Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Sábado, 25 Fevereiro 2017 12:25 Última modificação em Segunda, 27 Fevereiro 2017 14:18

Repúblicas de Coimbra rejeitam intento de criminalização da luta anti-privatização

Avalie este item
(0 votos)
País: Portugal / Língua/Educaçom, Repressom e direitos humanos / Fonte: Diário Liberdade

O Reitor da Universidade de Coimbra não hesitou empregar meios públicos da UC para tentar criminalizar o movimento anti-fundação.

O Conselho das Repúblicas (CR), órgão deliberativo composto pelas 25 Repúblicas de Coimbra, compreende que "o ensino deve ser um direito e não um privilégio", e por isso posiciona-se contra a passagem da Universidade de Coimbra (UC) a Regime Fundacional. Foi nesse âmbito que a 1 de fevereiro o coletivo emitiu uma carta denunciando que "a UC não demonstrou interesse unívoco em fomentar o debate envolvendo toda a comunidade estudantil, de modo a tornar mais democrática a discussão em torno de um assunto que concerne toda a comunidade". A crítica foi acompanhada de um calendário de ações de protesto, que incluíram a mobilização de passado dia 20 de fevereiro, em que após a mobilização houve ocupação da reitoria por um grupo de pessoas e, segundo os indícios existentes, destroços.

O Conselho das Repúblicas acredita que "a partilha de conhecimento e ideias não deve servir de mercadoria e muito menos como meio de elitização". No entanto, parece que o Reitor da UC não dá a mesma importância ao assunto: para ele os danos materiais registados a dia 20 merecem mais atenção do que o terrível prejuízo que para o estudantado implicará a passagem a fundação. O reitor não duvidou, assim, em usar meios públicos da Universidade de Coimbra, como a listagem de emails da entidade, para difundir falsas acusações tentando envolver as Repúblicas da cidade, e o conjunto do movimento anti-privatização, na violência exercida após o protesto.

Do outro lado, o CR criticou os "actos de agressão ao Património Público" que por enquanto ainda é a UC. É por isso que pediu o Reitor que espalhe com o mesmo ênfase o comunicado que o CR acabou de enviar para diferentes meios, entre os quais o Diário Liberdade, e que reproduzimos a seguir:

No seguimento do comunicado “Estragos na Universidade” do Reitor da Universidade de Coimbra, João Gabriel Silva, dirigido a toda a comunidade universitária, dando conta do sucedido no dia 20 de Fevereiro de 2017 no Edifício da Reitoria, o Conselho das Repúblicas (CR), reunido ao 25º dia do mesmo mês, comunica o seguinte:

1
O CR repudia os actos de agressão ao Património Público da Universidade de Coimbra ocorridos no dia 20 de Fevereiro dentro do Edifício da Reitoria após o fim da Concentração Anti-­Fundação, por si convocada.

2
Esta Concentração marcou o fim de uma semana de actividades incluída na Luta Anti-­Fundação promovida pelo CR, em colaboração com vários organismos e secções da Academia e da cidade. De 13 a 20 de Fevereiro, o programa contou com inúmeras conversas, eventos performativos, projecção e discussão de documentários, convívios e outros eventos. Todas as actividades tinham como objectivo principal promover a informação e o debate sobre a aplicação do Regime Fundacional (RF) na UC, e todas elas decorreram de forma participativa, pacífica e irrepreensível.

3
A Concentração na Porta Férrea começou pelas 14h e terminou por volta das 16h. Participaram na mesma mais de uma centena de estudantes, docentes, não docentes e outros/as, que uniram a sua voz contra a possível passagem da Universidade de Coimbra a Fundação.

4
Alheia à organização da Concentração Anti-­Fundação, alguns/algumas entre os/as presentes tomaram a iniciativa de ocupar o edifício da Reitoria. Como tal, o CR não pode senão demarcar-­se dos estragos no quadro e no alarme de incêndio dentro da Reitoria, descritos e visíveis nas imagens endereçadas pelo Reitor no seu comunicado. Estes foram actos irresponsáveis que repudiamos veementemente, não foram nem considerados, nem
promovidos pelo CR.

5
As Repúblicas de Coimbra, enquanto casas comunitárias com tradição de debate, democracia, participação e envolvimento na comunidade, são também parte do Património Público. Na candidatura da Universidade de Coimbra Alta e Sofia a Património Mundial da UNESCO, as Repúblicas, apresentadas como o Património Imaterial que sustentou a candidatura física, foram consideradas essenciais a esse processo de reconhecimento
pelos/as responsáveis da candidatura. Aqui, as Repúblicas são consideradas forças vivas na comunidade académica e são frequentemente parceiras da Universidade na vida cultural da cidade. No entanto, quanto às lacunas na protecção, na manutenção e na preservação deste Património Imaterial que são as Repúblicas, o Reitor nada diz no seu comunicado.

6
Repudiamos, também, que o Reitor da Universidade de Coimbra nos acuse de desencadear os estragos, atribuindo ao colectivo algo que é apenas da responsabilidade de quem o cometeu. Com este comunicado calunioso, e ao imputar às 25 Repúblicas esta acção individual, o Reitor colocou em causa o nome e a segurança das mesmas e de quem nelas vive, tendo já desencadeado represálias infundadas.

7
A utilização da mailing list da Universidade de Coimbra (que inclui todos/as os/as docentes, discentes e estudantes da comunidade académica da UC) para difundir uma acusação grave com o conteúdo já referido, sem sequer ouvir o CR, descredibiliza uma acção colectiva que promove o debate construtivo sobre o RF e a denúncia frontal e pública das possíveis consequências deste. Consideramos esta acção abusiva, que promove quezílias no seio da comunidade académica e deve ser motivo de contestação.

8
O Conselho das Repúblicas, visado directamente no comunicado como protagonista dos acontecimentos do passado dia 20, e a bem da reposição da verdade, vem exigir que o seu direito de resposta seja difundido com a mesma amplitude utilizada pela Reitoria da UC: mailing list e site da UC.

9
Denunciamos, ainda, a tentativa de mascarar o que pode significar o RF para a nossa Universidade. A autonomia que este Regime promete e que o Reitor proclama como vantagem coloca directamente em causa aspectos como a configuração de carreiras ou a organização do quadro permanente de docentes, investigadores/as e todo o corpo discente; desresponsabiliza o Estado da sua missão e das suas funções no Ensino Superior Público;;
conduz a um aumento da competitividade para adquirir fundos e à dependência total em relação a interesses privados e às suas agendas mercantilistas. Enfim, ameaça a existência de um Ensino Superior Público e de qualidade.

10
Por fim, afirmamos que a Luta Anti-­Fundação não termina nesta semana de actividades. Esta luta será contínua e quer-­se heterogénea, constituída com a força e as diversas perspectivas de todos os elementos da comunidade universitária directamente afectados pela eminente adopção deste Regime. Defendemos que o Regime Fundacional ameaça o Ensino Público Português, assim como a partilha de conhecimento e ideias que, sublinhamos, não deve servir de mercadoria e muito menos como meio de elitização. Apelamos, assim, toda a comunidade a juntar-­se a este movimento de resistência ao processo dissimulado de privatização da Universidade de Coimbra.

Conselho das Repúblicas,
25 de Fevereiro de 2017

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar