Publicidade

Diário Liberdade
Quinta, 12 Julho 2018 22:36

Correa e a revolução cidadã

Avalie este item
(1 Voto)
Ilka Oliva Corado

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

A amostra mais recente do que a traição significa para um povo está sendo atualmente vivida no Equador, que confiou plenamente em Lenin Moreno e o escolheu como seu presidente graças a Rafael Correa, que colocou seu peito para ele e o honrou com o apoio. em um momento crítico para toda a América Latina; mas nem Correa nem os povos latino-americanos jamais imaginaram que ele seria o grande traidor dos últimos cem anos no continente e que com todo o seu ódio e mesquinharia (porque ele sabe muito bem que nunca será mesmo a sombra do sapato de Correa) atacaria as raízes da Revolução Cidadã para retirá-lo e instalar a política de terror, opressão e pilhagem novamente no país.


Lenin Moreno, um fantoche mais do que aqueles que abundam na América Latina, rasteja sedento de poder aos pés de seus senhores, um pobre boneco que obedece às ordens das máfias oligárquicas em troca de migalhas que o jogam ao chão e aumenta a fome com lambidas agonizantes.

Pensando que seus mestres lhe dão o tapinha nas costas e continuam jogando migalhas, ele iniciou uma perseguição ideológica contra quem se atreve a nomear Rafael Correa e reconhecer seu trabalho impressionante na reconstrução de um país que encontrou em ruínas.

Para intimidar as bases da Revolução Cidadã, ele colocou um preço na cabeça de Correa e, apoiado pelas turbas escolhidas a dedo que apodrecem o sistema de justiça, ele seguiu as ordens de seus senhores que exigiram que ele humilhasse o presidente mais digno que já teve o Equador, dirigindo um mandado de prisão que procura colocá-lo em uma masmorra e expô-lo como criminoso; de modo que a raiz não continue a germinar, mas não sabe que Correa se tornou uma cidade e que vive nas montanhas nevadas, nas ruas de terra, nas casas de adobe, nas favelas, nos caminhos de zacatales que esverdeavam bússola do latim do seu coração. Correa e as bases da Revolução Cidadã são uma só.

É claro, o que Lenin Moreno faz é copiar (ele não acredita que ele dá a cabeça por tanto) de toda uma rede que ataca a América Latina a cada dez anos, os amos buscam as pessoas piores para lamber seus sapatos e colocar de quatro, para que obedeçam às ordens que vendem à própria mãe em troca dos chutes na bunda que virão quando deixarem de servir ou de recolher as sobras em línguas.

Lenin Moreno uniu-se àqueles que traficam informações, à mídia corporativa que manipula, que escondem a verdade e criam enormes telas de fumaça que visam impedir a visibilidade da população, para evitar a todo custo uma reação massiva para retirá-lo imediatamente da presidência. Lenin Moreno é somente o fantoche que se senta na poltrona presidencial, não é capaz de dirigir um país, está lá para receber ordens e ser a fachada do sistema político podre que procura retornar.

Seu ataque não é somente contra o povo equatoriano e as maravilhosas fundações da Revolução Cidadã, é contra os povos da América Latina, Lenin Moreno, como todos os presidentes neoliberais buscam acabar com a unidade e progresso das políticas progressistas dos líderes de a região. Por essa razão, não só interrompeu o avanço da Revolução dos Cidadãos, como a erradicou, e que a interferência do capital arrase de novo com o povo para fazê-lo sofrer novamente as misérias causadas pela imposição.

A continuidade de Lenin Moreno no governo é responsabilidade absoluta do povo equatoriano, esteja ou não disposto a lutar pela Revolução Cidadã e sua liberdade.

Correa fez o seu trabalho e, extraordinariamente, a reconstrução do Equador leva seu nome: deu-lhes voz, recursos, fortaleceu a semente, fertilizou a terra, agora é o tempo em que o povo equatoriano demonstra se a semente germinou e se dará frutos.

O povo equatoriano permitirá o retorno da política de terrorismo? O recuo para os tempos de medo, fome e incerteza? O tempo dos assassinatos ordenados pelo governo, as torturas, os desaparecimentos forçados, as sepulturas clandestinas? O roubo de terras, os ecocídios? Corrupção e política clientelista?

O povo equatoriano será capaz de não defender o que ganhou?

O que mais tem que acontecer para o povo do Equador reagir e tirar do governo um traidor como Lenin Moreno, julgá-lo e trancafiá-lo em uma masmorra? Eles esqueceram como Correa os dignificou?

Que as manifestações dos últimos dias sejam um sopro e a labareda que inflama os corações libertários dos que têm Memória Histórica e estejam dispostos a não deixarem arrebatar beleza da Revolução Cidadã.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar