Publicidade

Diário Liberdade
Quarta, 24 Abril 2019 13:11 Última modificação em Quinta, 09 Mai 2019 14:46

Ucrânia: muda o presidente, não mudará a política

Avalie este item
(0 votos)
País: Ucrânia / Institucional / Fonte: O Diário

As eleições na Ucrânia traduziram-se numa enorme derrota do presidente Poroshenko, saído do golpe comandado pelos EUA em 2014.

Votação que explica mais uma razão para o poder fascizante instalado em Kiev ter impedido o Partido Comunista da Ucrânia de apresentar candidato. Esta sintética declaração do seu secretário-geral é suficientemente esclarecedora acerca do que há a esperar.

Na segunda volta das eleições, a maioria dos ucranianos não votou em Vladimir Zelensky, mas sim contra as políticas do presidente Petro Poroshenko. Esta opinião foi expressa pelo líder do Partido Comunista da Ucrânia, Petro Simonenko, num comentário divulgado a GolosUA.

“Na segunda volta, os cidadãos não votaram em Zelensky, mas sim contra Poroshenko e o rumo dirigido por ele. Os cidadãos votaram contra as políticas de quem está actualmente no poder. Em particular, contra as reformas sociais e económicas e contra o facto de a Ucrânia se encontrar sob controlo externo, contra as acções armadas conduzidas ilegalmente que foram usadas para exercer pressão psicológica, contra a luta contra quem discorda. Os resultados desta votação são um sinal de que a maioria dos ucranianos votou contra a política que Poroshenko prosseguiu e impôs ao longo dos seus cinco anos de mandato. Só a região de Lviv apoiou o presidente. Todas as outras regiões se manifestaram contra as políticas de Poroshenko”, declarou Petro Simonenko.

O líder comunista explicou que, na campanha das eleições presidenciais de 2019, a tecnologia foi usada desde o início para levar uma certa pessoa (Zelensky) ao cargo de chefe de Estado, que continuará a perpetuar o actual regime estabelecido pelos EUA. em Fevereiro de 2014.

“Nos Estados Unidos foi escolhida uma pessoa a quem os eleitores concederam a possibilidade de procurar novas formas de garantir a continuação da mesma política de Poroschenko”, concluiu Petro Simonenko.

Gabinete de Imprensa do Partido Comunista da Ucrânia

Diário Liberdade é um projeto sem fins lucrativos, mas cuja atividade gera uns gastos fixos importantes em hosting, domínios, manutençom e programaçom. Com a tua ajuda, poderemos manter o projeto livre e fazê-lo crescer em conteúdos e funcionalidades.

Doaçom de valor livre:

Microdoaçom de 3 euro:

Adicionar comentário

Diário Liberdade defende a discussom política livre, aberta e fraterna entre as pessoas e as correntes que fam parte da esquerda revolucionária. Porém, nestas páginas nom tenhem cabimento o ataque às entidades ou às pessoas nem o insulto como alegados argumentos. Os comentários serám geridos e, no seu caso, eliminados, consoante esses critérios.
Aviso sobre Dados Pessoais: De conformidade com o estabelecido na Lei Orgánica 15/1999 de Proteçom de Dados de Caráter Pessoal, enviando o teu email estás conforme com a inclusom dos teus dados num arquivo da titularidade da AC Diário Liberdade. O fim desse arquivo é possibilitar a adequada gestom dos comentários. Possues os direitos de acesso, cancelamento, retificaçom e oposiçom desses dados, e podes exercé-los escrevendo para diarioliberdade@gmail.com, indicando no assunto do email "LOPD - Comentários".

Código de segurança
Atualizar

Quem somos | Info legal | Publicidade | Copyleft © 2010 Diário Liberdade.

Contacto: info [arroba] diarioliberdade.org | Telf: (+34) 717714759

Desenhado por Ritech

O Diário Liberdade utiliza cookies para o melhor funcionamento do portal.

O uso deste site implica a aceitaçom do uso das ditas cookies. Podes obter mais informaçom aqui

Aceitar