Publicidade

Diário Liberdade
Segunda, 14 Outubro 2019 00:35 Última modificação em Sábado, 02 Novembro 2019 01:22

Equador: Nada detém o povo nas ruas

Avalie este item
(1 Voto)
País: Equador / Resenhas / Fonte: A Verdade

Jornal En Marcha, Edicão 1876 – Órgão Central do Partido Comunista Maxista-Leninista do Equador – PCMLE

Logo que o governo tornou público o pacote de medidas econômicas e reformas tributárias e trabalhistas, que foram adotadas como parte do acordo com o Fundo Monetário Internacional, as reações foram rápidas; por um lado, os setores empresariais, a grande mídia, os partidos políticos de direita saúdam a eliminação do subsídio ao combustível e o pacote de reformas trabalhistas que tornariam as relações entre trabalhadores e empregadores mais flexíveis; por outro, setores populares, organizações sociais, setores de pequenas e médias empresas, os transportadores os questionaram.

A condenação de medidas econômicas foi rapidamente expressa nas ruas. A organização de transportadores pesados, interprovinciais, urbanos, escolares e de táxi paralisou suas atividades. Para isso, os colonos, principalmente do setor popular, se reuniram nas barricadas; Estudantes universitários e secundários tomaram as ruas e o movimento indígena em várias partes do país tomou as estradas. O que começou como uma greve de transporte, logo se tornou uma faísca que queimou vários setores.

Diante da generalização da reivindicação, o governo e as classes dominantes agiram em conjunto: mobilizaram grandes contingentes policiais e militares, declararam estado de emergência no território nacional, além de uma campanha na mídia para desacreditar a mobilização e suas demandas. Sob o pretexto de “não corresponder ao correismo”, pretendia-se neutralizar a participação das principais organizações populares como o FUT, o Conaie e a Frente Popular.

Enquanto os líderes do desemprego das transportadoras negociavam o aumento das tarifas, as cidades tomaram as ruas. O Centro Histórico de Quito tornou-se um campo de batalha entre a universidade e os jovens secundários e policiais. Os bairros populares do norte e sul da cidade foram protagonistas altos níveis de luta e fechamento de estradas.

Em Imbabura, o movimento indígena tomou as estradas principais, o centro de Ibarra testemunhou importantes ações de protesto.

Em Cotopaxi, os estudantes paralisaram o centro de Latacunga; o movimento indígena impediu a passagem de veículos em áreas como Chasqui e Panzaleo; os militares mobilizados pelo estado de emergência foram rejeitados pelos cidadãos de Pujilí.

Em Tungurahua, o movimento indígena assumiu as torres de transmissão das emissoras de TV localizadas em Pilishurco; Eles bloquearam as estradas para Guaranda e Baños. Em Chimborazo, foi fechado na Panamericana Sur, como Riobamba – Guaranda e Riobamba – Macas; Nos bloqueios de Cañar foram feitos na Pan-Americana que comunica Azogues com Cuenca.

Na província de Azuay, as mobilizações no centro da cidade foram lideradas pelo prefeito Yaku Pérez, o movimento indígena daquela província paralisou Cuenca-Girón-Pasaje e Cuenca-Loja.

Na última província, as mobilizações concentraram-se no cantão de Saraguro e na praça central de Loja. No leste, foram relatados vários fechamentos de estradas no tronco da Amazônia, principalmente em pontos que conectam Baños ao Puyo e Puyo ao Tena. Mobilizações foram realizadas no litoral de Esmeraldas, Guayas, Santo Domingo, Manabí, El Oro.

9 de Outubro: Greve Nacional!

Os atos criminosos que ocorreram aproveitando o protesto foram utilizados pelo governo e pelas classes dominantes para justificar a repressão e tentar distorcer a justiça. de mobilização.

O governo negociou desesperadamente com as transportadoras para aumentar o desemprego, com quem se comprometeu, apesar de violar a autonomia dos municípios, para aumentar os preços dos ingressos, além de uma série de medidas tarifárias e isenções fiscais. As decisões chegaram muito tarde, o movimento de desacordo se espalhou por todo o território nacional.

As organizações sociais e populares, por meio de uma entrevista coletiva, anunciaram a convocação de uma greve nacional para 9 de outubro. As principais reivindicações que eles levantam são:

• Derrogatório ao pacote econômico;
• Rejeição de aumento de tarifas de passagens;
• Oposição à contra-reforma trabalhista;
• Derrogatória ao estado de exceção;
• Rejeição à brutal repressão e liberdade dos detidos.

Essa ação é uma alta forma de luta que trabalhadores e povos têm; As organizações por meio dessa mobilização expressarão desacordo com as medidas econômicas e com a política que o governo Moreno vem promovendo. Estão previstas várias mobilizações nas capitais provinciais, fechamento de estradas, paralisação de centros de produção, entre outras ações.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar