Publicidade

Diário Liberdade
Sexta, 25 Janeiro 2019 12:50 Última modificação em Quarta, 30 Janeiro 2019 17:09

O roteiro da agressão contra a Venezuela

Avalie este item
(0 votos)
País: Venezuela / Direitos nacionais e imperialismo / Fonte: Prensa Latina

[Luis Beatón] Após anos de fracassos contra a Revolução Bolivariana na Venezuela, Estados Unidos introduziu variantes em seus planos de agressão ao apostar pelo reconhecimento do opositor Juan Guaidó como o legítimo presidente interino do país sul-americano.

'Os cidadãos da Venezuela têm sofrido durante muito tempo nas mãos do ilegítimo regime de Maduro', escreveu Donald Trump no Twitter, o que analistas entendem como um passo que se aproxima da agressão militar contra um Governo eleito nas urnas.

A mensagem de Trump foi uma ordem para a esquadra integrada por Canadá, Brasil, Colômbia, Chile, Peru, Equador, Argentina, Paraguai e Costa Rica, entre outros, que se uniram ao desconhecimento do voto dos venezuelanos ao eleger Maduro.

Eric Farnsworth, ex-diplomata dos Estados Unidos e vice-presidente do Conselho das Américas, opinou que o movimento de Guaidó e o rápido reconhecimento de Trump foi 'um ponto de inflexão claro', o que para alguns especialistas é o mesmo que uma luz verde aos tratamentos agressivos.

O anúncio do presidente constitucional da Venezuela, Nicolás Maduro, de romper relações diplomáticas com Washington era de se esperar e põe os venezuelanos em pé de guerra para enfrentar a 'todo custo' o que pode vir, segundo afirmou o governante.

'Estamos defendendo o direito à própria existência de nossa República Bolivariana', sublinhou Maduro.

As ações agressivas atingem hoje sua máxima expressão e neste momento muitos perguntam-se se a Casa Branca tem opções melhores que Maduro dentro de uma direita fragmentada, carente de propostas e de liderança crível.

Neste cenário, a Assembleia Nacional em desacato, algo que nunca quiseram arranjar, abriu o caminho para uma conjuntura imprevisível e com uma leitura repisada da Constituição da República Bolivariana da Venezuela empurrou interpretações contrárias aos princípios fundamentais da norma no caso de Guaidó.

Especialistas legais afirmam que a Constituição da República não prevê nenhuma suposição de vazio de poder e que no caso de faltas absolutas projeta um esquema no qual colaborando os poderes se dá a continuidade da República.

E que também não existe possibilidade do Poder Legislativo se converter no Poder Executivo nem muito menos no Poder Judicial e isto não é uma cláusula nova mas o conteúdo da doutrina da separação dos poderes, algo que defendem os venezuelanos.

A última ofensiva dos Estados Unidos e seus aliados na América Latina pressagia o pior para a Venezuela e para a região em seu conjunto, segundo indica a evolução dos acontecimentos.

O real é que há uma crise fabricada na Venezuela, inclusive o próprio Governo constitucional chama ao diálogo e à necessidade de integrar os setores da oposição mas, essa não é a carta que convém à administração de Trump, cujos membros apostam por um governo que responda aos seus interesses, especialmente petroleiros.

As causas da instabilidade são múltiplas, mas centram-se no conflito entre uma oposição que recorreu ao golpismo para se opor às transformações da revolução bolivariana e aliou-se a Washington e à direita regional.

Este cenário propõe duas saídas aos venezuelanos: o diálogo ou a intervenção armada, via golpe duro, brando, invasão estrangeira ou como queiram chamar os planos agressivos.

A oposição alimentada pela Casa Branca quebrou em 2018 um acordo para realizar as eleições presidenciais do ano passado com a participação de toda a oposição.

República Dominicana foi testemunha dessa tentativa que o dirigente opositor Julio Borges, com provável indicação da Casa Branca, lançou ao mar, pois este acordo não estava no roteiro do Departamento de Estado norte-americano.

Aí entrou o Grupo de Lima, que junta os governos de direita da região e promove o desconhecimento do governo bolivariano e uma solução de força, que exclua o chavismo e instaure um governo pró-ianque na Venezuela.

Há vários meses, a visita de Kurt Tidd, chefe do Comando Sul dos Estados Unidos, à Colômbia, despertou suspeitas e levou alguns a opinarem que a ordem de atacar a Venezuela já estava dada.

O general Tidd chegou à Colômbia apenas dois dias após o secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, se reunir com o então presidente Juan Manuel Santos em terras neogranadinas, para ajustar planos contra as autoridades de Caracas, entre eles ordenar o fracasso do diálogo que devia concluir com a assinatura do acordo de convivência pacífica em Santo Domingo.

A mesa contra a Venezuela estava servida e como afirmou o acadêmico e analista venezuelano Sergio Rodríguez Gelfestein: Se aceitamos a conhecida máxima de Von Clausewitz de que 'a guerra é a continuação da política por outros meios', à qual Lenin acrescentou '...por meios violentos', teríamos que afirmar que como se diz em termos militares: 'a ordem de combate foi dada'.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar