Publicidade

Diário Liberdade
Segunda, 17 Dezembro 2018 19:06 Última modificação em Segunda, 31 Dezembro 2018 15:11

Classe trabalhadora contesta nova lei laboral "escravista" do governo da extrema-direita húngara

Avalie este item
(5 votos)
País: Hungria / Laboral/Economia / Fonte: Diário Liberdade

Governo ultrarreacionário de Viktor Orbán, no poder desde 2010, contestado nas ruas da Hungria pola classe operária.

Umha onda de protestos desafia o governo ultra-liberal, referente das extremas-direitas europeias, com milhares de trabalhadoras e trabalhadores enfrentando a repressom policial e dúzias de detençons e pessoas feridas.

Domingo decorreu umha grande mobilizaçom, de nom menos de 15 mil pessoas, convocada polos sindicatos e pola oposiçom de esquerda ao atual governo, que concluiu com repressom policial, incluindo gás lacrimogéneo contra os manifestantes nas redondezas da emissora de rádio e TV públicas, onde opositores pedírom a renúncia do primeiro-ministro e o fim do controlo político da informaçom.

A chamada "Lei dos escravos", que aumenta o número de horas extras de 250 para 400 horas anuais, incluindo fins de semana, dando às empresas três anos para pagar essas horas; o fim do chamado "ticket alimentaçom", subsidiado polo Estado, assi como outras ajudas públicas a setores empobrecidos estám na origem da reaçom popular.

Nom é a primeira ofensiva legislativa de Víktor Orbán contra os direitos dos trabalhadores e trabalhadoras nos últimos anos, tendo sido já duramente restrito o direito de greve e reduzidos os contributos fiscais exigidos às empresas. Além do mais, cerca de 600 mil trabalhadores e trabalhadoras já emigrárom da Hungria devido às condiçons económicas e políticas na última década.

Os protestos dirigem-se tambem contra a aprovaçom recente de umha nova corte jurídica, liderada polo ministro da Justiça Laszlo Trocsanyi (aliado de Orbán), substituta da Suprema Corte húngara e que irá amarrar de perto a administraçom de justiça.

Víktor Orbán fala de "provocadores e criminosos estrangeiros" para explicar a resposta popular, que desde 13 de dezembro vam em aumento, enquanto a UE europeia evita qualquer medida efetiva contra a deriva reacionária húngara, contando com a aliança do governo polaco, também de extrema-direita com presidência de Andrzej Duda, do partido Lei e Justiça (PiS).

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar