Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Quarta, 29 Novembro 2017 18:20 Última modificação em Domingo, 03 Dezembro 2017 17:40

Paraíso dos patrões: trabalhadores intermitentes pagarão para trabalhar

Avalie este item
(2 votos)
País: Brasil / Laboral/Economia / Fonte: Causa Operária

De acordo com as novas regras implementadas com a reforma trabalhista, haverá casos em que o trabalhador terá de pagar para trabalhar. Essa regra, que é extremamente boa para os empresários, define que o patrão deverá recolher 8% do que falta entre o valor recebido pelo empregado e o salário mínimo.

O trabalho intermitente, criado pela reforma trabalhista, é o trabalho que não é fixo. Nesse sentido, o empregado intermitente pode ser contratado para trabalhar por alguns dias ou algumas horas, e seu salário será claramente menor (ou muito menor, em alguns casos) do que o salário mínimo. Isso é muito bom para o patrão, que pagará menos pelos serviços prestados, aumentando, por consequência, seu lucro.

A grande polêmica da nova regra criada pela reforma trabalhista (a qual já é um ataque frontal à classe trabalhadora) consiste no fato de que, se o trabalhador receber menos que o salário mínimo, terá ele mesmo que pagar a diferença entre seu salário e o mínimo para receber os benefícios da aposentadoria. O trabalhador terá que completar o que falta para o salário mínimo para se aposentar.

O contrato intermitente deixa o trabalhador ainda mais vulnerável às decisões do patrão. Além de colocar o empregado para inteirar o que falta entre o que recebe e o salário mínimo, a nova modalidade de trabalho também proíbe o recebimento do seguro-desemprego pelo trabalhador intermitente.

Este é o verdadeiro significado da reforma trabalhista: fazer com que os empregados recebam menos para aumentar o lucro dos patrões. Diferentemente do que diz a imprensa e organizações de extrema-direita (como o MBL, por exemplo), as medidas do golpe de Estado, entre elas a reforma trabalhista, desejam destruir todos os direitos e conquistas democráticas da população para que, em cima disso, os empresários e banqueiros possam manter suas cifras.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar