Publicidade

Diário Liberdade
Terça, 12 Julho 2016 15:59 Última modificação em Terça, 12 Julho 2016 16:08

Sobre o feitiço do fetichismo (e III)

Avalie este item
(2 votos)
Mauricio Castro

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

Enquanto a hegemonia política do capital se sustenta em partes iguais sobre a violência e o consenso, a superaçom do sistema, e nom só do regime concreto que o representa, deverá surgir da transformaçom material da forma capitalista de reproduçom social, culminando a socializaçom produtiva já existente e socializando em igual medida a sua propriedade. Eis o caminho ao socialismo.


Sem aspirarmos a entrar aqui na questom, podemos concluir esta reflexom em três partes afirmando que nom será mediante a pureza dos processos eleitorais organizados pola classe dominante para legitimar a sua hegemonia, que a classe dominada poderá mudar a forma de reproduçom social em que aquela se sustenta. E nom será mediante a legitimaçom da unidade de mercado chamada Espanha que naçons oprimidas como a nossa consigam afirmar-se como sujeitos políticos de pleno direito.

Um trabalho político entendido em sentido amplo e social deverá criar as condiçons para a construçom de umha contra-hegemonia de classe, que permita a disputa real do poder, tendo em conta que ele nom se encontra nos parlamentos nem nas instituiçons, embora sim se expresse e legitime através deles. Daí que, sem descartar a participaçom e disputa eleitoral, ela deva ficar claramente supeditada a umha estratégia mais ampla que aponte para a transformaçom profunda da forma de reproduçom material da sociedade.

Nem o voluntarismo, nem a sucessom de reformas no interior do sistema poderám conduzir à sua superaçom, apesar de ser necessária umha forte vontade coletiva e a defesa de reformas concretas e limitadas, incorporadas a um programa estratégico de tipo socialista.

Tampouco o puro mimetismo com outros processos costuma servir como estratégia libertadora. Temos suficientes exemplos disso na Galiza. O estudo e conhecimento dos clássicos e doutras experiências revolucionárias nom vai livrar-nos de elaborar e aplicar umha estratégia própria, concreta e ligada às necessidades da Galiza atual.

Pretender reduzir um processo amplo e original como esse só à disputa eleitoral e sob as condiçons impostas polo poder extraparlamentar do grande capital é a expressom de um dos muitos fetiches que caraterizam a alienante sociedade capitalista. Um fetiche que atribui à institucionalidade burguesa o poder mágico de representar toda a sociedade por igual e constituir o único ámbito possível para o exercício da política e da mudança social.

Entretanto, para quem quiger transformar realmente a sociedade, indo além dos marcos restritos tolerados polo capital, é preciso partir do estudo integral e científico da realidade social em que aspira a incidir, começando por destrinçar o caráter fetichista da política como expressom do consenso burguês.

A partir daí, só umha açom política e de construçom nacional que sente as bases para a superaçom do atual sistema nos permitirá avançar, passo a passo, e assumindo que a afirmaçom da Galiza deve fazer parte de umha grande transformaçom mundial expressada em cada luita nacional. No fim de contas, foi essa também a forma histórica em que se articulou a mundializaçom do sistema capitalista que combatemos.

Utópico? Só se for no sentido blochiano: utopia concreta, possibilidade real ligada à práxis.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar