Publicidade

Diário Liberdade
Sexta, 31 Mai 2019 00:52

O neofascismo foi às ruas travestido de amarelo

Avalie este item
(0 votos)
Valério Arcary

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

Sangue frio e olho vivo. Já é possível retirar duas conclusões rápidas sobre as manifestações de apoio a Bolsonaro.


Primeiro, foram ações de uma franja mais ressentida e enfurecida da contrarrevolução, mas sem conseguir arrastar setores de massa da classe média. Neste domingo (26), a mágoa da classe média com o Brasil em estagnação e decadência saiu às ruas vestida de amarelo. A ansiedade, a angústia, a insegurança diante do futuro continua radicalizando setores sociais intermédios, que fantasiam que a sua vida deveria ser mais segura, como se vivessem na Europa, ou nos EUA, que passaram a visitar em excursões. O que move esta multidão zangada é uma visão do mundo. Compartilham a percepção ingênua de que o problema do Brasil é a roubalheira. Mas é muito mais do que o mal-estar com a corrupção. É o cada um por si, todos contra todos.

É uma nostalgia romantizada de ordem e autoridade em cidades em que o abismo social da desigualdade permanecia segregado e invisível nas favelas e periferias. É um medo social profundo diante do perigo de empobrecimento em uma sociedade em que o dinheiro define o estatuto do privilégio. É uma hostilidade ofendida contra os impostos que pagam e os serviços públicos que não recebem. É uma uma aflição triste e uma amargura invejosa. Cobiçam o modo de vida dos, realmente, muito ricos. Têm muita pena de si mesmos. Desprezam a condição da maioria pobre.

É o ódio contra a auto-organização orgulhosa dos LGBT’s, o rancor contra o movimento negro que legitima as campanhas que criminalizam o rascismo, o horror diante do feminismo que arrebata a nova geração de mulheres jovens. Tudo isso associado à repulsa e desrespeito que têm pelos sindicatos e movimentos populares, a aversão e desdém que têm pela esquerda. Têm muita pena de si mesmos,

O bolsonarismo errou ao convocá-las sob a bandeira bonapartista, embora tenham tentado, nos últimos dias, se reposicionar, atabalhoadamente.

A condução errática, ziguezagueante de Bolsonaro – convoca, mas não vai – teve um efeito desagregador de sua base. Não conseguiu o impacto que necessitava para desafiar o centrão com a bandeira de “todo o poder ao capitão”. Em consequência, dividiu a extrema direita. A “operação abafa e enquadramento” de Bolsonaro, a partir de amanhã, terá mais dificuldades. Segundo, o outro lado: esta divisão na extrema direita levou a ala neofascista a sair sozinha nas ruas, pela primeira vez. Arriscaram. Saíram sob suas próprias bandeiras. Isso foi uma mudança de qualidade. A primeira conclusão é mais importante que a segunda. Muito mais importante. Mas não anula a segunda.

Foi derrota parcial. Eram muito menos numerosos que a grandiosa mobilização de jovens em defesa da Educação pública. Perderam a hegemonia nas ruas que haviam conquistado em 2015/16. Mas não era uma iniciativa “frontal”. Desde o início era um movimento “lateral”. Reposicionaram-se nos últimos dias. Uma corrente neofascista dura está, todavia, em construção.

Estão no governo e na disputa pelo poder. Portanto, também acumularam forças.

Os neofascistas são uma gente esquisita e perigosa. Muito perigosa.

Fonte: Revista Fórum.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar