Publicidade

Diário Liberdade
Quinta, 21 Junho 2018 04:14 Última modificação em Segunda, 25 Junho 2018 20:12

Ano novo andino começa hoje

Avalie este item
(1 Voto)
País: Peru / Cultura/Música / Fonte: Diário Liberdade

[Elaine Tavares] O sol: sagrado e poderoso

Hoje, dia 21 de junho, celebra-se o solstício de inverno no hemisfério sul. É quando os povos originários comemoram o ano novo em toda a franja latino-americana. Dia de reverenciar o sol, que era e ainda é considerado o deus maior. O sol. Tata Inti.

✍️ Inscreva-se em nosso canal no Youtube e acompanhe o programa Conexão Caracas, todos os sábados às 18h (de Brasília) direto da Venezuela 

Na região andina é onde esse momento é mais festejado e cujas cerimônias jamais saíram da lembrança ou das práticas cotidianas. Tanto que o Inti Raymi (Festa do Sol) é a festa mais importante do ano e acontece sempre no solstício para reverenciar Inti, o deus mais importante das culturas Aymara e Quéchua. A cerimônia é realizada no dia 24, na fabulosa  fortaleza de Sacsayhuamán, que fica pouco mais de dois quilômetros de Cusco, no Peru.

Durante a época dos incas, o Inti Raymi era o mais importante dos quatro grandes festivais celebrados em Cusco, e marcava o início do ano andino. Naqueles dias o festival durava nove dias com muita festa, dança e rituais de sacrifício. O último Inti Raymi realizado com a presença do Imperador Inca, foi em 1535. A cerimônia era na praça Aucaypata, hoje chamada de Plaza de Armas, no centro de Cusco, e toda a cidade vinha assistir e participar. Segundo relatos da época a população chegava aos 100 mil habitantes.

De todos os lugares vinham os curacas (chefes de aldeia) e os sacerdotes. E nos três dias que antecediam a festa só comiam milho branco, cru, algumas ervas e água. Também não acendiam fogo e não tinham relações sexuais. Era um período de purificação. As sacerdotisas do sol, as acllas, preparavam pãezinhos de milho que seriam distribuídos às gentes. No dia da festa o Inca e seus parentes vinham para a praça, descalços, a espera do sol. Ajoelhavam-se e jogavam beijos para Inti enquanto ele despontava no horizonte. Depois bebiam chicha e derramavam uma parte em honra do deus. Em seguida seguiam para o Corincancha, ou Qorikancha, o "Templo do Sol", onde faziam adorações. Os curacas faziam fila para entregar as oferendas que haviam trazido de suas aldeias e então todos seguiam de volta para a grande praça onde sacrificavam animais, cujas carnes eram repartidas entre os presentes. Acendiaa-se o fogo do ano novo que queimaria no templo até o Inti Raymi seguinte.

A festa dos incas dos proibida em 1572 pelo Vice-Rei Francisco de Toledo, que não tolerava qualquer cerimônia que não fosse cristã. Mas, entre os originários a cerimônia seguiu sendo praticada às escondidas durante séculos, até que em 1944 voltou a ser realizada em céu aberto, reconstruída historicamente por Faustino Espinoza Navarro a partir de textos do cronista Inca Garcilaso de la Veja. Desde aí, todos os anos, as gentes originárias se encontram em Cusco, para reverenciar Inti.

É fato que a festa adquiriu um caráter bastante turístico e acaba sendo um grande espetáculo. Mas, quem já caminhou pelas ruas de Cusco e conheceu sua gente sabe, que enquanto os turistas se embriagam com as cores e os ritos espetacularizados, o povo originário refaz seu caminho de encontro com Inti, bem no fundo de sua alma ancestral. O Inti Raymi é um momento de profunda beleza e de introspectiva reflexão.

Feliz ano novo a todos nós, filhos e filhas do sol!

Jallalla! Kausachun, Inti!

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar