Publicidade

Diário Liberdade
Domingo, 24 Fevereiro 2019 16:54

Guerra contra a Venezuela foi construída com as mentiras que a mídia espalhou

Avalie este item
(1 Voto)
John Pilger

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

Uma guerra foi declarada à Venezuela, na qual a verdade é “muito difícil” de ser encontrada.


Viajando com Hugo Chávez, logo entendi a ameaça representada pela Venezuela. Em uma cooperativa agrícola no estado de Lara, as pessoas esperavam pacientemente e com bom humor no calor. Jarros de água e suco de melão foram servidos.

Uma guitarra foi tocada; uma mulher, Katarina, levantou-se e cantou com um contralto rouco.

“O que suas palavras disseram?”, Perguntei.

“Que estamos orgulhosos”, foi a resposta.

Os aplausos por ela se fundiram com a chegada de Chávez. Sob um braço carregava uma mochila cheia de livros. Usava sua grande camisa vermelha e cumprimentava as pessoas pelo nome, parando para ouvir. O que me impressionou foi sua capacidade de ouvir.

Durante quase duas horas leu no microfone da pilha de livros ao lado dele: Orwell, Dickens, Tolstoi, Zola, Hemingway, Chomsky, Neruda: uma página aqui, uma linha ou duas lá. As pessoas aplaudiram e assobiaram, emocionadas, de autor para autor.

Então os fazendeiros pegaram o microfone e lhe disseram o que sabiam e do que precisavam; um rosto antigo, entalhado, fez um discurso longo e crítico sobre o assunto da irrigação; Chávez tomou notas.

Vinho é produzido aqui, uma uva tipo Syrah escura.

“John, John, venha até aqui”, disse o presidente, depois de ter me visto adormecer no calor e nas profundezas de Oliver Twist.

“Ele gosta de vinho tinto”, disse Chávez — e o público assobiando me presenteou com uma garrafa de vinho do “povo”. Minhas poucas palavras em espanhol ruim trouxeram assobios e risos.

Chávez prometeu, ao chegar ao poder, que cada movimento seu estaria sujeito à vontade do povo.

Em oito anos, Chávez ganhou oito eleições e referendos: um recorde mundial. Ele era eleitoralmente o chefe de estado mais testado no hemisfério ocidental, provavelmente no mundo.

Toda grande reforma chavista foi votada, nomeadamente uma nova constituição, que 71% dos venezuelanos aprovaram — cada um dos 396 artigos consagrando liberdades inéditas, como o artigo 123, que pela primeira vez reconheceu os direitos humanos dos mestiços e negros — Chávez era um deles.

As pessoas comuns consideravam Chávez e seu governo como seus primeiros campeões: como pertencendo a eles.

Isto foi especialmente verdadeiro para os indígenas, mestiços e afro-venezuelanos, que haviam sido vítimas dos antecessores imediatos de Chávez e incomodou aqueles que hoje vivem nos bairros chiques, nas mansões e penthouses do leste de Caracas, que se deslocam para Miami, onde se consideram “brancos”.

Eles são o núcleo poderoso do que a mídia chama de “oposição”.

Quando eu conheci essa turma, em subúrbios chamados Country Club, em casas com lustres baixos e retratos ruins nas paredes, eu os reconheci. Eles poderiam ser brancos sul-africanos, a pequena burguesia de Constantia e Sandton, pilares das crueldades do apartheid.

Cartunistas da imprensa venezuelana, a maioria de propriedade de uma oligarquia que se opõe ao governo, retrataram Chávez como um macaco.

Um apresentador de rádio referiu-se a ele como “o macaco”.

Nas universidades privadas, a moeda verbal dos filhos dos abastados é frequentemente o abuso racista daqueles cujos barracos são visíveis apenas através da poluição de Caracas.

Embora a política identitária ocupe espaço nas páginas de jornais liberais do Ocidente, raça e classe são duas palavras quase nunca proferidas na “cobertura” mentirosa da mais recente tentativa de Washington de agarrar a maior fonte mundial de petróleo e recuperar o seu “quintal”

Apesar de todas as falhas dos chavistas — como permitir que a economia venezuelana continuasse refém das fortunas do petróleo, nunca seriamente desafiando a desigualdade estrutural e a corrupção — houve justiça social para milhões de pessoas e isso foi feito com democracia sem precedentes.

“Das 92 eleições que nós monitoramos”, disse o ex-presidente Jimmy Carter, um monitor de eleições respeitado em todo o mundo, “eu diria que o processo eleitoral na Venezuela é o melhor do mundo”.

A título de contraste, disse Carter, o sistema eleitoral dos EUA, com sua ênfase no dinheiro de campanha, “é um dos piores”.

Ao estender autoridade comunal, baseada nos bairros mais pobres, Chávez descreveu a democracia venezuelana como “nossa versão da idéia de soberania popular de Rousseau”.

No Barrio La Linea, sentada em sua minúscula cozinha, Beatrice Balazo contou-me que seus filhos eram da primeira geração de pobres a frequentar uma escola um dia inteiro e receber uma refeição quente e aprender música, arte e dança.

“Eu vi a confiança deles florescer”, disse ela.

No Barrio La Vega, eu escutei uma enfermeira, Mariella Machado, uma mulher negra de 45 anos, questionando um conselho de terras urbanas sobre assuntos que iam desde a falta de moradia até as gangues. Naquele dia foi lançada uma das Missões, o programa voltado para as mães solteiras.

Sob a Constituição, as mulheres têm o direito de serem pagas como cuidadoras e podem tomar emprestado dinheiro de um banco especial para mulheres. Agora as donas de casa mais pobres ganham o equivalente a U$ 200 por mês.

Em uma sala iluminada por um único tubo fluorescente, conheci Ana Lucia Ferandez, de 86 anos, e Mavis Mendez, de 95 anos. Sonia Alvarez, de 33 anos, veio com os dois filhos. Houve um tempo em que nenhuma delas sabia ler e escrever; agora, estavam estudando matemática.

Pela primeira vez em sua história, a Venezuela tem quase 100% de alfabetização.

Este é o trabalho da Missão Robinson, que foi criada para adultos e adolescentes antes privados de educação devido à pobreza.

A Missão Ribas dá a todos a oportunidade de uma educação secundária, chamada bacharelado (os nomes Robinson e Ribas referem-se aos líderes da independência venezuelana do século XIX).

Em seus 95 anos, Mavis Mendez assistiu a um desfile de governos, principalmente vassalos de Washington, presidirem o roubo de bilhões de dólares de petróleo, muitos dos quais voaram para Miami.

“Não importávamos, em um sentido humano”, ela me disse. “Vivemos e morremos sem educação e água corrente, e comida que não podíamos comprar. Quando adoecemos, os mais fracos morreram. Agora eu posso ler e escrever meu nome e muito mais; plantamos as sementes da verdadeira democracia e tenho a alegria de ver isso acontecer ”.

Em 2002, durante golpe contra Chávez apoiado por Washington, os filhos de Mavis, filhas e netos e bisnetos, se juntaram a milhares de pessoas que desceram as encontas dos morros e exigiram que o exército permanecesse leal a Chávez.

“As pessoas me resgataram”, disse-me Chávez. “Eles fizeram isso com a mídia contra mim, escondendo até mesmo os fatos básicos do que aconteceu.”

Desde a morte de Chávez, em 2013, seu sucessor, Nicolas Maduro, apareceu na imprensa ocidental como o “ex-motorista de ônibus” que se tornou encarnação de Saddam Hussein.

Sob seu governo, a queda do preço do petróleo causou hiperinflação numa sociedade que importa quase toda a comida.

No entanto, como o jornalista e cineasta Pablo Navarrete relatou esta semana, a Venezuela não é a catástrofe que foi pintada.

“Há comida em toda parte”, escreveu ele. “Eu tenho filmado muitos vídeos de comida nos mercados [por toda Caracas] ... e sexta à noite os restaurantes estão cheios.”

Em 2018, Maduro foi reeleito presidente. Uma seção da oposição boicotou a eleição, uma tática usada contra Chávez. O boicote falhou: 9.389.056 pessoas votaram.

Dezesseis partidos participaram e seis candidatos disputaram a presidência. Maduro ganhou 6.248.864 votos, ou 67,84 por cento do total.

No dia da eleição, falei com um dos 150 observadores eleitorais estrangeiros. “Foi totalmente justo”, disse ele. “Não houve fraude; nenhuma das sinistras denúncias da mídia foi comprovada. Zero”.

Como uma página da festa do chá de Alice no País das Maravilhas, o governo Trump agora apresenta Juan Guaidó, uma criação pop do National Endowment for Democracy e da CIA, como o “Presidente legítimo da Venezuela”.

Para 81% do povo venezuelano, segundo The Nation, Guaidó não foi eleito por ninguém.

Maduro é “ilegítimo”, diz Trump (que venceu a presidência dos EUA com 3 milhões de votos a menos que seu oponente); um “ditador”, diz o vice-presidente Mike Pence. De olho no petróleo está o conselheiro John Bolton (que quando eu o entrevistei, em 2003, me perguntou: “Ei, você é comunista, talvez até trabalhista?”).

Como seu “enviado especial à Venezuela”, Trump nomeou um criminoso condenado, Elliot Abrams, cujas intrigas a serviço dos presidentes Reagan e George W. Bush ajudaram a produzir o escândalo Irã-Contra na década de 1980 e a mergulhar a América Central em anos de miséria encharcada de sangue.

Colocando Lewis Carroll de lado, esses “loucos” pertencem aos noticiários da década de 1930. E, no entanto, suas mentiras sobre a Venezuela foram abraçadas com entusiasmo por aqueles pagos para manter o registro histórico.

No Channel 4 News, britânico, Jon Snow berrou com o deputado trabalhista Chris Williamson: “Olha, você e o Sr. Corbyn estão em uma posição muito desagradável [na Venezuela]!”

Quando Williamson tentou explicar por que ameaçar um país soberano estava errado, Snow cortou: “Você já teve sua chance!”

Em 2006, o mesmo canal acusou Chávez de tramar armas nucleares com o Irã: uma fantasia.

O então correspondente em Washington, Jonathan Rugman, permitiu que um criminoso de guerra, Donald Rumsfeld, comparasse Chávez a Hitler, sem contestação.

Pesquisadores da Universidade do Oeste da Inglaterra estudaram as reportagens da BBC sobre a Venezuela durante um período de dez anos.

Eles analisaram 304 relatos e descobriram que apenas três deles se referiam a qualquer uma das políticas positivas do governo.

Para a BBC, o registro democrático da Venezuela, a legislação de direitos humanos, os programas de alimentação, as iniciativas de saúde e a redução da pobreza não aconteceram.

O maior programa de alfabetização da história da humanidade não aconteceu, assim como os milhões que marcham em apoio a Maduro e em memória de Chávez não existem.

Quando perguntada por que ela filmou apenas uma marcha de oposição, a repórter da BBC Orla Guerin tuitou que era “muito difícil” estar em duas marchas no mesmo dia.

Uma guerra foi declarada à Venezuela, na qual a verdade é “muito difícil” de ser encontrada.

É difícil falar sobre o colapso dos preços do petróleo desde 2014, em grande parte como resultado de maquinações criminosas de Wall Street.

É difícil relatar o bloqueio do acesso da Venezuela ao sistema financeiro internacional dominado pelos EUA, como sabotagem.

É muito difícil relatar as “sanções” de Washington contra a Venezuela, que causaram a perda de pelo menos U$ 6 bilhões na receita desde 2017, incluindo U$ 2 bilhões em medicamentos importados — ou a recusa do Banco da Inglaterra em devolver o ouro da Venezuela, um ato de pirataria.

O ex-relator das Nações Unidas, Alfred de Zayas, comparou isso a um “cerco medieval” projetado para “trazer os países de joelhos”. É um ataque criminoso, disse ele.

É semelhante ao bloqueio enfrentado por Salvador Allende em 1970, quando o presidente Richard Nixon e seu equivalente de John Bolton, Henry Kissinger, decidiram “fazer a economia [do Chile] gritar”. A longa e escura noite de Pinochet se seguiu.

O correspondente do Guardian, Tom Phillips, tuitou uma foto usando um boné no qual as palavras em espanhol significam, em gíria local: “Torne a Venezuela legal de novo”.

O repórter como palhaço pode ser o estágio final da degeneração do jornalismo tradicional.

Caso Guaidó e seus supremacistas brancos tomem o poder, será a 68ª derrubada de um governo soberano pelos Estados Unidos, a maioria deles democracias.

Uma liquidação das riquezas minerais da Venezuela certamente se seguirá, juntamente com o roubo do petróleo do país, conforme descrito por John Bolton.

Sob o último governo controlado por Washington em Caracas, a pobreza alcançou proporções históricas. Não houve cuidados de saúde para aqueles que não podiam pagar. Não houve educação universal.

Mavis Mendez e milhões como ela não sabiam ler ou escrever. Isso é legal, Tom?

Fonte: Opera Mundi.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar