Publicidade

Diário Liberdade
Terça, 25 Abril 2017 22:55 Última modificação em Sábado, 29 Abril 2017 17:51

Como irá o presidente dos EUA afetar os casinos online?

Avalie este item
(0 votos)
País: Estados Unidos / Resenhas / Fonte: Conteúdo contribuído

Quer se goste ou não, Donald Trump é o presidente dos EUA. Salvo quaisquer acontecimentos imprevistos, será esse o caso durante, pelo menos, os próximos quatro anos. Há muitas razões pelas quais as pessoas gostam ou não gostam do Trump, mas o foco aqui será seu impacto no jogo online. Pode-se olhar para várias pistas para determinar o que pode acontecer a seguir, mas uma pista destaca-se mais que as restantes, e provavelmente fornece a resposta para o futuro do jogo online.

Primeiro, vamos voltar a 2011, quando Trump fez o seguinte comentário à Forbes: "O jogo na Internet tem que acontecer porque muitos outros países o estão a fazer, e como de costume, os EUA estão apenas a perder".

Isso levaria a assumir que Trump é a favor dos jogos de azar na Internet. Também se pode pensar que é o caso porque Trump desempenha um grande papel na indústria do jogo com os seus casinos de Atlantic City. Essas são suposições lógicas, mas há muito mais na história.

Em relação a Atlantic City, Trump originalmente obteve a sua licença de jogo para Nova Jersey em 1982. Logo depois, ele abriu Trump Plaza Hotel & Casino. Em 1995, ele formou Trump Hotels & Casino Resorts. O negócio eventualmente faliu, mas Trump conseguiu arrecadar US $ 39 milhões, apesar da falência.

Esta é uma das muitas razões pelas quais o público está tão dividido acerca de Trump. Alguns acreditam que deve ser considerado um fracasso, enquanto que outros consideram o oposto.

Quando Trump Hotels & Casino Resorts falhou, o nome foi alterado para Trump Entertainment Resorts, que então se associou com o Ultimate Gaming para criar um site de poker de dinheiro real em 2013. A idéia era operar o site em conjunto com o Taj Mahal para que os jogadores pudessem combinar os seus pontos de recompensa. No entanto, de acordo com Ultimate Gaming, não ser capaz de usar o nome Trump limitou o potencial da marca, e as receitas e o fluxo de caixa foram mais fracos do que o esperado.

Ultimate Gaming teve que fechar depois de apenas 19 meses, também alegando que nunca foi pago pelo Taj Mahal por dois meses consecutivos, num total de US $ 1,5 milhões. É claro que Trump não se saiu bem no espaço de jogos online. O que não está claro é se deve ser considerado um fracasso, ou uma vitória, visto que ele conseguiu evitar o tema durante os debates presidenciais.

Recentemente, a Associated Press falou com Steve Norton - um consultor de casino. Norton disse, "Trump vai finalmente opor-se à aprovação nacional do jogo na Internet, em parte devido à oposição de Sheldon Adelson. Mas ele não vai tirá-lo de estados que já têm."

Esta é a chave para o mistério: Sheldon Adelson, CEO de Las Vegas Sands. Adelson financiou US $ 25 milhões na campanha Trump. Ele fez isso porque não queria competir pelos seus casinos ao vivo em Las Vegas Sands, e sabia que se apoiasse a campanha de Trump, este devolveria o favor.

Adelson anunciou que a sua resolução de Ano Novo era proibir o jogo online, e ele é uma das principais forças por trás do Restore America's Wire Act, também conhecido como RAWA. Isso levaria a uma proibição nacional do jogo online legal e regulamentado. Também anularia as leis estaduais, incluindo estados em que o jogo online é legal. É duvidoso que Trump iria tão longe, mas devido a esta relação, Trump não é susceptível de alterar os regulamentos de jogo online nos Estados Unidos.

A companhia de Adelson - Las Vegas Sands - está a sair-se bem. As ações valorizaram 15,80% nos últimos 12 meses, e as receitas e ganhos trimestrais aumentaram 7,50% e 9,30%, respectivamente, em relação ao mesmo período do ano anterior. No entanto, enquanto o tráfego de Las Vegas tem aumentado, menos de 50% dos visitantes joga, o que representa uma enorme mudança quando comparado a décadas anteriores, e também porque a população americana gosta de jogar e apostar, sendo um dos países com mais sorte em todo o mundo.

Naturalmente, a engenhosidade americana tem uma tendência para levar a um reconciliamento no futuro, mas Adelson não tem interesse em esperar, e ele não tem nenhum interesse em confiar demais em Macau (China). Se ele pode fazer com que Trump proíba o jogo online, então Adelson estará à frente da competição e a quota de mercado irá certamente voltar para os casinos ao vivo.

Dado tudo o que aconteceu e os enormes egos dos envolvidos, o cenário mais provável é que Trump não suporte os jogos de azar online, mas não se irá opor a estados que já o têm legalizado.

Porém, quando se trata de Donald Trump, nunca se pode descartar o inesperado. Ele fez uma carreira arranjando uma maneira de obter o que quer, independentemente de quem está no caminho.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: diarioliberdade [arroba] gmail.com | Telf: (+34) 717714759

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar