Publicidade

Diário Liberdade
Domingo, 20 Janeiro 2019 21:41 Última modificação em Quarta, 30 Janeiro 2019 00:27

Coletes Amarelos: no décimo ato, uma mobilização massiva em toda a França

Avalie este item
(0 votos)
País: França / Reportagens / Fonte: Esquerda Diário

[Damien Bernard] Ato após ato, o discurso do governo e da mídia começa a se transformar. Divisão entre bons e maus manifestantes, rearranjo da estratégia de repressão; o governo tenta todas as fórmulas para encontrar uma saída à mobilização dos Coletes Amarelos.

Como última resposta até o momento, o Grande Debate Nacional deveria descomprimir o movimento. Mas, como resposta, vemos uma massificação da mobilização em Paris, com uma mobilização recorde em Toulouse. E o governo tenta de todas as formas escondê-la a todo custo.

“É apenas um debate. A luta... continua...”

A equação parece sem solução para o governo. Se em um primeiro momento o governo usou e abusou da estratégia do medo, por meio do dispositivo militar e da violência policial, os milhares de feridos e de mutilados começaram a atingir a consciência das massas. Enquanto o executivo tomou conhecimento desta mudança após o fervor popular que se expressou em torno do boxeador Christophe Dettinger, o caso de Olivier, na cidade de Bourdeaux, ferido na cabeça [e colocado em coma artificial] após um tiro da BAC, Brigada Anti-Criminalidade, foi a gota d’água que fez transbordar, como um ponto de inflexão.

Desde então, o “apagão” midiático se tornou praticamente insustentável para a grande mídia, obrigada a não mais ocultar as violências policiais. Além disso, a estratégia repressiva do governo começou a tornar-se contraproducente. Milhares de pessoas feridas e mutiladas, combinadas à impunidade total das forças da polícia, radicalizaram uma ampla camada de Coletes Amarelos, dispostos a confrontar as forças repressivas, corroendo a legitimidade da instituição policial.

A velha estratégia de “bons” manifestantes contra os “vândalos malvados”

Para o ato 10, o governo tentou devolver a acusação de “violência” para tentar relegitimar as forças policiais, tentando dividir os Coletes Amarelos entre “bons” e “maus” manifestantes, procurando mostrar “proporcionalidade” da resposta policial. Isso é evidenciado pela grande presença da grande mídia, procurando mostrar a “realidade” do terreno. Essa encenação da ação das forças da ordem tentou “evidenciar” o bom andamento da manifestação que acabaria com uma horda de vândalos, de maneira a delimitar, a qualquer preço, os manifestantes, para melhor legitimar a repressão da polícia. Apesar desta operação não ser nova, aqui ela assume um sentido particular no contexto de uma deslegitimação profunda das forças policiais em uma escala totalmente nova. A expressão mais ilustrativa desta operação foi a transmissão ao vivo nos canais televisivos da BFM-TV e Cnews de imagens da violência policial e de uma manifestante ferida na cidade de Rennes. Pela primeira vez desde o início do movimento, imagens da violência policial foram transmitidas ao vivo nas grandes mídias.

No entanto, essa estratégia do governo de “retorno à ordem”, abandonando as irrupções repressivas, não deixa de ser contraditória. Primeiramente, em termos das forças policiais. Depois de encorajar amplamente a atirar na cabeça dos manifestantes, o governo tentou adotar uma nova abordagem, procurando disciplinar as forças da ordem “sem passar vergonha”. Primeiro, negando a violência policial em nome do Ministério do Interior, enquanto operava internamente uma forma de “ressignificação” do diretor geral da polícia.

Mais um problema para o governo: afrouxando seus dispositivos quase-militares, deixa um espaço aberto que o movimento dos Coletes Amarelos começa a ocupar. Assim, muitos novos manifestantes, que poderiam ter medo da repressão policial, não hesitam mais a se juntarem aos Coletes Amarelos. De fato, a mobilização está aumentando em diversas cidades na França. Nesse sentido, mesmo a estimativa altamente subestimada do Ministério do Interior, de que no décimo ato teriam cerca de 84.000 manifestantes em toda a França, é maior do que a do ato anterior. Os números oficiais estão totalmente fora da realidade, como evidencia a enorme manifestação em Toulouse com mais de 15.000 manifestantes, um recorde absoluto no movimento. As marchas em Paris não ficam para trás, com a maior participação desde o início da irrupção dos Coletes Amarelos, agora com o elemento novo de uma pequena participação de militantes da CGT [Confederação Geral do Trabalho, a maior confederação de sindicatos da França], cerca de uma centena, ou ainda com a chegada de cerca de sessenta estudantes de Paris.

Outra contradição, não menos importante, foi a aposta de Macron de asfixiar os Coletes Amarelos com seu Grande Debate Nacional que não impediu a amplificação do movimento – como podemos ler em um muro: “É apenas um debate. A luta... continua...”

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar