Publicidade

Diário Liberdade
Segunda, 25 Dezembro 2017 11:30 Última modificação em Quinta, 28 Dezembro 2017 22:15

Botsuana condena ameaças dos EUA sobre a votação do status de Jerusalém na ONU

Avalie este item
(2 votos)
País: Botsuana / Direitos nacionais e imperialismo / Fonte: Diário Liberdade

O governo de Botsuana denunciou as chantagens dos EUA antes da votação na Assembleia Geral da ONU na última quinta-feira (21) sobre a decisão estadunidense de transferir sua embaixada em Israel de Tel-Aviv para Jerusalém, reconhecendo assim essa cidade como capital do país.

Antes da votação, chamada para repudiar a medida norte-americana, a representante dos EUA nas Nações Unidas, Nikki Haley, fez circular um comunicado avisando aos outros países que Washington estaria “de olho” em cada posicionamento contrariando sua vontade.

“[...] O Presidente estará assistindo a essa votação cuidadosamente e pediu que eu lhe informe sobre os países que votaram contrá nós. Vamos tomar nota de cada um dos votos [...]”, rezava o documento da embaixadora estadunidense na ONU.

No mesmo dia, o Ministério de Relações Exteriores de Botsuana divulgou uma mensagem repudiando o que chamou de “comunicado ameaçador e grosseiramente inapropriado” com o propósito de "minar a soberania de Botsuana como um país independente”.

Diz o documento que, “consequentemente, Botsuana não vai se intimidar por tais ameaças e vai exercer seu direito e voto soberanos beseados nos princípios de sua política externa” que afirma que o status final de Jerusalém (reivindicada pela Palestina como sua capital, al-Quds) é uma questão fundamental que deve ser resolvida em negociações no âmbito das Nações Unidas.

O país ainda encorajou todos os membros da ONU a apoiarem a resolução “apesar das consequências” (as retaliações estadunidenses).

bot

De fato, Botsuana foi um dos 128 países que votaram a favor da resolução condenando a atitude dos EUA, contra nove objeções e 35 abstenções.

Após a votação, Nikki Haley fez novas ameaças aos países aliados dos EUA que votaram contra a decisão unilateral de Washington, prometendo respostas econômicas.

A retalição se concretizou três dias depois. No domingo (24), a representante norte-americana anunciou um corte de U$ 285 milhões em suas contribuições para o orçamento anual das Nações Unidas, devido à “ineficiência e gasto excessivo” da entidade. “Não deixaremos mais que [a ONU] se aproveite da generosidade do povo estadunidense”, disse ela em comunicado.

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar