Prieta e a fronteira com o Arizona. Não caminhamos em linha reta, a rota foi serpenteando, em instantes parecia que o caminho era para voltar a Água Prieta ao invés de nos dirigir ao Arizona. Sei a quantidade de quilômetros que percorremos porque o coyote levava um aparelho tipo um relógio de pulso que também era uma bússula e mantinha um registro da distância percorrida.

Publicado em Opiniom Própria

Por Ilka Oliva Corado, Tradução de Raphael Sanz

Corremos e nos escondemos nos matagais enquanto saltavam todos que estavam nos táxis que, em um ranger de dentes iam-se do lugar. Estávamos no meio do nada, longe do centro de Agua Prieta, metidos no deserto de Sonora.

Publicado em Opiniom Própria

Por Ilka Oliva Corado, Tradução de Raphael Sanz

Subimos em um táxi que durante seis horas nos conduziu pelas autopistas do deserto de Sonora. Os táxis que transitam por lá são camionetes Suburban e Hummer em sua maioria, e precisam usar o dobro da tração por conta do tipo de solo que dispõe o terreno.

Publicado em Opiniom Própria

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar