Publicidade

Diário Liberdade
Sexta, 01 Dezembro 2017 19:01 Última modificação em Quinta, 07 Dezembro 2017 16:33

A repressão do governo de Macri contra os povos autóctones

Avalie este item
(1 Voto)
País: Argentina / Resenhas / Fonte: RHC

[Maria Josefina Arce] O governo do presidente Maurício Macri na Argentina tem muitos desacertos. Sua política neoliberal ataca o direito dos argentinos de viverem dignamente. Os povos autóctones também pagam as consequências dessa política e, como se não bastasse, são perseguidos e despejados de suas terras para que lá sejam estabelecidas empresas estrangeiras.

Todos sabem do confronto entre os mapuches e a empresa italiana BENETTON. Seu dono, Luciano Benetton, despejou os índios mapuches de muitas de suas terras na Patagônia argentina, onde existe a maior concentração de hectares em poucas mãos.

Luciano Benetton, dono de 900 mil hectares de terras, é tido como um dos reis da Patagônia, reserva de recursos energéticos e minérios.

O fato é que o território mapuche é estratégico em termos econômicos e geopolíticos. Desperta o interesse não só do empresariado argentino, mas também do mundo. Além disso, os norte-americanos querem estabelecer uma base militar nesse lugar. Lá tem gás, petróleo, minérios, recursos florestais e aquíferos, a partir dos gelos continentais.

A feroz repressão praticada pela polícia contra a comunidade Pu Lof no departamento de Cushamen, na fronteira noroeste de Chubut - em consequência da qual acabou morrendo o jovem Santiago Maldonado - aconteceu dentro das terras que pertencem, hoje, a Benetton.

Maldonado participava de um protesto dos mapuches na defesa de seus direitos ancestrais sobre esses territórios e a polícia atacou os manifestantes. O caso abalou a sociedade argentina, mesmo assim a violência contra as comunidades indígenas não se aplacou.

À morte de Maldonado, se somou, nos últimos dias, a de um jovem mapuche, assassinado pela polícia nos arredores do Lago Mascardi, em Bariloche. Balas de chumbo dispararam os policiais contra os moradores que se recusavam a abandonar suas terras ancestrais.

Em comunicado, o Conselho Nacional Indígena repudiou a repressão e a perseguição dos combatentes das diferentes organizações territoriais, comunidades e movimentos sociais.

As comunidades autóctones pediram ao Governo que declarasse a cessação imediata das hostilidades e acatasse o disposto no Convênio Internacional 169 da Organização Internacional do Trabalho em proteção dos povos indígenas.

Acontece que há muitos interesses em jogo e, como todos sabem, Macri governa em benefício dos ricos. A dirigente mapuche Moria Millán denunciou que as autoridades colocaram a polícia à disposição dos multimilionários donos da Patagônia, para defender suas propriedades. Quem paga a polícia é o governo. Enquanto isso – disse a dirigente mapuche – falta dinheiro para a saúde, a moradia, a educação, para os direitos básicos de todos os argentinos.

É verdade que o problema mapuche é antigo, mas sob o governo de Macri se intensificou a perseguição contra os povos originários, aos que pretendem mostrar como se fossem delinquentes e terroristas para criar uma imagem negativa na sociedade e assim justificar seus crimes contra essas comunidades para proteger os interesses dos ricos.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar