Publicidade

Diário Liberdade
Quinta, 28 Julho 2016 13:14

Parlamento de Israel aprova lei para cassar deputados acusados de ‘incitação contra Estado’

Avalie este item
(0 votos)
País: Israel / Institucional / Fonte: Opera Mundi

Lei ‘visa parlamentares árabes’ e ‘reflete políticas e manobras de um governo antidemocrático’, diz deputado opositor; Netanyahu comemorou aprovação.

O Knesset, Parlamento israelense, aprovou nesta quarta-feira (20/07) uma lei que permite a cassação do mandato de deputados com base em “incitação contra os interesses de Israel”. O projeto tem causado controvérsia no país e seus críticos afirmam que a lei tem como alvo parlamentares árabes e de oposição às políticas do governo chefiado pelo primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

De acordo com a lei, que foi aprovada com 62 votos a favor e 45 contrários, o Knesset pode cassar um parlamentar por “incitação ao racismo e apoio à luta armada contra o Estado”. Para o início do processo de cassação são necessários os votos de 70 dos 120 deputados no Parlamento israelense, inclusive 10 da oposição ao governo – o projeto original previa apenas 61 e não exigia o apoio de parlamentares da oposição. Já para a cassação, é necessário o apoio de 90 parlamentares.

Membros da coalizão de partidos árabes disseram que irão apelar à Suprema Corte israelense para tentar derrubar a lei. Dov Henin, parlamentar da coalizão, afirmou que a lei é um “exemplo da tirania da maioria”, “visa diretamente os oficiais eleitos pela população árabe, escolhidos para representar suas demandas” e “reflete políticas antidemocráticas e manobras de um governo antidemocrático”.

Por meio de um post em seu perfil no Facebook, Netanyahu celebrou a aprovação e afirmou que a lei “acaba com um absurdo: aqueles que apoiam o terrorismo contra o Estado de Israel e seus cidadãos não servirão no Knesset”. “Israel tem o direito e o dever de se defender”, disse o primeiro-ministro.

Isaac Herzog, líder do Partido Trabalhista israelense e da oposição no Parlamento, afirmou que a nova lei é uma “mancha negra na face de Israel”. “Este governo cheio de ódio está ocupado aprofundando a divisão que ameaça Israel mais do que qualquer inimigo externo”, disse Herzog.

“O Knesset não será mais um refúgio para o racismo e o terrorismo. Membros do Knesset cujo salário é financiado pelo Estado não podem usar o Parlamento para minar seus fundamentos”, declarou o parlamentar governista Nissan Slomiansky.

O Instituto Democracia de Israel criticou a lei, alegando que ela transforma o Parlamento, um órgão político, em investigador, além de também torná-lo um tribunal.

“[A lei] nasce com o desejo de expulsar deputados árabes, o que prejudica a divisão de poderes, a liberdade de expressão e a relação do governo de Israel com sua minoria árabe, além da imagem do país como defensor de uma sociedade livre e democracia”, disse o órgão.

A ONG jurídica palestina Adalah afirmou, em comunicado, que a lei representa um “grave perigo” para os direitos democráticos básicos. “É a última tentativa de pisotear os direitos políticos dos cidadãos palestinos de Israel e tem como objetivo expulsar os membros árabes do Knesset que se atrevam a ir além das fronteiras ditadas pela maioria israelense judaica no Parlamento”, indicou a entidade na nota.

No dia 12 de julho, o Knesset aprovou uma lei que obriga ONGs que recebem mais de metade de seus fundos de entidades estrangeiras a revelar publicamente suas fontes de renda. A medida foi criticada por diversas organizações, que afirmam que o governo de Benjamin Netanyahu, que impulsionou a lei, pretende constranger ONGs que atuam em prol dos direitos dos palestinos e combatem a ocupação israelense na Palestina.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar