Publicidade

Diário Liberdade
Domingo, 28 Outubro 2018 18:49 Última modificação em Quarta, 07 Novembro 2018 00:07

Caso Khashoggi (II): Erdogan pom preço à cabeça do príncipe

Avalie este item
(0 votos)
País: Turquia / Direitos nacionais e imperialismo / Fonte: Diário Liberdade

[Nazanin Armanian, traduçom do Diário Liberdade] Em 1818, o Sultám otomano Mahmud II pendurou a cabeça do rei do primeiro Estado saudita Abdullah bin Saud na porta de Constantinopla.

Hoje, 200 anos depois, o aspirante a Sultám otomano, Tayyeb Erdogan, está a sujeitar numha mao a cabeça do príncipe herdeiro da Arábia Saudita Mohammed Bin Salman (MBS), e com a outra mantém umha daga abaixo do seu pescoço. Mas, Tranquilos! nom vai matá-lo: hoje, o autor intelectual do magnicídio de Istambul vale mais vivo do que morto.

O presidente turco adotou a estratégia de Sherezade, a contadora persa de histórias da Mil e umha noites: narra, noite após noite, os seus relatos previamente cortados, para tirar vantagens a um assassino, enquanto guarda algum (ou vários) ás na manga.

Erdogan e Milli Istihbarat Teskilati (MIT), a Organizaçom Nacional de Inteligência turca começárom a filtrar os mórbidos pormenores do assassínio do jornalista islamita Jamal Khashoggi, a partir do dia 4 de outubro, ignorando a dor da família, com o único objetivo de tirar o máximo proveito da situaçom, enquanto negociava em segredo com os EUA e Arábia saudita. Polo que, na noite número 999, e apesar de ter prometido ao mundo contar a verdade “em toda o seu crueza” sobre o assassinato, suspendeu a seguinte entrega que ia ser a publicaçom de umha fita de áudio de 11 minutos sobre o crime.

É mais que provável que Ancara tivesse conhecimento sobre o trágico fim de Khashoggi desde o minuto um, e decidisse dosificar a informaçom, e passar à seguinte entrega dependendo da reaçom oficial de Riad e dos resultados de negociaçons que estám a levar a cabo com Khalid Ao Faisal, o emir da Meca designado polo Rei Salman como representante dos sauditas.

Desconhece-se se tal informaçom procedia de algum espiom turco no consulado, da captaçom das conversas de um dos assassinos polas escuitas ao seu telemóvel, ou os microfones instalados dentro e fora do consulado. A partir dali, começa umha engenharia informativa que atribui ao Sultám Erdogan se impor à Alteza Bin Salman: precisamente quando este se distanciava do crime, publicou o video dos sicários, entre os quais se encontrava o assessor pessoal de MBS.

A estratégia turca de “pressom e paciência” funcionou: Os sauditas, após duas semanas de negarem qualquer ligaçom com o desaparecimento de Khashoggi e inclusive culparem a própria Turquia polo seu desaparecimento, admitírom o crime polos seus agentes, enquanto ambos os lados ignoravam o envolvimento de MBS, apesar das inegáveis evidências, como a conversa intercetada de Mohammed com a inteligência saudita nos EUA pola CIA.

Esta “coincidência” cheira a um pacto entre EUA, Turquia e Arábia Saudita, que deixaria escapar Mohammed pola janela agora que Ancara, habilmente, lhe tinha fechado todas as portas. Também chamam a atençom que até hoje Ancara nom expulse os diplomatas sauditas, nem sequer lhes tenha levantado a imunidade, ou que a polícia turca nom entrasse no consulado nos primeiros dias, apesar de ter plena jurisdiçom sobre a sede, presenteando aos sauditas 15 valiosos dias, para elaborar coartadas. Inspecionárom a sede diplomática após Erdogan ter ligado ao rei Salman e pedido educadamente a autorizaçom.

Pois, o malabarista turco, que com este assunto está a viver nos melhores dias do seu mandato, 1) nom quer deteriorar as suas relaçons com a Arábia e os aliados deste, polos seus grandes investimentos na Turquia (sobretodo no setor da construçom), e 2) precisa de Riad para alcançar um acordo sobre a Síria e a partilha das zonas de influência neste país, que agredírom juntos em 2015 utilizando os jihadistas: Há que negociar a partilha do botim sobre as cinzas daquela naçom. Além disso, com a lira polo chao, a economia turca precisa atrair investimentos dos países árabes da regiom. Daí Erdogan louvar a “sinceridade” do rei Salman em “chegar ao fundo da morte de Khashoggi”.

O presidente de Turquia tinha certa amizade com Jamal Khashoggi (sobrinho do traficante de armas Adnan Ao Khashoggi, implicado no escándalo Irám-Contra?, e primo de Dodi ao Fayet), que era de origem turco, e com o que compartilhava a ideologia da Irmandade Muçulmana (HM), poderosa organizaçom sunnita que já governa em Turquia e Qatar, e conta com dezenas de milhçons de simpatizantes no Egipto, Tunísia, Líbano, e outros estados ?sunnitas?.

Razons de umha profunda fenda

Desde a tomada do poder polo partido direitista-islamita da “Justiça e Desenvolvimento”, e sobretodo a partir do desprezo recebido da Uniom Europeia, a Turquia imperialista tenta aumentar a sua influência nos territórios “mussulmanos” do Império Otomano, desafiando a Arábia Saudita. De modo que as relaçons entre ambos estados passárom polas seguintes fases:

Em 2003, e depois da invasom liderada polos EUA do Iraque em 2003, Bush desmantela o governo árabe-sunita do Iraque e substitui-o por outro árabe-xiita e inclui umha autonomia curda no novo Estado, mudando o equilíbrio da regiom em favor do Irám. Riad e Ancara (e Tel Aviv!) decidem unir as suas forças para conter os iranianos.

2011 é o ano do fim da lua de mel entre o casal, polas “Primaveras” do Egito e Tunísia. Riad nom poupa dinheiro para derrotar as forças da IM (apoiadas por Barak Obama), e inclusive patrocina, junto aos Emirados Árabes Unidos (EAU), um golpe um estado militar no Egipto contra o presidente Mohammed Mursi, pertencente à IM. De facto, Erdogan autorizou as atividades dos dissidentes “irmaos-mussulmanos” egípcios no chao da Turquia, onde disponhem até de estaçons de televisom.

Em 2017, as ameaças de um ataque militar da Arábia Saudita e EUA ao Qatar e o embargo do pequeno país aliado de Ancara por mar, terra e ar por ditos países, enfurece tanto a Erdogan que decide instalar umha base militar em Doha, desafiando a hegemonia saudita inclusive nas águas do Golfo Pérsico.

O distanciamiento entre a Turquia e o governo de Trump é aproveitado por Riad, quem “compra” o presidente dos EUA por milhares de milhons de dólares.

Além disso, a Turquia opom-se às políticas sauditas em isolar o Irám e também à sua renúncia a Jerusalém Oriental como a capital de Palestiniana.

“Nom é possível que guardemos silêncio sobre o ocorrido” advertiu Erdogan aos Saud, insinuando-lhes que nom procurassem um “Salvador” na Casa Branca de Washington: ele estará na Casa Branca (Ak Sarayi) de Ancara.

As demandas de Erdogan a EUA e Arábia

O que Turquia pode obter deste drama é de tal magnitude que nom se deve descartar que a própria MIT, apesar de ter conhecimento prévio sobre os planos de MBS, deixasse que acontecesse. A decadência do Egipto, o peso pesado do mundo árabe-mussulmano, e a queda de Arábia Saudita ao fundo dos infernos, é umha grande oportunidade para que Turquia se apresentar se como líder mesurado e moderado do mundo islámico-sunnita. Além disso, com umha “fita” na sua caixa forte, pode apresentar as seguintes condiçons a Washington e Riad para resgatar a Casa Saud (que nom o herdeiro):

- Deixar de apoiar e armar aos curdos da Síria. É possível que Erdogan consiga algum compromisso ao respeito: díasdespues do assassinato de Khashoggi, Turquia libertou ao pastor norte-americano Brunson, encarcerado em 2016, e anunciou umha maior coordinacion com as forças de EUA na Síria.

-Levantar as multas impostas polos EUA à Turquia.

- Levantar as multas económicas ao Qatar pola Arábia e EAU.

- Realizar o julgamento dos criminosos em Turquia, o local do crime, para assim seguir sacando proveito do cadáver do desgraçado Khashoggi. Terá que se apressar, antes de que todos os envolvidos podam vir a perder a vida, como o tenente Meshal Saad al-Bostani, que morreu num “acidente” de tránsito dous dias após regressar ao seu país (nom podia ter este “acidente” no consulado em Berlim!)

Entre estas demandas está ausente pôr fim à guerra que destruiu o Iémen.

A viagem da diretora da CIA, Gina Haspel, a Ancara para ver com o chefe da inteligência turca Hakan Fidan tem como objetivos examinar as provas da Turquia e também fabricar umha coartada comum para impedir a desestabilizaçom da Arábia.

A novela turca sobre os gánguesteres sauditas continuará a emitir-se, fazendo tremer os alicerces do abalado Oriente Próximo.

- Ler a primeira parte da análise de Nazanin Armanian > Caso Khashoggi (I): o jornalista e o “Jack O Estripador”

 

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar