Publicidade

Diário Liberdade
Sexta, 27 Mai 2016 01:54 Última modificação em Sexta, 27 Mai 2016 15:53

Tensão continua elevada em Bissau Destaque

Avalie este item
(0 votos)
País: Guiné-Bissau / Reportagens / Fonte: VOA

Os acessos ao Palácio da República em Bissau estão todos bloqueados pela Polícia Militar, depois de ontem apoiantes do PAIGC terem manifestado o seu descontentamento contra a nomeação de Baciro Djá para primeiro-ministro.

Dos confrontos resultaram nove feridos, mas todos já deixaram as unidades de saúde.

A posse de Baciro Djá acontece neste momento, o que aumenta a tensão na capital guineense, onde se nota uma forte presença militar e uma elevada tensão.

Os membros do Governo demitido, por seu lado, encontram-se desde ontem no Palácio do Governo e de lá não pretendem sair, segundo fontes do Executivo afastado por José Mário Vaz.

A Guarda Nacional e a Polícia de Intervenção Rápida, muito bem armadas, protegem o Palácio do Governo, cujos ministros demitidos reuniram-se no final da manhã com representantes da comunidade internacional.

O acesso à sede do PAIGC, próxima ao Palácio da República, também está bloqueado, o que obrigou os dirigentes do partido a reunirem-se noutro local.

Ainda hoje é esperada uma manifestação do PAIGC, cujo presidente Domingos Simões Pereira deve regressar dentro de momentos do Senegal, aonde se deslocou para se reunir com o Presidente Macky Sall.

Ontem, a pedido do Senegal, actualmente membro não permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas, aquele órgão ouviu o assistente do secretário-geral para Assuntos Políticos, Tayé-Brook Zerihoun, sobre a situação na Guiné-Bissau, numa reunião à porta fechada em Nova Iorque.

Noite de quinta-feira agitada

Também ontem à noite, 26, a Polícia de Ordem Pública e a Polícia Militar foram chamadas para conter dezenas de apoiantes do PAIGC que se deslocaram ao Palácio da República depois de José Mário Vaz ter publicado o decreto-presidencial 2/2016, que nomeia Baciro Djá, terceiro vice-presidente do partido dos libertadores mas expulso depois de ter votado, juntamente com mais 14 “camaradas”, contra o Programa do Governo de Carlos Correia, em Dezembro passado.

Os manifestantes atiraram pedras contra o Palácio e atearam fogo a alguns pneus, tendo as forças de segurança respondido com gás lacrimogéneo para afastar as pessoas do local.

Após algumas escaramuças, a situação ficou mais calma, embora tensa.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar