Publicidade

Diário Liberdade
Quinta, 02 Março 2017 08:50 Última modificação em Domingo, 05 Março 2017 13:24

Carnaval, tecnologia, indústria e utopia

Avalie este item
(0 votos)
Roberto Bitencourt da Silva

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

[Roberto Bitencourt da Silva] Mazelas e virtudes da sociedade brasileira são facilmente perceptíveis e motivos para reverberação durante o carnaval. Uma linda e animada festa que integra, com bastante vigor, a identidade nacional, a imagem do País também projetada no exterior.​


O caráter subversivo do carnaval tende a ser facilmente evidenciado, no sentido em que proporciona a anulação temporária das hierarquias sociais. Claro, não sem ambiguidades e limitações, decorrentes da dilatação progressiva da lógica capitalista que incide sobre a festa.

Em todo caso, uma importante potencialidade democrática e uma significativa veia antirracista são variáveis que compõem um certo imaginário utópico da nossa sociedade, tendo por centro o perfil de inúmeros comportamentos que marcam a folia carnavalesca.

As elites políticas e econômicas brasileiras e cariocas, somente há poucas décadas, têm valorizado o carnaval organizado pelas escolas de samba. Ao seu modo, apropriam-se e dão ênfase ao que lhes interessa, especialmente se obtiverem retorno financeiro ou se a festa permitir que aquelas sejam investidas de imagem pretensamente popular, na medida em que isso se traduza em capital simbólico ou político.

Contudo, no resto do ano é pau e satanização nos criadores reais desse carnaval. Alegria e descontração à parte, máfias gerenciais de lado, para o que nos importa em particular, as escolas de samba demonstram uma ampla capacidade industriosa de trabalho.

Um enorme engenho criativo da nossa gente, em grande medida simples e com pouca formação escolar. É gritante o trabalho de criação, envolvendo grandes equipes que alcançam soluções não raro simples para problemas e objetivos complexos.

Não fossem o colonialismo mental e o racismo latente – que tipificam a estrutura de poder nacional e se irradiam, velada ou abertamente, em toda a estratificação das classes sociais brasileiras – o setor industrial no País poderia perfeita e autenticamente ser brasileiro e ampliado.

Isso sem qualquer necessidade de nos submetermos aos interesses do capital internacional, de financiarmos multinacionais, que nada trazem em recursos e que, com sua maquinaria e suas técnicas importadas, inibem a geração de emprego para a nossa gente. Além de subtraírem nossas riquezas, enriquecendo outras praças. Há tempos a indústria tem encolhido e sido submetida a intensa desnacionalização.

Não é por falta de engenho criativo e laborioso do nosso Povo que nos encontramos tão dependentes da tecnologia forânea e subalternizados ao poder das multinacionais. Pelo contrário. Esse engenho nos sobra – o carnaval, sobretudo das escolas de samba, nos mostra isso – e poderia ser impulsionado com investimentos em educação, ciência e tecnologia e domínio estatal ou cooperativo das indústrias.

Criação e domínio nacional de tecnologia, atendendo às necessidades de consumo do grosso da população e, com maior intensidade, proporcionando o aumento da oferta de empregos que adensem os postos de trabalho e reduzam o desemprego e o subemprego.

Diga-se, virtualmente poderia corresponder a um decisivo instrumento de diversificação da nossa pauta de exportações e de intercâmbio comercial e tecnológico, com nações igualmente periféricas e que buscam saídas mais autônomas frente ao centro capitalista e imperialista.

Uma utopia que se choca frontalmente com tudo o que os golpistas, entreguistas, americanófilos, racistas antipovo, do bloco de poder brasileiro defende.

O carnaval sempre nos permite lembrar das nossas potencialidades, enquanto Nação. Possibilidades virtuais de uma sociedade, bastante claras em curto período do ano, lançadas normalmente no limbo, recalcadas, pelas oligarquias políticas e pelo condomínio burguês multinacional e doméstico associado.

A imaginação utópica de um País assentado em bases mais democráticas, antirracistas, tecnológica e politicamente soberanas, tem muito a ser aguçada com o nosso rico experimento cultural festivo.

O carnaval e as virtudes criadoras de múltiplos agentes que o produzem, com toda a sua deslumbrante beleza, são alguns dos grandes ensinamentos do Povo para o País. Um tapa no nariz arrebitado dazelites vende pátria.

Roberto Bitencourt da Silva – historiador e cientista político. http://jornalggn.com.br/blog/roberto-bitencourt-da-silva/

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar