Publicidade

Diário Liberdade
Publicidade
Publicidade
Quarta, 31 Agosto 2016 19:53

Instantes finais

Avalie este item
(0 votos)
País: Brasil / Institucional / Fonte: Correio da Cidadania

[Henrique Carneiro] Após meses, o impeachment vai chegar ao fim.

Dilma, em seu discurso, rebateu do ponto de vista jurídico a ausência completa de legitimidade nas acusações das pedaladas fiscais.

Porém, ao afirmar que não se acumpliciou com o pior da política no Brasil, não disse a verdade. São seus próprios ex-aliados que agora vão votar pelo fim do seu mandato, entre os quais vários ex-ministros.

Ela se aliou, sim, com o pior da política no Brasil, de Maluf a Collor, dos partidos fisiológicos aos fundamentalistas evangélicos e, sobretudo, com o PMDB, seu parceiro de longa data.

Por que ela não pode fazer uma autocrítica destas alianças? Porque tais alianças continuam!
Mesmo com o impeachment, o PT continua aliado com os partidos golpistas! Dilma não enriqueceu pessoalmente, o que de fato a distingue da venalidade explícita da maior parte dos que a condenam.

Mas não deixou de manter suas alianças com o pior da política brasileira, com os corruptos mais descarados, com os oligarcas mais antigos, com o sistema político ao qual se adaptou.
O mais triste é que o papel maior do PT foi o de neutralizar a mobilização popular, de reduzir o movimento social a uma mera base eleitoral.

Aliado à burguesia e seus representantes, cumpriu tão bem seu papel de rebaixar as expectativas, de promover o lucro dos setores mais predatórios do agronegócio, da mineração e do capital financeiro, de forjar uma legislação repressiva, que agora, quando perdeu sua utilidade como parceiro do grande capital, quase não há mobilização em sua defesa.

O governo caiu num golpe palaciano, urdido pelos seus próprios aliados e, apesar disso, continua a manter nas eleições municipais alianças com esses mesmos partidos fisiológicos e traiçoeiros, haja vista a aliança de Haddad em São Paulo com o PR de Magno Malta e Tiririca.
Não há como defender o PT que se mantém nas mesmas estratégias, fisiológica e conciliatória, que o levaram ao colapso.

A esperança agora é que o Fora Temer cresça e nas próximas eleições o voto no PSOL, no PSTU e no PCB indique a superação das ilusões no PT.

Henrique Carneiro é ativista e professor da USP.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade
Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar