Publicidade

Diário Liberdade
Terça, 24 Mai 2016 14:38

Há 126 anos nasceu “o que ilumina”, Ho Chi Minh, patriota independentista vietnamita Destaque

Avalie este item
(1 Voto)
País: Vietname / Resenhas / Fonte: PCB

Poeta, político e presidente (1954-1969) da República do Vietnã / Desde 1959, fez frente à invasão dos EUA, derrotando-o depois de uma década e meia e de 5 milhões de vietnamitas massacrados.

Há 126 anos nasceu o líder do movimento independentista vietnamita Ho Chi Minh, insigne revolucionário e marxista, que foi fundador do Partido Comunista desse país e presidente do mesmo entre 1945 e 1969.

Além de participar da formação da República Democrática do Vietnã, organizou o Exército Popular do Vietnã e a Frente de Libertação Nacional (Vietcong), durante a cruel e impiedosa guerra que provocaram os EUA nessa nação sul-asiática.

Ho Chi Minh nasce una região de Annam, no centro do Vietnã, em 19 de maio de 1890. Seu verdadeiro nome era Nguyen Sinh Cung, porém a clandestinidade em que viveu sempre o obrigou a utilizar inúmeros apelidos para escapar da perseguição policial. O nome de Ho Chi Minh significava “o que ilumina”; outras vezes se fez chamar Nguyen Ai Quoc, “o patriota”, ou Nguyen Tat Thành.

Este líder enfrentou os impérios que exploravam sua nação. Em 1938, entrou em contato com Mao Zedong na China, de onde foi para o Vietnã em 1941, para participar na luta contra o Japão e contra a França de Vichy, no marco da Segunda Guerra Mundial (1939-45). Em 1941, condenado à morte pelas autoridades coloniais francesas, teve que fugir para refugiar-se na União Soviética.

Em 1943, tomou o comando da insurreição nacional vietnamita contra os franceses, adotando o nome de guerra de Ho Chi Minh (“o que ilumina”).

Em 1945, viu reconhecida formalmente a independência da República Democrática do Vietnã, porém, ao terminar a guerra mundial, com a derrota do Japão, os vencedores decidiram na Conferência de Postdam dividir o Vietnã em duas zonas: a República Democrática do Vietnã ao norte, dominada por Ho Chi Minh, e uma zona de ocupação britânica no sul, que depois a Inglaterra cedeu à França em 1946.

Os franceses provocaram outra guerra, ao negar-se a reconhecer o novo Estado independente do Norte e tentar recuperar pela força o controle de suas antigas colônias na Indochina. A guerra teve como saldo a vitória norte-vietnamita após a batalha de Dien Bien Phu (1954), que obrigou a França a reconhecer a existência na Indochina de quatro Estados independentes: Laos, Camboja, Vietnã do Sul e Vietnã do Norte, este último sob o governo de Ho Chi Minh.
Vietnã socialista contra agressões dos EUA

Em 1954, se estabeleceu no Vietnã um regime socialista alinhado com a União Soviética, que impulsionou uma profunda reforma agrária e se esforçou por impedir a corrupção e o abuso do poder, mantendo uma liderança carismática baseada em compartilhar as decisões políticas e em manter um estilo de vida austero e popular. Ho Chi Minh prosseguiu sua luta revolucionária pela reunificação do Vietnã, prestando apoio a partir do norte ao movimento guerrilheiro comunista do sul (Vietcong), que enfrentava uma ditadura sustentada pela ajuda militar dos Estados Unidos.

A partir de 1959, o Vietnã teve que fazer frente à invasão dos Estados Unidos, que abertamente apoiava as autoridades do sul, em uma guerra que durou uma década e meia, deixou cinco milhões de vietnamitas mortos e três milhões de pessoas vítimas dos efeitos tóxico do agente laranja. Nessa guerra, os EUA lançaram mais de sete milhões de toneladas de bombas e 100.000 toneladas de substâncias químicas tóxicas, mais que as empregadas durante a Segunda Guerra Mundial.

Porém, a derrota norte-americana estava escrita e, desde 1968, o presidente norte-americano Johnson abriu negociações de paz com o Vietnã do Norte, que se completariam sob o mandato de Nixon.
Vitória e propagação:

No entanto, o líder e fundador do movimento, Ho Chi Minh, morreu antes do fim da guerra, sem chegar a ver a retirada estadunidense (1973), o colapso militar do Vietnã do Sul (1975) e a reunificação do país so bum regime comunista (1976). Em sua honra, as autoridades vietnamitas puseram o nome de Cidade Ho Chi Minh à antiga capital do Vietnã do Sul, Saigon (1975).

Quando em 1975, seis anos depois da morte de Ho Chi Minh, os combatentes vietnamitas derrotaram as tropas estadunidenses, seus carros de combate portavam cartazes com a mensagem: “Tu sempre marchas conosco, tio Ho”.

O cantor e compositor chileno Víctor Jara dedicou à figura de Ho Chi Minh sua música El derecho de vivir en paz [O direito de viver em paz]. Também o venezuelano Alí Primera, o cantor do povo, honrou sua memória com a canção Inolvidable Ho Chi Minh [Inesquecível Ho Chi Minh].

Em 2 de setembro de 1969, Ho Chi Minh morreu sua casa, em Hanói, após sofrer uma parada cardíaca. Contra seus desejos de ser cremado, o governo ordenou que fosse embalsamado. Seu corpo é exibido em um impressionante mausoléu situado na praça Ba Dinh, em Hanói.

Fonte: http://www.resumenlatinoamericano.org/2016/05/19/hace-126-anos-nacio-el-que-ilumina-ho-chi-minh-patriota-independentista-vietnamita/

Tradução: Partido Comunista Brasileiro (PCB)

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar