Publicidade

Diário Liberdade
Sábado, 13 Abril 2019 14:33

Mais além do folclore

Avalie este item
(0 votos)
Ilka Oliva Corado

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

Se tivéssemos dois dedos de frente e com isso a capacidade básica de raciocínio, entenderíamos que os Povos Originais são tudo e que devemos a eles, mesmo que tenhamos atingido o topo do ensino superior ou de falsificação: somos seres plásticos e aparências. Prioridades para muitos de nós que acreditam que somos outra paisagem que está muito longe da raiz da tensão da qual viemos.


Se ao menos a infinidade de leituras de livros de autores famosos que costumamos gabar nas redes sociais nos serviria alguma coisa. Se apenas a infinidade de destinos turísticos e viagens na primeira classe que costumamos nos orgulhar nas redes sociais nos serviria alguma coisa. Se os mestres, se os doutorados nos servirem mais do que para o cotovelo com pessoas que também gostam de nós, criam outra paisagem.

Se serviu como um bom gosto por boa comida e bebidas de luxo que costumamos orgulhar nas redes sociais, é bom gritar nos telhados que a nossa economia é estável e que podemos nos dar luxos que os outros não têm. Luxos em um mundo de plástico e aparências muito distantes da dos povos originais.

Se tudo isto fosse útil para algo, saberíamos que estamos perdidos, que nos lançaram ao fundo do abismo e que continuaremos a rolar sem parar num vazio sem fim, onde as massas amorfas que produzimos se transformam em sobreiro. Que somos as meadas, os bonecos, os fios que os outros se movem para sua conveniência, criando uma ilusão fantasmagórica do que é o progresso.

E acreditamos que eles têm um carro, que não têm loções finas, que não têm diplomas universitários, que não comem em restaurantes cinco estrelas, que não viajam na primeira classe, que não tiram férias ao redor do mundo, que não sorriem para parecer bem. , que não pretendem encaixar, que não se acotovelam, que não superam os outros, que não tentam vencer, que não se gabam de um prato de comida e que não conhecem o mundo das redes sociais, o de pretextos e o que eles dirão: são os ignorantes e manipuláveis.

Acreditamos que os rótulos são os que nos fazem, então passamos pela vida como: graduados, médicos, cientistas políticos, não sei o que e não sei quanto e que vai matar ... E nós somos o cúmulo da ignorância, porque se os rótulos eles serviriam como algo, saberíamos que estamos ferrados, que nunca fomos, que somos o produto de um sistema de classes que nos manipulou à vontade. Nós saberíamos que aqueles povos que nós vemos apenas como folclore são tudo. Saberíamos que nenhuma universidade nos ensinará tanto quanto a sabedoria daquelas mãos antigas, daqueles lábios que compartilham de poções de geração a geração, lendas, sistemas sociopolíticos, conhecimento ancestral que nenhuma educação superior pode igualar. Porque antes das universidades, dos automóveis, dos aviões, das invenções desse mundo de aparências e de compra-venda, os Povos Originais já existiam.

Se tivéssemos humildade, gratidão, compreensão e um coração aberto, aprenderíamos muito com eles porque não havia, não há e não haverá pessoas tão capazes, humildes, inteligentes, honestas e solidárias quanto as dos Povos Originais. E deste lado, nessa paisagem distante, longe do estoque, onde somos medíocres e arrogantes, onde os títulos enxameiam, rótulos, fotografias com filtros, a barbárie das redes sociais, nunca teremos o nível de consciência de solidariedade ou de conhecimento que os Povos Originais têm.

Nós passaremos, insignificantes, como partículas de poeira na imensidão da atmosfera e do tempo e, elas permanecerão. Não, eles não precisam de nós, são auto-suficientes, ao contrário, somos apenas bonecos de plástico que, com o calor do derretimento, são permanência e origem. Espero que antes que seja tarde demais para nós, um dia aprendamos a ser gratos e aprendamos a vê-los além do folclore que esse sistema racista e classista nos impôs. Outra humanidade que nós seríamos.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar