Publicidade

Diário Liberdade
Quinta, 22 Novembro 2018 12:21 Última modificação em Segunda, 03 Dezembro 2018 01:27

Governos imperialistas lançam campanha em defesa de islamistas chineses

Avalie este item
(0 votos)
País: China / Direitos nacionais e imperialismo / Fonte: Rede Voltaire

Os governos ocidentais lançaram, a 13 de Novembro de 2018, no Conselho de Direitos do Homem das Nações Unidas, uma campanha em apoio a islamistas chineses, dos quais alguns estão preventivamente internados em campos de reeducação.

No início da operação da OTAN visando colocar os Irmãos Muçulmanos no Poder em todos os Estados árabes, em 2010-11, a China Popular ---como certos países ocidentais--- facilitou a saída dos seus islamistas para o Médio-Oriente. Ela pensava assim, erradamente, livrar-se deles. Lentamente, deu-se conta que o remédio era pior do que a doença, servindo os islamitas, que partiram para combater na Líbia e na Síria, em modelos para novos recrutas em casa. Inúmeros atentados ocorreram então, não apenas nas regiões muçulmanas mas também em outras.

Até agora, os muçulmanos que viviam em Xinjiang beneficiavam de inúmeras isenções à lei geral. Eles podiam, por exemplo, ter vários filhos enquanto os outros Chineses apenas eram autorizados a ter um.

No passado, a CIA apoiava o separatismo uigur face aos Chineses da etnia Han, tal como ela apoiou o separatismo tchecheno face aos Russos étnicos. Hoje em dia ela apoia os jiadistas, o que é completamente diferente mesmo que o objetivo continue a ser enfraquecer Pequim e Moscovo.

Após o 19º Congresso do Partido Comunista, em Outubro de 2017, a China, incapaz de inculpar o Islão, começou a considerar que o problema do jiadismo não podia ser dissociado do próprio Islão. Os partidários do Islão político foram presos e forçados a períodos de reeducação. O seu número é impossível de avaliar: segundo algumas fontes situa-se entre 10.000 e 1.000.000.

O Partido Comunista acaba de exigir que todos os seus aderentes prestem um juramento de não praticar a dieta halal. De facto, a prática de alguns ritos muçulmanos tornou-se ilegal.

Uma comunidade chinesa de 18. 000 pessoas (falando turco), das quais pelo menos 5. 000 combatentes estacionam actualmente em Idlib (Síria). Ela beneficia do apoio dos Serviços Secretos turcos (membros da OTAN). A Síria e a Rússia aceitaram não atacá-la de momento, temendo a repatriamento de alguns deles. Assinala-se, igualmente, a chegada de inúmeros jiadistas chineses à Malásia, à Indonésia, à Tailândia, mas também às Filipinas, quando se acreditava que o problema estava resolvido.

Tradução
Alva

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar