Publicidade

Diário Liberdade
Segunda, 04 Julho 2016 12:47 Última modificação em Segunda, 04 Julho 2016 18:38

Galiza e Portugal, irmãos separados?

Avalie este item
(0 votos)
País: Galiza / Cultura/Música / Fonte: PGL
O 2 de julho o blogue coletivo A Viagem dos Argonautas, publicava, assinado pelo seu Coordenador, Carlos Loures, este editorial sobre o relacionamento Galiza – Portugal, que reproduzimos na íntegra pelo seu interesse.

EDITORIAL: Galiza e Portugal, irmãos separados?

Dois estados separados por uma fronteira frágil e por preconceitos fortes – assim se poderia definir a situação das relações entre Portugal e a Galiza. Alguns portugueses e galegos têm procurado dissipar essa indiferença. Manuel Rodrigues Lapa autodefiniu-se como «galego do Sul» e outros intelectuais, como Castelao, Calero. Lindley Cintra, Ernesto da Cal, têm procurado estabelecer as relações que deveriam unir dois estados que deveriam comportar-se como irmãos e não como vizinhos que se cumprimentam formalmente. Tudo o que é importante nos liga; ninharias, preconceitos e interesses políticos nos separam. Portugal começou por ser um condado do reino da Galiza, nascidos de um tronco comum. Em poucas linhas, eis a história da Galiza, um estado submetido ao centralismo de Madrid e não uma «região» de Espanha, como nos querem fazer crer.

O reino da Galiza, dependeu de jure até já entrado o século IX do reino das Astúrias (ou de Leão). Quando Afonso II, o Casto, divide o território pelos três filhos – Garcia I, de Leão, Fruela II, das Astúrias e Ordonho II, da Galiza, a Galiza é referida como reino independente de facto. No entanto foi dependendo politicamente de outros reinos – de Leão. Até 1230 e de Castela, até 1516, quando os reis «católicos», conquistada Granada, começam a dar aos seus reinos o nome de Espanha.

A Galiza começa a ser aculturada por Castela e o idioma galaico-português é progressivamente transformado em dialecto do castelhano. Politicamente, a Galiza deixa de existir.

Mas o idioma sobrevive. A Sul, Portugal, desde o século XII, adopta-o, usa-o, desenvolve-o. E hoje, o galego-português vai a caminho dos 300 milhões de falantes e, com uma margem de progressão enorme (sobretudo em Angola e Moçambique), podendo mesmo, em poucas décadas, ultrapassar o castelhano.

Apoiar a luta dos galegos pela dignificação da nossa língua comum, é uma das lutas prioritárias do nosso blogue.

 
Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Publicidade

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar