Publicidade

Diário Liberdade
Domingo, 03 Dezembro 2017 16:39 Última modificação em Quinta, 07 Dezembro 2017 22:38

Golpe contra Nasralla em Honduras

Avalie este item
(2 votos)
Ilka Oliva Corado

Clica na imagem para ver o perfil e outros textos do autor ou autora

[Ilka Oliva Corado; Tradução do Revista Diálogos do Sul] Honduras, situada no triângulo norte da América Central, como Guatemala e El Salvador, é um dos três países mais explorados da América Latina.

Em 28 de junho de 2009, quando Honduras iniciava um caminho próprio, distante do neoliberalismo e se irmanava com o progressismo latino-americano que emergia na América do Sul, o presidente Manuel Zelaya sofreu um golpe de Estado. Um golpe ordenado pelos Estados Unidos e executado pela oligarquia, tal como ocorreu no Paraguai e no Brasil: executados pelo Congresso e a Corte Suprema de Justiça.

Abutres afins ao poder do capital, ditaduras que se impõem com novos modelos operacionais, que tem o centro da logística no Congresso, na Corte Suprema de Justiça e no Tribunal Supremo Eleitoral. São manipuladas pelos meios de comunicação corporativos que são a base para manter vigente o sistema atual, enganando a população.

Honduras, situada no triângulo norte da América Central, tal como Guatemala e El Salvador, é um dos três países mais explorados da América Latina, nas últimas décadas. O negócio das multinacionais tem realizado ecocídios que liquidaram com povoados inteiros. Comunidades que se vêem obrigadas a emigrar de forma irregular para Estados Unidos porque o país as obrigam. Em Honduras, as mortes dos que defendem Direitos Humanos e o meio ambiente, se igualam às da Colômbia. As cifras dos feminicídios são aterradoras.

País base no tráfico de droga da Colômbia para Estados Unidos. Porém nos dizem o contrário, quando nos dizem que Estados Unidos firmou um convênio para a erradicação do tráfico no triângulo norte da América Central com o Plano Aliança para a Prosperidade. Não, com isto o único que buscam é militarizar a zona e deixa-la sob o controle das gangues criminosas do governo, para deixar livro o caminho para o tráfico de drogas, de pessoas e da exploração mineira. Desaparecem e assassinam a quantas pessoas se coloquem contra, tal como ocorreu na Colômbia com o Plano Colômbia e no México com o Plano Mérida e o Plano Fronteira Sul.

E se dá também o ataque pelos meios que acusam destas mortes as quadrilhas, quando é violência institucional, e manipulam a população angustiada que sem entender nada pede a pena de morte para os parias. Se sobe a cortina e se fecha a cortina e representam a obra de teatro que mantém a população distante das transações do governo, do exército e da oligarquia. Dão como desculpa a violência das quadrilhas e do tráfico de drogas, instalam bases militares estadunidenses em território latino-americano com a única finalidade de cercar aqueles que por amor à pátria buscam libertar sua terra de toda opressão. E assim nos converteram e colônia estadunidenses, vencidas e indefesas.

Honduras, Guatemala e El Salvador, depois do México, são os países que mais exportam mão de obra barata para Estados Unidos. Populações inteiras se vêem obrigadas a emigrar. Pela violência, pela falta de oportunidades e porque tratam de salvar suas vidas e desenvolver-se. Migração que realizam sem documentos e que as convertem em presas fáceis para o crime organizado.

Na Guatemala, a destituição de Pérez Molina teve como resultado a eleição de outro capo chamado Jimmy Morales. A população votou a favor de outro verdugo. Só serviu de espetáculo para a imprensa internacional e de desculpa para os que na realidade controlam a zona. Tiraram um títere e colocaram outro. Em Honduras as coisas são diferentes. A população votou a favor de Salvador Nasralla e deve defender esse voto, saindo às ruas e exigindo que se respeite sua decisão.

Não pode deixar que se roube sua soberania. O povo hondurenho deve defender esse voto e não permitir outro golpe como o de Zelaya. Há muito em jogo. O povo hondurenho não pode deixar-se vencer, já traçou um caminho, deve seguir adiante nesse caminho do progresso.

Há anos Honduras se enchia de indignados manifestando com tochas. A longa noite hondurenha se enchia de luz, de resistência, de povo desperto, de utopias e vontade.

Não devem deixar-se vencer. O povo hondurenho tem a força, a dignidade, a honradez e o amor para resistir e não permitir que os abutres da exploração, da manipulação e do extermínio sejam os que governem.

Devem mostrar ao governo atual que seu tempo terminou. Que Honduras despertou e vai defender seu direito constitucional como seja. Pelos que já não estão, pelos que estão e pelos que virão. É agora, o tempo é hoje.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar