Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Quinta, 04 Julho 2019 00:46

Angela Davis: Carta aberta ao Partido Comunista

Avalie este item
(1 Voto)
País: Estados Unidos / Batalha de ideias / Fonte: Blog da Boitempo

[Angela Y. Davis] Este ano, o Partido Comunista dos EUA completa cem anos. Em homenagem ao Partido ao qual permaneceu filiada por mais de três décadas (1969–1991) e pelo qual concorreu duas vezes ao cargo de vice-presidente dos Estados Unidos, a filósofa e militante Angela Davis escreveu esta carta aberta sobre a importância histórica e atual do CPUSA.

Publicado às vésperas da convenção de aniversário do Partido, o texto ora traduzido aqui para o português integra uma série da People’s World sobre o centenário do CPUSA. Para saber mais sobre os anos de formação de Angela Davis, e o papel do Partido Comunista na sua trajetória política e intelectual, recomendamos a leitura de sua Autobiografia. Saiba mais sobre o livro, que acaba de ser publicado no Brasil, ao final deste post. O Blog da Boitempo agradece à historiadora Raquel Barreto, autora do prefácio à edição brasileira do livro, pela indicação.

Boa leitura!

Artur Renzo, editor do Blog da Boitempo.

Camaradas,

Me junto a vocês na celebração do Partido Comunista dos EUA e sua história de cem anos de lutas militantes pela democracia da classe trabalhadora, por justiça racial, de gênero e ambiental, e pelo socialismo, que é o único futuro viável para o nosso país e para o planeta. Tenho orgulho de ter passado muitos de meus anos de formação nesta organização e de ter me beneficiado de sua presença pioneira e liderança nas lutas antirracistas e da classe trabalhadora.

Depois de tentativas persistentes de obscurecer o papel histórico do Partido e de organizações como o Southern Negro Youth Congress (SNYC) na organização de trabalhadores industriais, meeiros e agricultores arrendatários no Sul, está se tornando cada vez mais claro que esse trabalho contribuiu para criar um terreno político sobre o qual as lutas contra a segregação das leis “Jim Crow” eventualmente vicejariam. Acadêmicos jovens que se livraram das influências continuadas do Macarthismo, estão agora descobrindo as contribuições inestimáveis dos Comunistas.

Tendo visitado o túmulo de Claudia Jones1 – imediatamente adjacente ao de Karl Marx – no Cemitério de Highgate, em Londres, fico especialmente feliz que suas ideias foram agora incorporadas a muitas histórias do feminismo negro estadunidense. O ensaio “An End to the Neglect of the Problems of the Negro Woman” [Um fim à negligência em relação aos problemas da mulher negra], escrito em agosto de 1948 e publicado originalmente na revista Political Affairs no ano seguinte, agora aparece em muitas antologias e é considerado um texto histórico fundador.2 Há muitos outros exemplos – incluindo a impressionante entrevista de Esther Cooper Jackson, que agora está com 103 anos, e que na época era uma liderança do SNYC, em um filme recente sobre o estupro coletivo de Recy Taylor em Abbeville, no Alabama, em 1944.3

Este é um momento perigoso – sindicatos estão sob ataque, investidas racistas e violência antissemita estão crescendo, candidatos de ultradireita conquistaram o poder nos EUA, no Brasil, nas Filipinas, em Israel e em outros países. Ao mesmo tempo, há uma crescente oposição à supremacia branca, à violência policial, à misoginia e à acumulação capitalista de riqueza no mundo. Com sua história de um século de luta, o Partido Comunista está bem-posicionado para oferecer expertise, experiência e análises marxistas que ajudarão os movimentos de resistência a crescerem e se desenvolverem. O mínimo do mínimo que precisamos fazer é derrotar a gestão Trump em 2020! Desejo a vocês sucesso nas deliberações da convenção.

Em solidariedade,
Angela Y. Davis

Notas

* Tradução: Artur Renzo.
1 Claudia Jones (1915-1964) foi uma importante feminista negra filiada ao Partido Comunista dos EUA. Nascida em Trinidad, quando a ilha fazia parte das Índias Ocidentais Britânicas, migrou ainda criança para os EUA junto com sua família. Foi uma das pioneiras a tematizar a tripla opressão de raça, classe e gênero sob uma ótica marxista, Presa e posteriormente deportada do país por conta de sua atuação política, passou a residir no Reino Unido, em 1955, onde veio a fundar o primeiro grande jornal negro da Inglaterra, o West Indian Gazette. Angela Davis encerra o capítulo sobre “Mulheres comunistas” em seu Mulheres, raça e classe (pp. 171-5) com um perfil dedicado à trajetória e ao pensamento de Claudia Jones. (N. E.).
2 Há uma tradução para o português, feita por Edilza Sotero, deste artigo de Claudia Jones, publicado na Revista Estudos Feministas, vol. 25 no. 3, Florianópolis Sept./Dec. 2017, com o título “Um fim à negligência em relação aos problemas da mulher negra!“. (N. E.).
3 A autora refere-se ao documentário The Rape of Recy Taylor (2018), escrito e dirigido por Nancy Buirski, e inspirado pelo livro At The Dark End of the Street: Black Women, Rape and Resistance — a New History of the Civil Rights Movement from Rosa Parks to the Rise of Black Power, de Danielle L. McGuire. (N. E.).

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar