Publicidade

Diário Liberdade
Terça, 16 Mai 2017 09:21 Última modificação em Sábado, 20 Mai 2017 02:28

15 entidades formarám 'Bloco Reintegracionista' na manifestaçom nacional de 17 de Maio em defesa da língua

Avalie este item
(2 votos)
País: Galiza / Língua/Educaçom / Fonte: Diário Liberdade

O Diário Liberdadade, entre as 15 entidades que subscrevem o comunicado do reintegracionismo de base organizado para a participaçom conjunta na manifestaçom deste 17 de maio.

Como é habitual no Dia das Letras, este 17 de Maio haverá reivindicaçom lingüística nas ruas da Galiza. Será umha única manifestaçom nacional, convocada pola plataforma "Queremos Galego" e na qual, previsivelmente, participarám milhares de galegos e galegas.

Estes som os 15 coletivos aderidos ao chamado Bloco Reintegracionista, que também costuma comparecer como parte da mobilizaçom popular em defesa do idioma cada 17 de Maio:

A Gentalha do Pichel , Associaçom de Estudos Galegos (AEG), Associaçom Xebra, Briga, Centro Social Faísca, Centro Social Fuscalho, Centro Social Gomes Gaioso, Centro Social Mádia Leva, Centro Social Ocupado Autogerido Escárnio e Maldizer, Centro Social Revolta, Coletivo Terra, Diário Liberdade, Fundaçom Artábria, Liga Gallaecia, Sociedade Cultural e Desportiva do Condado.

Para além de marcharem juntas atrás de umha faixa comum com a legenda "Vamos à rua, defender a língua! Nem minoritária nem autonómica, extensa e soberana!", as entidades participantes no Bloco Reintegracionista (culturais, juvenis, desportivas e centros sociais) divulgam nestes dias o seguinte comunicado conjunto:

Vamos à rua, defender a língua!

Nem minoritária nem autonómica, extensa e soberana!

Se algo ficou claro nos últimos anos é a insuficiência dos discursos e as declaraçons de intençons na hora de dar ao galego o papel central que lhe corresponde como o mais antigo e identificador sinal de identidade do nosso povo.

Se bem a prostraçom vem no nosso caso imposta durante tantos séculos de domínio castelhano-espanhol, nom há dúvida que nas últimas décadas se acelerou a desgaleguizaçom das pessoas mais novas, quebrando a transmissom intergeracional. A língua mostra desse modo as nefastas conseqüências que tem para qualquer povo a falta de soberania política, pondo em risco o seu futuro.

O paradoxo está nas boas palavras com que está a ser envolto o ainda chamado “processo normalizador”, nunca nos últimos séculos tam institucionalizado e, ao mesmo tempo, tam minorizado e impedido de se desenvolver plenamente como nos dias de hoje.

O abandono calculado, disfarçado de falsa proteçom, parecem ter condenado o nosso povo a um futuro, que vemos já no presente, em castelhano.

Isto tem soluçom!

Porém, iniciativas surgidas da base social, assim como a relativa vitalidade que ainda mantém em setores minoritários das geraçons mais novas, deve empurrar-nos a nom dar por perdida esta batalha. Se bem a situaçom é muito preocupante, contamos com algumhas ferramentas e potencialidades que, bem aproveitadas, podem ajudar a umha recuperaçom efetiva do galego.

Existem ámbitos laborais, sindicais, culturais, musicais, educativos, desportivos e de ativismo popular em que já se desenvolvem iniciativas significativas, em que pessoas novas conseguem tornar realidade o velho anseio de Cabanilhas, fazendo da língua o nosso escudo.

A força da unidade lingüística

Entre os recursos com que contamos, está um totalmente desprezado polas forças responsáveis pola política lingüística oficial até hoje: a força da unidade lingüística galego-luso-brasileira, o que costumamos chamar reintegracionismo lingüístico.

Longe de termos umha língua minoritária e autonómica, incapaz de concorrer com o espanhol, o galego pertence ao quarto espaço lingüístico do planeta. Nom seremos nós que estabeleçamos qualquer hierarquia lingüística em funçom do número de falantes, mas tampouco teimaremos em desprezar o que isso supom.

A Europa tem numerosos exemplos semelhantes ao nosso, em que o bom senso favoreceu a articulaçom de línguas divididas entre vários estados, como acontece na falada a norte e sul do Minho.

Soberania lingüística

A soberania lingüística significa, no caso galego, a afirmaçom de que podemos desenvolver-nos plenamente como povo na nossa língua, e que nom temos que submeter-nos às limitaçons autonómicas com que o espanholismo pretende isolar o galego dos seus irmaos gémeos, português e brasileiro.

Umha máxima abertura e colaboraçom no nosso ámbito lingüístico e cultural de ámbito internacional só trará vantagens num processo que, no fim das contas, deveremos desenvolver nós, sem tutelas alheias de nengum tipo, afirmando a territorialidade efetiva do galego na Galiza, como primeira língua do nosso povo.

Só a multiplicaçom de iniciativas autogeradas na base social forçará mudanças que acabem por impor um novo rumo regaleguizador. E só assi poderemos aspirar a um futuro digno como povo.

É na rua, em cada espaço de socializaçom, que essa luita se dá... e se ganha!

Galiza, 17 de maio de 2017

Bloco Reintegracionista

A Gentalha do Pichel , Associaçom de Estudos Galegos (AEG), Associaçom Xebra, Briga, Centro Social Faísca, Centro Social Fuscalho, Centro Social Gomes Gaioso, Centro Social Mádia Leva, Centro Social Ocupado Autogerido Escárnio e Maldizer, Centro Social Revolta, Coletivo Terra, Diário Liberdade, Fundaçom Artábria, Liga Gallaecia, Sociedade Cultural e Desportiva do Condado

17

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar