Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Quinta, 22 Junho 2017 22:43 Última modificação em Segunda, 26 Junho 2017 11:23

Criticam posição ambígua de centrais em relação à greve geral

Avalie este item
(1 Voto)
País: Brasil / Laboral/Economia / Fonte: Diário Liberdade

Nesta sexta-feira (23), as centrais sindicais do País realizarão nova reunião para entrar em um acordo que possa concretizar o dia 30 de junho como dia de uma verdadeira greve geral que paralise milhões de trabalhadores contra as políticas antipopulares do governo golpista de Michel Temer, tais como as reformas trabalhista e previdenciária.

Entretanto, centrais controladas por pelegos, como a Força Sindical do deputado direitista Paulinho da Força, procuram diminuir a força da mobilização da classe trabalhadora. Buscam transformar a nova greve geral em dia de protestos esparços com pouca combatividade.

O presidente do PCO, Rui Costa Pimenta, comentou que é positiva a convocação de uma segunda greve geral, mas a mobilização operária está estagnada, uma vez que o ato será no dia previsto para a votação da reforma trabalhista. Ele critiou a convocação para uma sexta-feira, ao invés de fazer uma greve geral de dois dias.

"Se fosse chamada uma segunda greve geral de 48 horas, estaríamos assinalando para toda a população e o governo que está se desenvolvendo um movimento no sentido da ampliação da luta", declarou.

Ele também denunciou o peleguismo da Força Sindical, que tenta enfraquecer o movimento dos trabalhadores e negociar as reformas.

Diana Assunção, do MRT, escreveu no site Esquerda Diário que CUT e CTB também adotam uma política vacilante e indecisa sobre os rumos da luta e que elas não devem ser coniventes "com a traição já declarada da Força Sindical e UGT".

Por outro lado, o presidente da CUT, Vagner Freitas, afirmou que não pode haver nenhuma saída negociada para as contrarreformas e convocou as centrais e sindicatos a aderirem à greve geral em 30 de junho.

“Apostamos na greve, no enfrentamento e na construção do dia 30. Suspender essa mobilização agora ajudaria o governo golpista no ataque aos trabalhadores e seus direitos”, declarou.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar