Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Quarta, 24 Agosto 2016 08:06 Última modificação em Quarta, 24 Agosto 2016 13:07

Consulta popular revela o fracasso do projeto de lei "Escola sem partido"

Avalie este item
(1 Voto)
País: Brasil / Língua/Educaçom / Fonte: Esquerda Diário
O projeto de lei Escola Sem Partido está sob consulta pública no portal do Senado Federal, no entanto após um mês que está sobre votação a maioria é contra esse projeto que também é conhecido como "lei da mordaça", fazendo alusão a período ditatorial no Brasil. O autor do projeto, o Senador Magno Malta (PR/ES) que também pastor e uma espécie de ídolo da extrema direita por expressar seus discursos raivosos contra aqueles que não compactuam com suas ideias conservadoras.

O discurso dos que defendem esse projeto de lei, que visa censurar o que os professores ensinam em sala de aula, é que deve haver "neutralidade no ensino". Argumentando que os professores "doutrinam os alunos" desde o ensino infantil até o ensino médio. Por trás desses argumentos pífios, que vai contra a liberdade de cátedra para ensinar, é um projeto que visa defender o conservadorismo impondo apenas um ponto de vista.

A escola deve ser um ambiente libertador onde o individuo aprenda com as diferenças. Não é e não deve ser um ambiente onde reine somente o pensamento da classe dominante, o professor deve apresentar aos alunos diversos pontos de vista sobre um determinado assunto, incentivando a criticidade dos alunos através de debates sobre temas polêmicos. O resultado dessa pesquisa mostra que a sociedade não tem acordo com o conservadorismo predominante na câmara e no senado. O idealizador e os que defendem esse projeto são contra a discussão de gênero em sala de aula, entre outros temas polêmicos como racismo, machismo e xenofobia.

O senador conservador provavelmente desconhece as Leis de Diretrizes e Bases (LDB), ao tentar vetar a liberdade dos professores e impedir que os alunos aprendam a respeitar e conviver com as diferenças ele também está tentando silenciar as mulheres, os lgbts, os negros e imigrantes. Os professores, pais e alunos devem continuar combatendo esse projeto de lei que visa silenciar os professores. A escola deve ser o espaço democrático onde pais, alunos e professores possam construir uma educação que liberte e não que oprime os alunos.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar