Publicidade

Diário Liberdade
Quarta, 28 Dezembro 2016 13:51 Última modificação em Sábado, 31 Dezembro 2016 17:16

Resolução da ONU: repercussão e o caráter terrorista do Estado de Israel

Avalie este item
(1 Voto)
País: Israel / Direitos nacionais e imperialismo / Fonte: Diário Liberdade

[Bruno Fuhr] A votação no Conselho de Segurança da ONU na última sexta-feira (23), que aprova a resolução que exige a interrupção da construção de assentamentos israelenses em território palestino, com 14 votos a favor e uma abstenção por parte dos Estados Unidos, que não utilizou o veto para barrar a resolução, uma decisão surpreendente por parte dos Estados Unidos, parceiros hitoricos de Israel e grande apoiador dos abusos por parte das autoridades israelenses contra palestinos.

A decisão da ONU gerou reação imediata de Israel e do presidente eleito dos Estados Unidos, Donald Trump.

O primeiro-ministro israelense, Benjamn Netanyahu declarou que a decisão foi vergonhosa e que pretende reavaliar os laços de Israel com as Nações Unidas. 

Israel, aprovou retaliações diplomáticas aos países autores da resolução e a prefeitura de Jerusalém sinalizou que pretende aprovar a construção de mais 600 casas na parte oriental da cidade, predominantemente palestina. 

Trump classificou a decisão da ONU como "uma grande derrota de Israel que fará com que seja muito mais dificil negociar a paz". 

Em discurso proferido nesta quarta-feira em Washington, o secretário de Estado norte-americano John Kerry afirmou que a única saída para a paz entre israelenses e palestinos é a solução de dois Estados, em defesa do posicionamento de Obama, Kerry afirmou que "nenhum governo fez tanto para Israel como o governo Obama". 

As invasões israelenses, favorecidas pela ajuda militar-financeira concedida pelos Estados Unidos, há decadas expulsa palestinos de suas casas e ocupa as terras de camponeses, que são violentamente reprimidos e classificados como "terroristas" quando tentam resistir de alguma forma. Israel controla 60% do territorio da Cisjordânia através de "requisições" dos terrenos por necessidades militares, a declaração ou o registro como terrenos do Estado e a desapropriação por "razões públicas". Na parte oriental de Jerusalém, residem em torno de 190 mil israelenses. 

A legislação internacional considera todos os territórios ocupados após a guerra de 1967 ilegais e avalia que essas ocupações estabelecem um grande obstáculo para a paz e para o estabelecimento de um futuro Estado palestino. Israel ignora totalmente a resolução 242 da ONU, que estabelece a retirada das forças militares israelenses dos territórios ocupados durante a guerra de 1967.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar