Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Segunda, 20 Novembro 2017 00:33 Última modificação em Sábado, 25 Novembro 2017 01:42

Consciência Negra: Por um 20 de novembro de reflexão, mobilização e luta

Avalie este item
(1 Voto)
País: Brasil / Antifascismo e anti-racismo / Fonte: PCB

[Muniz Ferreira] Agravam-se a cada dia as condições de vida e trabalho da maior parte da população afrobrasileira.

Situada, em sua ampla maioria, na base da pirâmide social do país e ocupando as posições pior remuneradas e mais precarizadas do mercado de trabalho, trabalhadoras e trabalhadores negros e negras, tem sofrido, com particular impacto, os efeitos da crise mundial do capitalismo e seus desdobramentos no Brasil. Ao desemprego, precarização, baixos salários, informalização das relações de trabalho e discriminação salarial, conhecidos desde longa data, acrescentam-se a retirada de direitos adquiridos e a legalização da superexploração da força de trabalho negra consagradas pelas contrarreformas das leis trabalhistas e da previdência social em processo de implementação neste momento.

Além disto, utilizando como pretexto dificuldades orçamentárias e a necessidade de equilibrar as finanças públicas, os representantes da ordem burguesa, em todas as esferas da administração pública, entregam-se ao desmonte dos já depauperados sistemas públicos de saúde, educação e segurança pública, em detrimento dos que mais tem necessidade deles, entre os quais se inclui a maior parte do povo negro brasileiro. Com base nestas mesmas alegações, procedem também ao congelamento geral dos vencimentos dos servidores públicos, ao parcelamento, atraso e até suspensão do pagamento de salários de muitos deles, afetando de maneira particularmente aguda, as condições de sobrevivência dos pior remunerados, onde, invariavelmente se situam trabalhadores e trabalhadoras negros e negras.

Os afrodescendentes brasileiros não estão imunes aos efeitos da ofensiva reacionária que vem se manifestando nas ações do estado brasileiro ao longo dos últimos meses: Eliminação dos já, mesmo antes, limitados “programas sociais”, abandono das políticas de defesa dos direitos humanos e de promoção da igualdade racial, endurecimento das políticas de repressão às lutas populares e ampliação das iniciativas legislativas e jurídicas voltadas à criminalização da pobreza e dos movimentos sociais. Como resultado da militarização do enfrentamento da questão social pelos governos, aumentou exponencialmente a insegurança dos moradores das comunidades “pacificadas” pelas UPPs e congêneres, disparou a estatística dos mortos (civis e militares) na famigerada “guerra às drogas”, acrescentando números crescentemente sombrios ao processo de extermínio da população negra das favelas e periferias brasileiras.

Este sinistro quadro se completa com repetidas agressões ao patrimônio cultural e simbólico da população afrobrasileira. Aumentam as investidas do mercado do espetáculo no sentido de subordinar as diversas manifestações artísticas e culturais produzidas pelo povo negro, aos objetivos, interesses e padrões da indústria cultura e das empresas de turismo. São contínuas as agressões às religiões de matriz africanas e aos seus integrantes, por parte de forças fundamentalistas e obscurantistas. Recrudescem a oposição aos dispositivos legais voltados para o ensino e a valorização da história e da cultura afrobrasileira nos programas escolares.

Diante deste cenários de tantas adversidades, torna-se crucial recuperar os exemplos de lutas, resistências e conquistas, protagonizadas pelas populações afrodescendentes. Das rebeliões contra a escravidão, de que nos dão testemunho as comunidades remanescentes de quilombos presentes até os nossos dias, passando pelas entidades que conduziram as reivindicações do povo negro, dos primórdios da república até a atualidade, chegando às mobilizações antirracistas, que tem marcado toda a história da sociedade brasileira.

O Partido Comunista Brasileiro, juntamente com seu Coletivo Negro Minervino de Oliveira, participa ativamente, com todo o povo negro brasileiro, em particulares trabalhadores e trabalhadoras negros e negras, das lutas contra a exploração e o racismo. Devemos fazer deste 20 de novembro uma data de conscientização, mobilização e luta contra a discriminação racial, o racismo institucional, o extermínio da juventude negra e a intolerância contra às religiões de matriz africana. Convencidos de que a opressão da população afrobrasileira se assenta sobre a vigência do capitalismo e da ordem burguesa em nosso país afirmamos: a luta contra o racismo é inseparável da luta pelo socialismo!

Viva o 20 de Novembro!
Viva a Luta do Povo Negro!

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar