Publicidade

Diário Liberdade
Sexta, 31 Mai 2019 00:47

As milícias no comando

Avalie este item
(0 votos)
Sergio Domingues

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

“No Rio de Janeiro a milícia não é um poder paralelo. É o Estado”, diz José Cláudio Souza Alves, em entrevista a Mariana Simões para a Agência Pública, publicada em 31/01/2019.


Autor do livro “Dos Barões ao extermínio: a história da violência na Baixada Fluminense”, o sociólogo estuda as milícias há 26 anos. Segundo Alves, elas:

São formadas pelos próprios agentes do Estado. É um matador, é um miliciano que é deputado, que é vereador. É um miliciano que é Secretário de Meio Ambiente. Sem essa conexão direta com a estrutura do Estado não haveria milícia na atuação que ela tem hoje.

Alves identifica suas origens na criação da Polícia Militar, em 1967. A partir daí, vieram os esquadrões da morte, que teriam inspirado os atuais grupos de extermínio.

A certeza da impunidade que as ligações com o Estado permitem é tamanha, afirma o entrevistado, que seus membros já chegam dizendo: “Eu sou o cara, eu sou o matador, eu tenho vínculos com fulano, beltrano e sicrano. Eu ocupo este cargo”.

E os três mandatos do PT no governo federal nem arranharam essa estrutura, lamenta Alves. Ao contrário, é triste lembrar que o partido chegou a ter um deputado miliciano na Alerj.

O resultado está aí. Hoje, a milícia é o Estado não somente no Rio de Janeiro.

Entre as principais características dessas organizações, afirma o sociólogo, estão a estrutura familiar e a vinculação a igrejas. Duas instituições cuja credibilidade é explorada com sucesso pelos grupos de extermínio.

Mas não tem Brasil acima de tudo ou Deus acima de todos. Só a milícia no comando.

Fonte: Pílulas Diárias

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar