Publicidade

Diário Liberdade
Segunda, 22 Janeiro 2018 12:58 Última modificação em Sábado, 27 Janeiro 2018 17:47

Guatemala e Israel, uma longa e sanguinária história

Avalie este item
(0 votos)
País: Guatemala / Direitos nacionais e imperialismo / Fonte: O Diário

[Maurice Lemoine] A Assembleia Geral da ONU condenou o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel pela administração Trump.

Os EUA conduziram uma vergonhosa campanha de intimidação e chantagem tentando condicionar esse voto. Conseguiram que vários países se abstivessem ou não participassem na votação. E tiveram de novo ao seu lado por exemplo a Guatemala, cuja associação com o regime de Israel deixa nesse país um rasto de sangue em tudo semelhante ao da tragédia do povo palestino.

Uma larga maioria de 128 países membros das Nações Unidas – num total de 193 – condenou em 21 de Dezembro de 2017 o reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel declarado pelo presidente dos EUA Donald Trump. O texto da resolução retomava, nas suas grandes linhas, o projecto aprovado por 14 dos 15 membros do Conselho de Segurança, em que os EUA se viram obrigados a recorrer ao veto para impedir que fosse adoptado.

Tentando evitar uma condenação massiva por parte da comunidade internacional, Washington tinha multiplicado antes as ameaças e pressões. Assim, 35 países abstiveram-se e 21 consideraram prudente não participar na votação. Entre os abstencionistas, a Casa Branca contou com a “solidariedade passiva” de alguns países do continente: México, Argentina e Canadá. Mas houve, naturalmente, “sete grandes potências” totalmente alinhadas com Washington e Tel Aviv e dizendo presente: Ilhas Marshall, Micronésia, Nauru, Palau, Togo e, sobretudo, do tradicional “pátio das traseiras”, Honduras e Guatemala.

Nada surpreendente o caso de Honduras, onde Juan Orlando Hernández (JOH) acabava de se proclamar reeleito numa eleição presidencial de tal forma escandalosa que a própria OEA protestou as irregularidades verificadas.(1) Trump, pelo contrário – e contra todas as evidências – reconheceu a “vitória,” pelo que JOH servilmente retribuiu. No registo das “alianças dúbias e dos compromissos absolutos”, o seu homólogo guatemalteco Jimmy Morales comportou-se, naturalmente, ainda melhor: anunciou em 24 de Dezembro que irá imitar Washington transferindo a sua embaixada, de Herzliya (uma zona de Tel Aviv) para Jerusalém, desafiando o voto de condenação da Assembleia Geral da ONU.

Tal como Honduras, a Guatemala encontra-se numa posição de grande fragilidade face ao possível mau-humor da Casa Branca e do Departamento de Estado. Ainda que modesta e destinada sobretudo às forças de segurança e repressão, a ajuda de Washington é vital para este país abandonado. Além disso, milhões de guatemaltecos que residem mais ou menos legalmente no território dos EUA, permitindo a sobrevivência dos seus compatriotas graças às remessas, estão ameaçados de expulsão. Quase 40.000 destes emigrantes foram repatriados à força em 2017.

Finalmente, e tal como JOH, Jimmy Morales está envolvido em alguns escândalos que, só por si, o podem conformar à mais pragmática das submissões. Por encargo das Nações Unidas uma comissão internacional contra a impunidade na Guatemala conduz, desde 2015, uma “santa cruzada” contra a corrupção. E não sem resultados: em 2015 a comissão fizera destituir e encarcerar o presidente Otto Pérez Molina e a vice-presidente Roxana Baldetti por apropriação indevida.

Jimmy Morales, por seu lado, depois de ter assumido a chefia do Estado, evidenciou-se por algumas “pérolas.” Em Novembro de 2017, por exemplo, descobriu-se que recebia todos os meses das forças armadas, com total discrição, um alegado “prémio de risco” de 7.300 dólares (um acréscimo irregular de 33% no seu salário). Logo depois uma outra revelação veio perturbar a opinião pública: a campanha da Frente de Convergência Nacional, de que era candidato, fora financiada em 800.000 dólares com fundos ilegais. A procuradora-geral Thelma Aldana e a CICIG requereram que fosse suspensa a sua imunidade, permitindo levá-lo a julgamento, e Morales (cujo irmão e um dos filhos estão presos por terem emitido facturas falsas), apoiado pela extrema-direita e por ex-militares, replicou declarando persona non grata e pretendendo expulsar o jurista colombiano Iván Velásquez, chefe da CICIG, decisão que provocou forte reacção nacional e internacional e que o Tribunal Constitucional guatemalteco rejeitou e anulou. Num tal contexto, não é de forma nenhuma secundário para este chefe de estado centro-americano atrair a simpatia de Trump.

Mas a decisão de transferir a embaixada guatemalteca para Jerusalém não responde apenas a esta preocupação. Ao anunciá-la, Jimmy Morales informou de um diálogo telefónico com o primeiro-ministro israelita Benjamin Netanyahu no decurso do qual ambos os presidentes tinham sublinhado as “excelentes relações” que existem entre os dois países “desde que a Guatemala apoiou a criação do Estado de Israel.”

Recordemos brevemente este episódio, que não é (para os guatemaltecos, entenda-se) o mais importante. O facto é que este pequeno estado da América Central foi o segundo (logo após os EUA) a reconhecer e existência de um “Estado hebraico” em território palestino em 14 de Maio de 1948.

Na origem desta presença nos primeiros tempos das convulsões no longínquo Médio Oriente está um diplomata progressista (ou pelo menos reformista), Jorge Garcia Granados. Filho mais novo de um chefe de Estado preso e torturado pela ditadura de Jorge Ubico, exilado no México, Granados combate nas fileiras republicanas na guerra civil espanhola antes de se associar à “Revolução de Outubro” que, em 1944, consegue que Juan José Arévalo se torne o primeiro presidente democraticamente eleito da Guatemala.

Atento ao controlo colonial de Londres sobre a vizinha Honduras britânica (hoje Belize), território historicamente reivindicado pela Guatemala, Granados, membro do Comité Especial para a Palestina nomeado pelas Nações Unidas em Maio de 1947(2) encarava favoravelmente o fim do mandato britânico sobre esse território e, tal como a maioria dos membros da Comissão, recomendou a sua partilha entre um Estado árabe e um Estado hebraico (que poucos meses depois se tornaria Israel), com um estatuto internacional especial para Jerusalém, sob a autoridade administrativa da ONU(3). Independentemente do que possa pensar-se do que se passou depois, nada disto tem a ver com as recentes iniciativas de Trump e depois de Jimmy Morales que, em finais de Dezembro de 2017, espezinharam os mais elementares direitos dos palestinos.

Após as eleições de 1944, a Guatemala vive 10 anos de “primavera democrática” sob as presidências de Juan José Arévalo (1945-1951) e Jacobo Árbenz Guzmán (1951-1954). O derrubamento deste último através de um golpe de Estado organizado pela companhia bananeira norte-americana United Fruit (UFCº), hostil à reforma agrária, e pelo seu braço armado da CIA, marcam o início de uma tragédia da qual Granados apenas conheceu o princípio, dado que morreu em 1961.

Pouco tempo depois, sob a presidência de Julio César Méndez Montenegro (1966-1970), o coronel Carlos Manuel Arana Osorio – alcunhado “o chacal de Zacapa” – com o apoio de instrutores e de boinas verdes estado-unidenses, dirige uma campanha de repressão sem precedentes contra as organizações de esquerda, obrigadas a refugiar-se na clandestinidade. Transformado em general e assumindo o poder em 1970, Arana Osorio declarou-se decidido a, “se necessário para restaurar a paz civil, transformar o país num cemitério.” Entre 1970 e 1978, 20.000 guatemaltecos pagaram esta filosofia com a vida.
Apesar da convergência de interesses entre a nova oligarquia militar e as multinacionais estado-unidenses (Hanna Mining, Del Monte, Standard Brands – nova designação da UFCp), a amplitude e os métodos da repressão, as violações maciças e repetidas dos direitos humanos – 150 pessoas foram assassinadas a sangue frio na praça central da cidade de Panzos – levaram o presidente Jimmy Carter a suspender a ajuda militar dos EUA. A partir de então será a “diplomacia Uzi” (referindo-se à potente e célebre espingarda de assalto israelita) a assumir um papel preponderante.

A assistência militar israelita à Guatemala iniciara-se oficialmente em 1971. A partir de 1975 o estado terrorista fornece aviões Aravaet e diversos tipos de armamento – canhões, armas pessoais – cuja venda os EUA tinham suspendido. Quando em 1977 Carter suspende totalmente a venda de armas, Tel Aviv assume definitivamente a iniciativa.

O general Lucas Garcia foi “eleito” em 1978 de forma manifestamente fraudulenta e com uma taxa de abstenção de 63,5%. Isto desencadeou o aparecimento da guerrilha. Em 1975, em primeiro lugar na região de Ixcán, tinha surgido o Ejército Guerrillero de los Pobres (EGP), cujo núcleo inicial tinha participado numa sublevação anterior antes de se refugiar no México. Em 1979 surge a Organización Revolucionária del Pueblo en Armas (ORPA).
O poderoso lobby guatemalteco “Associación de los amigos del país” investe várias centenas de milhares de dólares no Partido Republicano com contributo para a campanha eleitoral de Ronald Reagan. Para além dos interesses estratégicos de Washington, o poder económico conquistado pelos militares guatemaltecos (33% da região petrolífera de Petén pertencia-lhes), juntamente com o da tradicional oligarquia nacional, oferecia maiores possibilidades aos interesses das empresas estado-unidenses.

Quando, no segundo semestre de 1981, o general Benedicto Lucas lançou uma ofensiva geral contra os guerrilheiros a repressão, mesmo no plano militar, atinge os sectores mais moderados da sociedade, incluindo a democracia cristã. Uma primeira fase de “pacificação” provocou o massacre e a destruição de mais de 200aldeias indígenas consideradas bases de apoio da insurreição armada. Este período de controlo total da população provocou cerca de 20.000 mortos, a fuga de cerca de 100.000 camponeses que em grande parte se refugiaram no sul do México, um milhão de desalojados e a militarização da administração do Estado.

Desempenhando, segundo o general Benedicto Lucas, um “trabalho fantástico”, dezenas de conselheiros militares israelitas apoiaram o serviço de informações guatemalteco, o sinistro G-2, e organizaram um sistema informático que permitia o controlo de 80% da população. Graças aos computadores fabricados em Israel, analisando os consumos nocturnos de água e electricidade na cidade de Guatemala, o exército guatemalteco descobre e destrói em 1987 vinte e sete esconderijos das organizações revolucionárias. Para além da construção de uma fábrica de armamento na província de Alta Verapaz por parte da Eagle Military Gear Overseas, a ajuda israelita inscreve-se no “programa de pacificação rural”, responsável pela morte de milhares de camponeses pertencentes aos povos maias. Este sinistro plano é – segundo o seu responsável, o coronel Eduardo Walhero - directamente inspirado no Programa Nahal – “Jovens Pioneiros Combatentes” – destinado a formar jovens soldados nas técnicas agrícolas para os instalar nas áreas fronteiriças do Estado israelita.
A imposição do general Aníbal Guevara, vencedor em 1982 de uma das mais fraudulentas eleições da história do país, leva ao golpe de Estado do general Efraín Ríos Montt, especialista em contra-insurreição e candidato expulso da democracia cristã em 1974. Isto relança a ofensiva contra o movimento armado, então unificado na Unión Revolucionária Ncional Guatemalteca (UNRG). A estratégia “tortilha, tecto e trabalho” concentra a população em aldeias estratégicas segundo o modelo estado-unidense utilizado no Vietnam, com o recrutamento forçado dos índios em patrulhas civis de autodefesa (PAC). Com o slogan “espingardas e feijão”, estas patrulhas serviam fundamentalmente como carne para canhão – apenas 5% destes pseudomilitares estavam armados – e permitia controlar constantemente “265.000 camponeses” que segundo o exército “ajudavam a guerrilha.” Tudo isto sempre com a atenta ajuda de Tel Aviv quando, sob o regime de Ríos Montt, 18.000 camponeses foram massacrados, vítimas das piores atrocidades.

Enquanto as lutas populares triunfavam na vizinha Nicarágua, progrediam em El Salvador e em menor escala em Honduras, a Guatemala torna-se o centro de abastecimento – 30% das armas israelitas eram revendidas nesta zona – especialmente para os contra-revolucionários nicaraguenses (la contra).
“Os nossos dois países partilham os mesmos objectivos e os mesmos valores, como o pluralismo, os direitos humanos, a justiça social e o progresso económico”, declarou finalmente (sem se rir) Ronald Reagan em 13 de Janeiro de 1984, recebendo as credenciais do novo embaixador da Guatemala. Reestabelecida a ajuda militar de Washington, junta-se à de Tel Aviv, que não fora interrompida. Quando o conflito cessou, em 1996, a Comissão para a Clarificação Histórica (CEH) criada pelas Nações Unidas revelou que um milhão e meio de pessoas foram desalojadas e 200.000 mortas – 93% das quais vítimas dos grupos paramilitares e do exército. Ainda que a tragédia se tenha desenrolado ao longo de mais de três décadas, os picos de violência provocados pela estratégia de terra queimada registaram-se entre 1980 e 1983, sob os governos militares de Lucas García e Ríos Montt.

Capturado pela justiça do seu país, Ríos Montt, foi condenado “por genocídio e crimes contra a humanidade” (embora o Tribunal Constitucional guatemalteco se tenha apressado a anular o processo). Em 1982, o mesmo Ríos Montt. Tinha declarado ao diário espanhol ABC: “O nosso sucesso deve-se ao facto de os nossos soldados terem sido treinados por Israel.”

Duzentos mil mortos não podem comparar-se a seis milhões. Mas mesmo sendo assim, em pleno século XX, alguns anos apenas depois da revelação do crime absoluto do Holocausto, um genocídio continua a ser um genocídio. Uma monstruosidade que segundo Jimmy Morales e Netanyahu permitiu aos governantes dos dois países conservarem, no decurso destes anos de sangue, “excelentes relações”. Agora ara maior desgraça dos palestinos.

Fonte: http://www.marx21.it/index.php/internazionale/america-latina-e-caraibi/28701-guatemala-e-israele-una-storia-antica-e-sanguinaria

Notas:
1-«Au Honduras, le coup d’Etat permanent», Mémoire des Luttes, 5 de Dezembro 2017, http://www.medelu.org/Au-Honduras-le-coup-d-Etat
2- Nomeado pela ONU em 13 de Maio 1947, O Comité Especial das Nações Unidas para a Palestina (UNSCOP) era composto por representantes de onze Estados (Austrália, Canada, Guatemala, India, Irão, Países Baixos Peru, Suécia, Checoslováquia, Uruguai e Jugoslávia).
3- Uma vez proclamada a independência do Estado de Israel em 1948, Granados teria sido o primeiro diplomata a anunciar às Nações Unidas o reconhecimento de Israel por parte do suo país. Foi, em 1956, o primeiro embaixador de Guatemala.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar