Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Domingo, 26 Novembro 2017 17:43 Última modificação em Sábado, 02 Dezembro 2017 16:36

Golpistas querem diminuir os salários em 80% com a “reforma” salarial

Avalie este item
(1 Voto)
País: Brasil / Resenhas, Laboral/Economia / Fonte: Causa Operária

O governo golpista, que pretende acabar com a aposentadoria de milhares de trabalhadores do país, com a “reforma” da previdência, estuda também aplicar uma dura política de redução dos salários, com a aprovação da “reforma” salarial. A proposta será enviada ao Congresso ainda este ano e terá como alvo principal, em um primeiro momento, os servidores públicos federais, os quais possuem uma remuneração elevada em comparação com as outras categorias de trabalhadores.

O impacto da proposta é duríssimo. A diminuição salarial dos servidores públicos federais chegará na casa dos 80%. O projeto visa equiparar o salário do servidor público com a remuneração média do setor privado, nesse sentido, hoje um funcionário da administração pública federal, Banco Central e Tesouro Nacional, por exemplo, possui um salário inicial de R$ 16 mil, com a reforma o salário caíra para R$ 5 mil.

A desculpa como sempre é a necessidade de se cortar gastos com a folha de pagamento dos trabalhadores, o que não passa de uma manipulação. Ao mesmo tempo em que o governo ataca o salário do funcionalismo, ele aumenta o repasse de dinheiro para os banqueiros internacionais. Um exemplo disso é o perdão da dívida do Banco Itaú com a previdência social no início do ano, o valor chegava na casa dos R$ 20 bilhões.

Além do corte nos salários, a política de “modernização”, como é chamada, visa ainda instituir um programa de desempenho e mérito. Ou seja, um ataque à estabilidade no emprego do funcionalismo, uma vez que quem irá definir qual deve ser o desempenho dos trabalhadores serão os próprios golpistas. Aquele trabalhador que não aceitar o arrocho salarial e quiser se mobilizar, será demitido por “baixo” desempenho.

O projeto inicialmente irá se direcionar aos servidores federais, todavia, a tendência é que se estenda para todo o funcionalismo público e para os de mais setores. Com a aprovação da reforma trabalhistas, do negociado sobre o legislado, os patrões estão totalmente livres para impor sobre os trabalhadores aquilo que quiserem, redução salarial, trabalho de doze horas, fim das licenças, etc.

Para o próximo ano, o ataque à classe trabalhadora tende a se aprofundar ainda mais. O funcionalismo público será um dos primeiros setores afetados. Em vários estados já está sendo implementada e encaminhada uma política de congelamento salarial, isso sem falar no fim da estabilidade pública, o  PLS 116/2017, que tramita no senado, de autoria Maria do Carmo Alves do DEM.

A única forma de barrar esses ataque é por meio da mobilização contra o golpe de Estado. Para impulsionar essa luta é necessário organizar os comitês de luta contra o golpe nos locais de trabalho, reunindo os servidores públicos e os trabalhadores das demais categorias.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar