Publicidade

Diário Liberdade
Sexta, 24 Março 2017 14:26 Última modificação em Domingo, 26 Março 2017 20:13

Projeto de saúde eliminaria benefícios de maternidade nos EUA

Avalie este item
(0 votos)
País: Estados Unidos / Mulher e LGBT / Fonte: Prensa Latina

As mudanças no projeto de lei sobre a saúde pública promovidas pelos líderes da Câmara dos Representantes para obter o apoio dos congressistas mais conservadores poderiam eliminar a cobertura médica obrigatória para as grávidas.

Diante da oposição de mais de vinte congressistas republicanos e a proximidade de uma votação que deve ocorrer na noite desta quinta-feira (23), os gestores da proposta que procura derrubar e substituir o Obamacare se propõem a apagar uma lista de benefícios essenciais.

Para isso, propõem revogar, no regulamento atual, a disposição que obriga que as seguradoras cubram a maternidade, problemas de saúde mental e medicamentos receitados, de acordo com informações divulgadas pela rede CNN.

Há algum tempo, vários parlamentares conservadores defendem que as companhias de seguros deveriam ter a possibilidade de vender coberturas mais reduzidas, que não cubram serviços como a maternidade ou as mortes cerebrais.

Os consumidores escolheriam então que tipo de cobertura gostariam e os republicanos levariam o crédito de baixar os preços dos planos de saúde, mas os críticos desta ideia consideram que muita gente ficaria desprotegida em caso de doença repentina ou contrairia dívidas muito altas.

Apagar a disposição também debilitaria a proteção da lei para as pessoas com condições preexistentes, já que as seguradoras poderiam optar por excluir alguns dos serviços mais caros, fundamentais para os estadunidenses doentes.

Segundo a CNN, a liderança da Câmara de Representantes não incluiu esta medida no projeto que deve ser votado hoje porque com ela provavelmente se correria o risco de um bloqueio no Senado, ainda que estivesse compreendida em uma versão inicial filtrada no mês passado.

Um alto assessor citado pelo portal Politico.com manifestou que o presidente da Câmera, Paul Ryan, apoiaria a modificação se isso não significar que o projeto de lei será refreado em outra instância do Congresso.

Ao mesmo tempo, enquanto a introdução desta mudança ajudaria a ganhar os votos do Freedom Caucus, um dos grupos mais conservadores do legislativo, poderia afastar alguns moderados, cujo apoio também devem ser assegurados pelos membros do partido vermelho para ter sucesso.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar