Publicidade

Diário Liberdade
Quinta, 04 Abril 2019 00:32

A prisão de Temer e a divisão da esquerda

Avalie este item
(0 votos)
Valério Arcary

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

Tanto é ladrão o que vai à vinha como o que fica à porta. Um tatu cheira o outro. Sabedoria popular portuguesa


   Não existe vento favorável para o marinheiro que não sabe aonde ir.

                                                                                                                                Seneca

        A prisão de Temer pela operação Lava Jato voltou a colocar a esquerda brasileira diante de um desafio que a dividiu. Um desafio porque Temer é mesmo um corrupto e, portanto, merece ser preso.

         A operação LavaJato foi conduzida, intencionalmente, por um grupo de procuradores de extrema-direita, como um instrumento jurídico para criar as condições do golpe parlamentar de 2016. Foi uma das chaves de explicação para a eleição de Bolsonaro, porque armou as condições para Lula ser preso. Mas goza ainda de grande popularidade, e não só entre o núcleo duro de classe média reacionária que saiu às ruas gritando “vai para Cuba”.

        A Lava Jato tem sido uma aberração jurídica de abuso de poder, e a prisão de Temer foi um espetáculo para legitimar a intimidação da maioria burguesa no Congresso Nacional, diante da disputa de poder com o núcleo duro do governo Bolsonaro. Complicado, portanto.

         As duas posições mais simples eram, igualmente, perigosas. A primeira era apoiar a prisão de Temer, ocultando que quem a fazia era a extrema direita dos procuradores aliados ao bolsonarismo como chantagem sobre os partidos que, historicamente, garantem a representação da classe dominante, e ainda são a maioria no Congresso Nacional.

          Romantizar o papel da Lava Jato, depois do que aconteceu desde 2015/16 é, dramaticamente, ingênuo. A Lava Jato não é uma investigação técnica idônea. Trata-se de uma operação política orientada, desde o início, como braço auxiliar da luta pelo poder.

          A segunda era denunciar a Lava Jato e defender os direitos democráticos de Michel Temer, diminuindo o peso das denúncias devastadoras que o incriminam. Essa posição é, igualmente, insustentável. Michel Temer é um meliante, um ladrão, um bandido. Enriqueceu durante décadas com propinas. O episódio da corridinha de seu assessor com uma mala de meio milhão de reais é um “clássico” ridículo da corrupção “mesopotâmica” institucional. Sua prisão foi precipitada pela Lava Jato, em um movimento estapafúrdio articulado com Sergio Moro à frente do Ministério da Justiça, para intimidar o centrão. Mas isso não justifica, pelo ângulo da defesa dos trabalhadores, qualquer defesa. Essa defesa não ajuda a campanha por Lula Livre. Temer nunca será um preso político.

          A bússola para definir uma posição justa neste tipo de episódios deve ser o critério de classe. Aonde se situa a defesa dos interesses da classe trabalhadora? A defesa da independência política da classe trabalhadora é um princípio para os marxistas. Ela se resume a uma ideia poderosa, mas que não é simples. Ela é poderosa porque é legítimo defender que a imensa maioria do povo que, em uma sociedade capitalista, vive da venda da força de trabalho, deve ter o direito de se organizar em função dos seus próprios interesses. 

         Não é simples porque o antagonismo do trabalho com o capital não é o único conflito dentro da sociedade. Evidentemente, para os marxistas, este antagonismo é o mais importante, porque é aquele que, potencialmente, abre o caminho para luta pelo socialismo.

        Mas há muitos outros conflitos. Neste episódio, a defesa dos direitos e liberdades  democráticas contra ameaças autoritárias, por exemplo. Os socialistas devem analisar todos os conflitos através desta lente.

         O Psol declarou que Temer deve ser condenado como corrupto, mas não aplaudiu o “vale tudo” da Lava Jato. Defendeu que Temer seja julgado, condenado e preso, mas denunciou o abuso de poder da Lava Jato, que tem sido um instrumento da ultradireita para, a pretexto da luta contra a corrupção, subverter os direitos democráticos. Uma posição independente das duas frações burguesas que disputam o poder no Brasil. Esteve, portanto,  muito bem.

         Outros na esquerda se aliaram a uma das duas frações. Uma parcela do PT condenou a prisão de Temer porque só enxergou o abuso de poder da Lava Jato e a ameaça que ela representa, ao serviço da extrema-direita, para as liberdades democráticas. Mas, paradoxalmente, silenciou sobre Temer, um golpista que além de corrupto, teve um papel criminoso durante o processo que culminou no golpe parlamentar do impeachment de Dilma Rousseff.

        Já uma parcela da esquerda radical, como o PSTU e setores minoritários do Psol, apoiaram a prisão de Temer, silenciando sobre a arbitrariedades da LavaJato.

        Estas duas posições opostas são, igualmente, equivocadas. A esquerda não deve aplaudir tudo que é popular só porque é popular. Ser de esquera deve ser, também, defender princípios, resistir às pressões, ter firmeza quando em minoria entre os trabalhadores e combater as ilusões.

         A esquerda não pode ser o último vagãozinho de nenhum dos dois trens dirigidos pela classe dominante. Nem nos aliamos à ultradireita contra a direita, nem o contrário. Não diminui ninguém ficar em uma posição minoritária, quando a realidade nos impõe um transitório isolamento. Ao contrário. Engrandece. 

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar