Publicidade

Diário Liberdade
Segunda, 15 Agosto 2016 21:22 Última modificação em Segunda, 22 Agosto 2016 10:03

A inocência tardia de Milosevic foi totalmente ignorada pela mídia que o condenou Destaque

Avalie este item
(1 Voto)
País: Sérvia / Direitos nacionais e imperialismo / Fonte: Caros Amigos

Por Mário Augusto Jakobskind

São passados dez anos que o então presidente da Sérvia, Slobodan Milosevic morreu quando se encontrava preso nas masmorras de um Tribunal internacional, depois de ter sido condenado de antemão pela mídia Ocidental. Milosevic chegou a ser comparado com o genocida Adolf Hitler.

Pois bem, nestes dias, sob total silêncio da mesma mídia que o condenou, por unanimidade o Tribunal Internacional de Haia reconheceu tardiamente a inocência de Milosevic, que inclusive morreu em circunstâncias até agora mantidas de forma a se evitar que pairasse alguma desconfiança sobre as verdadeiras causas.

Era rotina midiática conservadora justificar não apenas os bombardeios da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) na Sérvia e em Kosovo, como também as sanções econômicas contra o país presidido por Milosevic .

Nesta batida, Milosevic passou os últimos cinco anos de sua vida preso esperando a conclusão das investigações do Tribunal, que aconteceu somente agora.

Foi reconhecido que Slobodan Milosevic, além de defender o seu país, tentou deter os crimes cometidos durante a guerra em que a OTAN bombardeava diariamente a região, utilizando falsas argumentações, como agora assinala o Tribunal Internacional de Haia.

Como se não bastasse esse grosseiro exemplo de manipulação da informação, que continua, como se vê com o silêncio midiático sobre o atual veredicto, sempre houve fortes indícios que Milosevic morreu em circunstâncias duvidosas.

Em suma, Milosevic, garante o Tribunal de Haia, não participou de nenhuma “empresa criminal conjunta”para “limpar etnicamente” a Bósnia  de muçulmanos e croatas.

Tudo que tinha sido divulgado a respeito carece de fundamento, até porque os juízes concluíram que “Slobodan Milosevic tinha afirmado então que os membros de outras nações e grupos étnicos deviam  ser protegidos, e que no interesse nacional dos sérvios não deve  figurar a discriminação contra outras etnias”.

Além disso, o próprio Milosevic declarou em alto e bom tom que “os crimes dos grupos étnicos deveriam ser combatidos com energia”.

Na verdade, o próprio Tribunal de Haia não se esforçou para que o relatório conclusivo de 2.590 se tornasse público. É possível que os próprios responsáveis pelo Tribunal  contassem que dificilmente alguém leria um relatório desse tamanho.

Noticia ainda o Resumem Latinoamericano que Milosevic foi encontrado morto em sua cela 72 horas depois que o seu advogado enviara uma carta ao Ministério de Assuntos Exteriores da Rússia, em que denunciava que  Milosevic estava sendo deliberadamente envenenado.

Em um informe oficial do Tribunal de Haia sobre a investigação realizada acerca de sua morte, se confirmou o encontro de um medicamento (rifamicina) em uma análise de sangue realizado depois da morte e que nunca tinha sido ministrado por seus médicos.

A rifamicina neutralizava os efeitos de um outro medicamento que Milosevic ingeria contra a pressão alta, o que multiplicou as possibilidades de que sofresse um infarto.

Tais fatos demonstram que muitas vezes, antes mesmo de uma sentença definitiva, alguém pode ser julgado antes do tempo pela mídia conservadora. A história, como se sabe, está plena de exemplos nesse sentido.

No caso de Milosevic houve sempre a suspeita de que  poderosos interesses geopolíticos preferiam vê-lo morto antes da finalização do julgamento que o inocentou.

Aguarda-se que em determinado momento algum órgão de imprensa noticie pelo menos parte da informação divulgada aqui.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar