Publicidade

Diário Liberdade
Sábado, 07 Mai 2016 13:28 Última modificação em Sexta, 13 Mai 2016 16:14

Margot Honecker, dirigente revolucionária alemá, faleceu no exílio chileno

Avalie este item
(0 votos)
País: Alemanha / Resenhas / Fonte: Diário Liberdade

A revolucionária alemá Margot Feist, nascida em 1927, militante comunista desde a juventude e ex-ministra da Educaçom da RDA, morreu no exílio chileno nesta sexta-feira dia 6 de maio.

De origem humilde, Margot trabalhou como vendedora e operadora da companhia telefónica. Foi militante comunista desde 1945, quando se incorporou ao KPD (Partido Comunista da Alemanha), e logo a seguir ao SED (Partido Socialista Unificado da Alemanha). Também integrou a direçom da Juventude Livre Alemá. Com 22 anos, em 1950, converteu-se na deputada mais jovem da Cámara Popular da República Democrática Alemá. Casou com o presidente do país, passando a partir daí a adotar o apelido Honecker.

Desde 1963 até 1989, foi ministra da Educaçom Popular. Com a queda do muro de Berlim e a anexaçom da Alemanha oriental pola capitalista, ela e Erick Honecker fôrom expulsos do partido cuja dirigência capitulou perante a República Federal, transmutado em "Partido do Socialismo Democrático". Exilada à Rússia, foi posteriormente entregue ao Estado alemám para ser julgada, junto ao seu marido e outros dirigents da RDA, por supostos assassinatos de 49 dissidentes na tentativa de pularem o muro que dividia Berlim.

margot2Condenada ela e Erick Honecker, acabárom por ser libertados por razons humanitárias no início de 1993. Doente com cancro, o ex-líder da RDA morreria em maio de 1994, enquanto Margot continuou a viver no exílio chileno até ontem, sem nunca renegar da sua entrega vital à causa do socialismo. Numha das raras entrevistas que deu e foi emitida na tv em 2012, negou que a RDA fosse ditatorial e mostrou a sua convicçom de que o socialismo voltaria à Alemanha:

"Quais fôrom os crimes da RDA? Que as pessoas vivessem em liberdade? Que as pessoas tivessem perspetivas de vida? Que as pessoas pudessem ganhar um salário honestamente? Que tivessem umha boa educaçom, um bom sistema de saúde? Que as pessoas pudessem opinar? Que me expliquem onde é que está o delito!".

Margot e Erick fôrom acolhidos hospitaleiramente no Chile, onde nos 90 ficava a memória e a dívida polo acolhimento que a RDA deu a centenas de militantes comunistas e socialistas durante a brutal ditadura fascista de Pinochet.

Foto: Diario La Tercera

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar