Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Terça, 12 Julho 2016 14:58 Última modificação em Terça, 12 Julho 2016 16:08

Informação pública num país polarizado

Avalie este item
(0 votos)
País: Brasil / Comunicaçom / Fonte: Observatório da Imprensa

[Denize Bacoccina] No Carnaval deste ano, em meio a uma profusão de notas sobre a animação dos foliões e fotos com mulheres em trajes sumários nas escolas de samba em sites de notícias de todo o país, a Agência Brasil publicou uma reportagem sobre uma pesquisa mostrando que quase metade dos homens considera que “bloco de rua não é lugar de mulher direita”. A grande repercussão da matéria, exclusiva, mostrou que – mesmo em meio à folia de Momo – existe espaço no jornalismo para uma discussão mais séria sobre o machismo e o espaço da mulher na sociedade. 

Uma pesquisa no Google mostra que o texto foi republicado em 432 veículos diferentes. Em apenas um deles, o Huff Post Brasil, teve 6,5 mil compartilhamentos e é possível estimar que tenha alcançado mais de 500 mil pessoas. Impossível saber quantos leram o material em veículos impressos. Esse é apenas um exemplo do alcance dos textos e fotos produzidos diariamente pela Agência Brasil – uma agência pública de notícias – republicados por veículos de todo o país e do exterior. Para os leitores, uma alternativa confiável em meio a uma imprensa tão polarizada, campo em que muitas vezes a opinião fala mais alto do que o fato. Tanto que nossa audiência direta triplicou nos últimos 12 meses. Para editores de jornais, sites e blogs de todo o país, um fornecedor confiável. E gratuito.

Na atual discussão sobre a necessidade ou não de uma empresa pública de comunicação no Brasil, o debate acaba se concentrando entre a meia dúzia de veículos representantes daquilo que se costumava chamar de grande imprensa. Mas essa é uma visão ultrapassada. A tiragem dos jornais e revistas semanais com alcance nacional não chega a dois milhões de exemplares. Apenas 1% da população brasileira. 

Quem vive ou viaja para fora do eixo Rio-São Paulo sabe que a grande maioria dos brasileiros se informa pelos jornais locais – seja em papel ou em suas edições online. Que podem ser excelentes, muito bem informados sobre a sua região e financeiramente sólidos, mas dificilmente teriam condições de bancar equipes próprias para cobrir tudo o que acontece em Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro e outras capitais importantes. Estes jornais dependem da Agência Brasil para informar seus leitores.

Interesse público

Ao contrário do que pensam alguns, a Agência Brasil não é uma agência oficial. Não se dedica apenas aos assuntos do governo. O que move a sua pauta é o interesse público. Isso está na lei da EBC, no manual de redação e na prática diária dos profissionais que escrevem e editam as matérias. A cobertura do impeachment, por exemplo, exigiu grande dedicação da equipe, com jornadas que avançaram pela madrugada e tiveram absolutamente nenhuma interferência política.

Ela foi ditada pelas boas práticas do jornalismo: reportar os fatos, com exatidão e clareza, maior diversidade possível de fontes e equilíbrio. Claro que, num país polarizado, mesmo uma cobertura equilibrada não é isenta de críticas. Se você for bem-sucedido em andar em linha reta, reportando os dois lados, será criticado igualmente por ambos. Já houve caso de o mesmo texto receber duas críticas de leitores: uma dizendo que a abordagem era muito pró-governo e outra que fazia oposição.

Mesmo num noticiário tão influenciado pela política, o grande diferencial da Agência Brasil é justamente sua capacidade de ir além da agenda oficial, trazendo para o noticiário temas pouco presentes na pauta da grande imprensa – vítima da crise que reduziu as equipes e os temas de cobertura. Assuntos fundamentais para uma sociedade, como direitos humanos, questões de gênero, meio ambiente, educação. Desde o início do ano, com a ampliação da rede de correspondentes, estamos presentes em nove capitais, descentralizando o eixo noticioso e contribuindo para mostrar o Brasil aos brasileiros.

Uma democracia precisa de cidadãos bem informados. É esta a missão da Agência Brasil.

***

Denize Bacoccina é jornalista e superintendente-executiva de Agências e Conteúdo Digital da EBC.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar