Publicidade

Diário Liberdade
Sexta, 03 Março 2017 00:35 Última modificação em Segunda, 06 Março 2017 10:27

Rússia e China travam sanções contra a Síria

Avalie este item
(0 votos)
País: Síria / Direitos nacionais e imperialismo / Fonte: Abril Abril

Após a votação de uma resolução contra a Síria por alegada utilização de armas químicas, a Rússia denunciou uma «cruzada» do Ocidente para impor a mudança de regime no país.

A proposta de resolução, na qual se acusava o Governo sírio de utilizar armas químicas e que visava impor sanções ao país árabe, proibindo-o de adquirir helicópteros e colocando numa «lista negra» 11 militares e dez membros do governo por alegada ligação a ataques com gases tóxicos, foi promovida pelos outros três países com assento permanente no Conselho de Segurança das Nações Unidas (CSNU): França, Reino Unido e Estados Unidos da América.

Na sessão desta terça-feira, em Nova Iorque, a proposta contou com o apoio de Itália, Japão, Senegal, Suécia, Ucrânia e Uruguai. Por seu lado, Cazaquistão, Egipto e Etiópia abstiveram-se, enquanto a Bolívia se juntou à Federação Russa e à China no chumbo. É a sétima e a sexta vez, respectivamente, que estes dois últimos países, com direito de veto no CSNU pela sua qualidade de membros permanentes, bloqueiam resoluções contra a Síria.
«Factos provados e não hipóteses»

Responsáveis governamentais sírios qualificaram a proposta de resolução como uma desculpa do Ocidente para prosseguir com uma agenda que visa derrubar o presidente legítimo do país, Bashar al-Assad. Para além disso, o Governo sírio tem negado repetidamente o recurso a armamento proibido e acusado a Arábia Saudita, o Catar e a Turquia de fornecerem armas químicas a grupos terroristas.

Ontem, após a votação, o representante russo no CSNU, Vladimir Safronkov, também se referiu à agenda que a «troika ocidental» procura impor, recorrendo para tal à «questão das armas químicas» e minando, dessa forma, «as acções diplomáticas e políticas em curso para pôr cobro ao conflito», informa a Prensa Latina.

Para Safronkov, «os promotores deste projecto de resolução apenas procuram criar uma base adicional para a mudança de regime, e, com os seus objectivos geopolíticos, criam obstáculos aos esforços de paz».

Os dados resultantes da investigação conjunta das Nações Unidas e da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) são, no entender do diplomata russo, inconclusivos, parciais e uma provocação. «Precisamos de factos provados e não de hipóteses», disse, lembrando que Moscovo já tinha posto em causa a objectividade do processo, acusando os países ocidentais de pressionarem os investigadores, indica a agência SANA.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar