Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Domingo, 07 Mai 2017 08:11 Última modificação em Domingo, 07 Mai 2017 13:56

Latifúndio manda assassinar mais uma líder camponesa no nordeste paraense

Avalie este item
(0 votos)
País: Brasil / Repressom e direitos humanos / Fonte: A Verdade

A trabalhadora rural e líder do assentamento “Primeiro de Janeiro”, Kátia Martins, foi mais uma vítima do latifúndio

no estado do Pará. Na noite da última quinta-feira (04/05), quando chegava em casa com seu neto, após uma reunião da Associação de Agricultores Familiares (da qual era presidente), dois homens em uma motocicleta a emboscaram e assassinaram com diversos tiros.

A única reação de Kátia, no momento da abordagem, foi pedir pela vida do neto, demonstrando um profundo altruísmo ao defender a vida de uma criança. O município de Castanhal é uma das principais áreas de agropecuária do estado, distando apenas 130 quilômetros da capital, Belém.

Castanhal e seu entorno, a despeito do peso da agropecuária, é uma das áreas com grande organização de trabalhadores rurais, e o assentamento da qual Kátia fazia parte, no km 20 da rodovia PA-127, já existe há mais de 5 anos. O ódio dos latifundiários da região contra o avanço das lutas no campo levou mais uma mulher trabalhadora a ter sua vida roubada pela ganância do lucro e da propagação do ódio.

Os números da violência no campo aumentaram com mais este assassinato, com a impunidade dos mandantes e executores tornado-se rotina. As mortes provocadas por conflitos agrários vêm recrudescendo nos últimos anos no estado do Pará. Segundo dados da Comissão Pastoral da Terra, em 2014 ocorreram 36 mortes, subindo para 50 em 2015, enquanto que no ano passado foram registradas 61 mortes.

Para pôr fim a esse estado policial, banditista e fascista, é necessária uma profunda organização popular, tanto na cidade quanto no campo, com o objetivo, por meio da ocupação dos espaços políticos, econômicos e militares, destituir toda o grupo parasita que se assenhora do poder desde os tempos de Brasil colônia. Não há outro caminho, e, para evitar mais covardes assassinatos como o de Kátia, precisamos transformar nosso país.

Redação Pará

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: diarioliberdade [arroba] gmail.com | Telf: (+34) 717714759

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar