Publicidade

Diário Liberdade
Sábado, 07 Janeiro 2017 22:32 Última modificação em Domingo, 08 Janeiro 2017 23:02

A maioria precisa do País e virar Povo, mesmo que não saiba

Avalie este item
(1 Voto)
Roberto Bitencourt da Silva

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

Amesquinhamento absoluto do ensino médio, decidido às portas fechadas entre oligarquias políticas, sem consulta e debate com a sociedade. Eliminação de históricos direitos trabalhistas e previdenciários. Alienação dos valiosos patrimônios das nossas Petrobras e Eletrobras. Violação de garantias constitucionais elementares para a saúde e a educação.


Desinvestimentos na produção do conhecimento, em ciência e tecnologia. Incremento da desnacionalização do setor produtivo. Defesa de chacinas e outras intervenções ou ações, incompatíveis com qualquer noção minimamente relacionada a uma sociedade que se possa atribuir atenção com padrões de civilidade, justiça social, democracia e interesse nacional.

O golpismo, o entreguismo e o reacionarismo encarnados na abjeta figura do presidente Michel Temer (PMDB) impõem flagrantes e imensuráveis retrocessos culturais, políticos e econômicos ao Brasil.

Os personagens espúrios que formam o ilegítimo governo Temer demonstram, aberta e despudoradamente, o que são e o que pensam as classes dominantes no Brasil: fazendeirões, multinacionais, especuladores financeiros e imobiliários, bancos.

Essa estrutura de poder, de fato, revela nenhum compromisso com o País. Absoluto desprezo com a sorte do Povo Brasileiro.

Contudo, micros, pequenos e médios empresários que apoiam esse estado de coisas terão que superar os seus preconceitos antissindicais, antiesquerdas, antipovo. Escantearem suas visões americanófilas, incompatíveis com as vicissitudes e os interesses brasileiros.

Isso se não quiserem se suicidar de vez, enquanto setores de classe. Terão que observar que a única saída que possuem é defender os direitos sociais e trabalhistas, o poder de consumo e o emprego dos trabalhadores. Defender o País. Senão, podem fechar as suas portas. Precisam virar Povo.

O mesmo vale para algumas frações dos estratos altos e médios dos assalariados. Se ficarem mergulhados na baboseira reacionária e entreguista, como encontram-se, teleguiados pela cantilena vende pátria da Globo e de outras megacorporações de mídia, amanhã não terão sequer o que comer. Precisam virar Povo e perceberem que sua sorte existencial guarda estreita relação com os destinos da Nação.

Quanto ao “povão” mais humilde, na formulação delineada pelo grande Darcy Ribeiro – "povão" subempregado, desempregado, altamente marginalizado, arrochado na superexploração do trabalho –, que conforma a maioria dos trabalhadores assalariados, por enquanto, encontra-se na mera e triste condição de plebe.

Isto é, integrado por amplas faixas da população vivendo como párias em nosso solo pátrio: amorfos, sem identidade política, totalmente abandonados e atomizados. Um objeto, sem projeção de futuro, sem capacidade de ação.

Mas, isso não é fenômeno dado pela natureza. Essa multidão heterogênea e politicamente apassivada pode perfeitamente constituir-se e cerrar fileiras nas lutas do Povo Brasileiro, em defesa dos mais altos interesses populares e nacionais. Exemplos brasileiros e de outras paragens, hoje e ontem, aqui e alhures, não faltam.

Povo é uma construção política, como bem interpreta o cientista político argentino Ernesto Laclau. Uma plataforma de sujeitos e de segmentos sociais e classes com potencial antissistêmico. Uma miríade de setores sociais com demandas e necessidades desconsideradas pelas instituições hodiernas e pelo bloco de poder.

O Povo, para ser formado, precisa ser interpelado politicamente, ser estimulado a converter-se em sujeito que conte e aja. Precisa ter identidade e ser incentivado. Compreender que tem capacidade de ação e que conta nas decisões relativas aos rumos da sociedade e do Estado.

Mas, para o "povão" - hoje sob a condição de plebe -, assim como para demais setores sociais em destaque, virarem Povo, com identidade e ação dotada de sentido, fazem muita falta entidades coletivas capazes e consequentes – partidos, movimentos sociais, sindicais etc.

Faltam também grandes líderes. Todos artigos escassos no obscuro momento brasileiro e que precisam crescer e aparecer. O antipovo, a antinação está bastante atuante e desavergonhada, acabando de vez com o Brasil. O seu contraponto precisa emergir. O quanto antes.

Roberto Bitencourt da Silva – historiador e cientista político.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar