Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Quarta, 13 Março 2019 17:11

Venezuela e Cuba, um mesmo alvo da agressividade estadunidense

Avalie este item
(1 Voto)
País: América Latina / Direitos nacionais e imperialismo / Fonte: Prensa Latina

[Rachel Rivero] O governo dos Estados Unidos impulsiona uma agenda ingerencista e de dominação na América Latina, que tem Venezuela e Cuba como alvos principais dessa agressividade.

Venezuela enfrenta o mesmo processo de hostilidade que Cuba passou desde o triunfo revolucionário de 1 de janeiro de 1959, e agora Washington o recrudesce ainda mais contra ambos países, sublinhou a deputada da Assembleia Nacional do Poder Popular, Mariela Castro Espín.

Em declarações à Prensa Latina, advertiu que os Estados Unidos retomam publicamente o discurso da Doutrina Monroe: 'América para os americanos', um argumento de dominação regional que nunca abandonou e somente sobrepôs por um curto período.

De acordo com Castro Espín, a atual administração da Casa Branca sente-se abertamente dona do mundo e tem demonstrado sua disposição de cometer qualquer barbaridade contra a irmã nação bolivariana.

A esse respeito, assinalou que Washington age com impunidade, porque não existem mecanismos internacionais que consigam conter essa avalanche de exercício desmedido de poder da força e da ameaça de seu uso.

A parlamentar apontou que se continuar conquistando os recursos naturais de outros povos, com o custo de um profundo sofrimento humano, acabarão com as riquezas dessas nações.

VENEZUELA E A GUERRA PSICOLÃ'GICA

O governo liderado por Donald Trump busca com as operações da guerra psicológica encher as redes sociais de notícias falsas, como parte do assédio contra a Venezuela, denunciou.

'As campanhas criadas pelos meios de comunicação desacreditam líderes revolucionários e os convertem em ditadores e terroristas', acrescentou em alusão ao complexo cenário no país sul-americano, onde Washington aposta por uma mudança de governo.

Mariela Castro Espín recordou que Venezuela é um dos países mais ricos quanto a recursos da América Latina e do mundo, ao possuir as primeiras reservas provadas de petróleo do planeta, além de outras riquezas naturais.

A também sexóloga e diretora do Centro Nacional de Educação Sexual (Cenesex) sublinhou que Cuba viveu uma guerra psicológica similar, no empenho de apagar o exemplo que representou e representa sua revolução.

Em grande parte, essa hostilidade do imperialismo norte-americano tem como denominador comum a tentativa de fazer fracassar a experiência revolucionária.

Paralelamente, acrescentou que é sumamente importante que os movimentos de esquerda e as organizações políticas e sociais continuem o apoio à Revolução Bolivariana e ao presidente constitucional da Venezuela, Nicolás Maduro.

'Estados Unidos encarrega-se de criar uma desestabilização social na nação sul-americana e de mostrar que na Venezuela o que há é uma ditadura, um sofrimento e uma escassez gerada por este governo progressista', insistiu.

A ponta de lança de Washington contra Caracas tem sido uma alegada crise humanitária, a partir da qual busca uma intervenção militar apoiada na suposta necessidade de proteger os direitos humanos, fórmula que empregou anteriormente contra a Síria, a Líbia e o Iraque.

Outra das manobras estadunidenses foi o reconhecimento do autoproclamado presidente interino Juan Guaidó, o que Castro Espín qualificou de uma falta de respeito com o povo venezuelano, porque se trata de um fantoche do governo da Casa Branca que fomenta a guerra psicológica.

UMA ESTRATÉGIA REPETIDA

Cuba e Venezuela enfrentam a mesma estratégia, com componentes como o estímulo às crises migratórias, fazendo crer que se fugia do que chamam 'experiência comunista', assinalou.

Segundo Castro Espín, o roteiro imperialista contra Caracas apela a aplicar a política do isolamento, pressionando outros países para que se voltem contra Venezuela, o que fizeram antes com Cuba.

Além disso, expressou que apesar de todas as agressões com as quais lidou o povo cubano, a unidade foi o fator de resistência mais importante, baseada nos valores e princípios para a defesa da Revolução.

No caso da Ilha, recordou agressões como a de Praia Girón (1961), o estímulo aos grupos criminosos nos anos 60, a introdução de doenças contra pessoas, plantas e animais, e o terrorismo de Estado, que foi derrotado com o povo e a liderança de Fidel Castro, o que deu uma grande força para resistir às situações complexas que se avizinhavam, afirmou.

Mariela Castro Espín enfatizou a importância da experiência cubana, de um povo que cresceu perante a adversidade e seguiu se desenvolvendo em todas as esferas da sociedade, no esporte, na saúde, na educação, na cultura, na ciência, sem deixar de pôr o ser humano como centro dos objetivos do progresso.

EUA INTENSIFICA O BLOQUEIO CONTRA CUBA

O bloqueio econômico e a perseguição financeira são outras armas da hostilidade dos Estados Unidos contra os governos que não aceitam se subordinar.

Esta política busca render os povos, uma situação que Cuba tem enfrentado durante décadas, mas a Casa Branca não tem consciência do nível de maturidade que alcançou a nação caribenha nestes 60 anos de revolução, opinou.

A deputada denunciou o impacto das medidas contra a Ilha, com um dano acumulado até março passado de 933.678 bilhões de dólares, levando em conta a depreciação dessa moeda frente ao valor do ouro no mercado internacional.

Em momentos em que os Estados Unidos recrudescem o cerco, com ameaças de aplicar o Título III da Lei Helms-Burton, que intensifica o bloqueio, acrescentou que o governo e o povo cubanos juntos rechaçam a nova escalada.

Com a aplicação desse título, a Casa Branca pretende asfixiar a economia da maior das Antilhas, atacando o investimento estrangeiro com uma marcada visão extraterritorial.

'Todo este cenário que montam pertence, como mencionava antes, ao empenho de materializar a Doutrina Monroe para a completa dominação hegemônica na América Latina', apontou.

A legisladora advertiu que Cuba vive uma hora de mudança na liderança histórica, que vai saindo, e entram as novas gerações de revolucionários assumindo as responsabilidades públicas, e Washington quer provar se resistirão igualmente como fez Fidel Castro.

'Logo verão a resposta de nosso povo e de nossos líderes, nós sim a sabemos, eles que a adivinhem', sentenciou.

Rachel Rivero é estudante de jornalismo inserida na Redação Nacional da Prensa Latina.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar